O Livro de Eli (The Book of Eli. 2010)

Num mundo pós-apocalipse, onde o sol é tão intenso que obriga as pessoas a cobrirem diversas partes do corpo, além de protegerem os seus olhos para não ficarem cego, Eli peregrina por entre becos e locais destruídos rumo ao Oeste, carregando consigo um livro a qual lê todos os dias. Em sua jornada, Eli se depara com inúmeras aventuras, em parte devido a um mundo habitado por homens desnudos de honra, ética e moral – em sua natureza mais selvagem, cujo objetivo de vida é apenas sobreviver ao término do dia.

No decorrer da história, sabemos que Eli carrega consigo o único exemplar do livro sagrado de Deus – a Bíblia - que sobrou após a destruição em massa de todas as outras edições, consequência de uma guerra que provavelmente deixou o mundo como nos é apresentado no filme: sem vida, acinzentado e caótico. A Bíblia, na visão de Eli, não representa somente a salvação do mundo através da propagação da fé, nem somente a ordem tão necessitada nestes dias tenebrosos, mas significa também o compromisso com a sua própria crença, afinal foi uma voz que lhe pediu para percorrer esta empreitada.

Eli, interpretado pelo excelente Denzel Washington, é um profeta de Deus. É o instrumento do divino para salvar uma vez mais a humanidade, assim como já fizeram tantos outros – segundo registros bíblicos. Eli é o grande herói de seu tempo, protegido pela alcunha do mestre dos mestres. A sua história representa o primeiro capítulo de uma espécie de novíssimo testamento, uma parte jamais escrita da Bíblia que relata as proezas divinas desta época. Até nisto o título do filme vem muito a calhar.

Através do título, muito interessante pela proposta que eu observei em particular percepção, entendo que os idealizadores trabalharam com a ideia que se trata de uma versão filmada de um livro bíblico jamais escrito, que viria logo após o apocalipse de João, que supostamente teria sido escrito há muitos anos e que retrata como Deus salvou a humanidade através de sua palavra, carregada pelo profeta Eli. O Livro de Eli, portanto, não é somente o título do filme, mas o título do que poderia ser um livro bíblico.

Imagine se a história do filme fosse escrita em papiro, com o devido estilo bíblico aplicado, e encontrado numa região remota, num local inusitado, daqui a 1000 anos. Qual seria o efeito da obra? Se tornaria um objeto de adoração global? Se tornaria um evangelho apócrifo? Não temos como saber, porém creio que, no mínimo, haveria pessoas que acreditariam na história, talvez a igreja católica – se existisse no ano 3010 – até canonizaria o Santo Eli. Talvez se tornasse uma história a ser contada nas igrejas, dos dias em que Satã habitou na Terra e como um homem tocado por Deus conseguiu expulsá-lo somente com a fé nas escrituras.

Em determinados versículos do Livro de Eli talvez houvesse sermões sobre como o conhecimento excessivo – típico da sociedade da informação – trouxe o mal ao homem, cuja ganância fez com quisesse ser Deus para controlar a humanidade, lição encontrada nas passagens sobre Carnegie. Material para que os líderes espirituais formulassem os seus sermões é o que mais encontrariam no Livro de Eli.

Mas será que o roteirista, ao escrever a história, queria passar uma mensagem religiosa, sobre a necessidade de redenção e sobre a necessidade de ter fé no Deus Uno para termos uma vida organizada e, principalmente, feliz? Será que o homem, por si só, não obteria os valores éticos e morais para organizar-se sem a necessidade de Deus dentro de si, e por isto mesmo este reencontro com o divino era totalmente necessário? Nos dias atuais cada vez mais dispensamos a fé para nos apegarmos às explicações materiais, seria o filme uma crítica a esta afirmação? Ultima questão: será que o filme realmente é uma espécie de pregação religiosa?

Eu, felizmente para alguns e infelizmente para outros, não veja desta forma. Sobre a minha ótica a mensagem pode ser ligada diretamente ao problema conhecido como a origem do mito. Da mesma maneira que o Livro de Eli foi escrito, outros livros épicos da Bíblia também, como a história de Noé, Moisés, Abraão, José, Jó e Jesus Cristo. Sabemos que o Livro de Eli não passa de ficção, portanto onde reside a credibilidade dos outros livros presentes na Bíblia? A credibilidade, obviamente, reside na fé. A mesma fé que levou Eli a crer que jamais poderia ser ferido em sua jornada – e quem assistiu ao filme sabe que ele foi gravemente ferido.

Além disto, a fé é incondicional e indiscutível, afinal se trata de um sentimento relacionado com uma certeza que não sabemos de onde vem. É ela que nos guia quando não sabemos para onde ir. Ou seja, a fé é cega e Eli é cego. Desde o início do filme temos evidências para acreditar nisto, porém somente no final temos uma revelação conclusiva. A questão é: a cegueira de Eli é uma dádiva ou uma maldição para as pessoas que estão ao seu redor? Com Eli não tem diálogo, quem cruza o seu caminho e tenta lhe impedir acaba sendo morto impiedosamente – entretanto a culpa pelo assassinato nunca foi um sentimento presente e nem mesmo empecilho nos profetas de Deus. Estamos diante de uma crítica ao fanatismo religioso?

Talvez não, talvez isto seja apenas um delírio provocado por minha mente agnóstica, porém relembremos que no passado houve uma guerra devastadora, cujo se acreditava que todas as Bíblias haviam sido queimadas. Entretanto aqui temos uma importante e insolúvel questão: as Bíblias foram queimadas antes ou depois da guerra? O teor do filme sugere que o mundo ficou caótico por que as pessoas se afastaram e perderam a fé em Deus, porém esta é apenas uma sugestão. Numa outra leitura podemos dizer que a guerra foi tão destrutiva e tão cruel com as pessoas, a maioria delas provavelmente não tinham nada a ver com o conflito, que elas mesmos perderam a fé. Neste contexto, Deus não lhes protegeu, logo eles se rebelaram ou perceberam que era tudo uma farsa. Em paralelo Eli, que é cego (sua cegueira pode ser considerada uma metáfora para o que estou dizendo) continuou a acreditar.

Além disto, quando Eli chega ao término de sua jornada, ele entrega e traduz o livro, que está em braile, para uma pessoa que conserva outros livros, em tese, conserva o conhecimento. Ao fim, esta pessoa imprime diversos exemplares, o que poderia simbolizar a renovação da esperança, porém ao pegar uma destas edições e inserir entre dois outros importantes livros para a religiosidade, a Torá e o Alcorão, o roteirista abriu novas questões: se eles já tinham a Torá e o Alcorão em mãos, por que o mundo continuava imoral, visto que estes livros também trazem consigo mensagens do mesmo Deus (vide Pentateuco)? Será que apenas a Bíblia Cristã seria distribuída entre as pessoas?

Ou a Bíblia seria apenas mais um livro na prateleira? O que garante que a distribuição da Bíblia iria tornar aquele um mundo melhor? Se você achou o final do filme uma alternativa otimista para um filme que retrata uma realidade pessimista, saiba que este sentimento veio do tema-mor da história: a fé. A fé é mágica, fascinante e também elabora opiniões. Para aqueles que possuem fé no divino, a história trará uma excelente lição de moral, e ficará satisfeito com o resultado. Para os mais céticos, como eu, o filme trará uma série de dúvidas sobre o seu propósito, e este também ficará satisfeito. Já aqueles que não possuem fé nenhuma, o filme poderá ser lido como uma excelente ironia sobre como surgem os mitos e, assim como os outros, também estará satisfeito com o resultado final.

A possibilidade de múltiplas interpretações, sem precisar exigir muito do telespectador, cria um diálogo tão interessante entre sujeito (aquele que assiste – nós) e o objeto (aquele que é assistido – o filme), que não há como não inserir esta obra na minha lista de prediletas da sétima arte. Estamos diante de uma joia rara, daqueles que permitem uma série de debates. Há pessoas mesmo que ainda discutem se a personagem principal era mesmo cega, conforme insinuado ao término do filme.

About these ads

18 comentários em “O Livro de Eli (The Book of Eli. 2010)

  1. Olá, ótimo texto. Apenas uma dúvida, como vi uma versão dublada, acho que ele diz (nesta versão) que ninguém pode detê-lo, e não que ele não possa ser ferido, o que são conceitos bem diferentes. Poderia confirmar?

    Curtir

  2. Bom primeiramente poderia parabeniza-lo pela resenha, embora haja alguns pontos que na minha opinião não ficaram muito claros.
    O autor da resenha afirma: “A mesma fé que levou Eli a crer que jamais poderia ser ferido em sua jornada – e quem assistiu ao filme sabe que ele foi gravemente ferido.” Isso me pareceu uma critica não ao filme mas diretamente a religião. Como já dito pelo Charles, o que fala no filme é que ele ficara bem e não que não sofrera, até porque a própria Palavra nos diz que aquele que seguir a voz de Deus poderá sofrer na Terra, mas será recompensado pela vida eterna.
    E acima de tudo, dizer que o filme pode ser considerado um próximo livro para a Biblia esta totalmente fora de cogitação. Me perdoa Evenâncio mas se você não acredita nas Palavras da Biblia, ao menos tenha respeito, pois nós religiosos sabemos que a Biblia foi toda escrita por pessoas inspiradas pelo Espirito Santo, e nenhum deles tiveram um fim lucrativo como é o caso do presente filme.
    E por fim, o filme é violento de mais para ser dirigido diretamente para os seguidores de determinada religião, não podendo ser considerado como um filma profético, mas mostra exatamente a luta de uma pessoa por aquilo em que acredita, e para aqueles que tem fé e busca anunciar a Palavra de Deus ao mundo, fica indicado o filme, pois mostra que apesar de todo o sofrimento, Deus tem algo guardado para seus servos. Pois não sei na opinião de vocês, mas achu q seria impossivel uma pessoa no estado em que se encontrava Eli sobreviver para “ditar” a Biblia inteira.

    Curtir

  3. Olá Eunice! Obrigado por seu comentário!

    Oi Charles! Não me recordo exatamente o que foi dito no filme, porém o meu intento não era reproduzir o conteúdo da fala, mas contextualizar a ação com o propósito da personagem principal. Numa cena onde estava sobre a mira de várias armas, o protagonista sabe que não irá morrer, sabe que está protegido por uma força maior que lhe permitirá que o seu objetivo seja alcançado – e o objetivo é levar a versão da Bíblia para um lugar que não era aquele. Embora realmente “não ser detido” e “não ser ferido” sejam significantes diferentes, eu entendo que naquele contexto o significado é o mesmo para ambas as sentenças. Ou seja, este é apenas um problema de semiótica! Para que não fique dúvidas, o meu “não ser ferido” significa que ele não sofreria nenhum dano que pudesse lhe impedir de continuar com a sua missão. Caso persista mais alguma dúvida, pode questionar que eu terei o maior prazer em lhe responder!

    Olá Sandro! Tudo bem? Grato por seu comentário! Vamos desfazer os nós para que não haja mal entendidos! O meu texto de forma alguma é uma afronta ao cristianismo, mas sim um convite para uma dupla interpretação! Quem faz uma obra como “O Livro de Eli” é inteligente o suficiente para não determinar o significado de sua mensagem, até por que são as muitas discussões que elevam o título para um estado que possa ser chamado de cult. Neste caso, o debate está aberto e cabe a nós, que gostamos de refletir, ampliarmos o leque para possíveis análises. Em minha resenha há uma série de questionamentos que não há como respondermos, porém a questão da firmação da religiosidade no filme já foi abordada em outros textos pela internet afora. Numa visão particular e de acordo com a experiência refletida pelo filme, resolvi trazer apenas um olhar diferente, onde no universo das infinitas possibilidades vinga como apenas mais uma dentre tantas outras! Até a próxima!

    EvAnDrO vEnAnCiO

    http://www.evenancio.com

    http://www.universohiperreal.com.br

    Curtir

  4. Penso que no filme o personagem ELI não seria cego por alguns dos motivos abaixo:
    – Em momento algum na estória houve comentários ou questionamentos sobre sua provável cegueira;
    – A moça que foge com ele em momento algum desconfia;
    – Suas posturas no falar, olhos sempre na direção do ouvinte, e seu modo de caminhar, sem hesitação mesmo com os mais variados tipos de obstáculos;
    – Ele identificou perfeitamente, no bar, um dos assassinos daquele casal no desfiladeiro;
    – Se o personagem do Gary Oldman desconfiasse de uma possível cegueira, não teria tentado matá-lo, pois como ele falou que lia todos os dias muito provavelmente o livro teria de ser escrito em Braile; e
    – Quanto a moça cega entra com a comida em seu quarto, ele para ter certeza de sua cequeira bate duas vezes no peito com a intensão de mostrar sua localização.

    Enfim mesmo com o livro sendo em Braile não vejo problema algum de uma pessoa com visão aprender sua linguagem.

    Curtir

  5. Acho que ele era cego sim!! Não so pelo fato de ele ler o livro em braile, mas por algumas atitudes, e tambem no final do filme eles focam bem os olhos dele, para que nós percebamos que ele era cego, e agia daquela forma, tinha aqueles impulsos por que Deus falava com ele, e o guiava pelos caminhos certos! Por isso tinha todos os outros sentidos tão apurados!

    Curtir

  6. O filme é muito bom.
    Na minha opinião Eli é cego por vários motivos que percebi no filme mas principalmente pois ele sendo cego se tornou um instrumento perfeito de Deus para cumprir sua missão, eu penso que se ele não fosse cego será que não teria se perdido no caminho no meio de tamanho caos?

    Curtir

  7. Eu acredito que Eli seja cego, no filme temos varias evidencias disto e tambem temos algo q ninguem lembrou, na Biblia temos Eli e este tambem era cego, tudo haver com a historia.

    Curtir

  8. Acho q a questao do Eli ser cego , não é clara propositalmente ,penso eu q é uma metáfora do autor entre ser cego e a fé , ou visão (sentido) e razão , ou seja a divergência entre fé e razão , fica a critério do espectador escolher como entender o filme . Filme Excelente que põem a platéia para pensar sem ser cansativo

    Curtir

  9. Ao entrar na casa do casal canibal que é atacada pelos ladões que querem o livro, antes de chegar à porta tem um degrau que ele primeiramente sente com o pé e depois o sobe. Em vários momentos o filme nos dá esse mesangem subliminar e acredito que é proposital é maravilhoso para a história. Como o enredo é sobre fé, acho que ele era realmente cego e o desfecho com close nos olhos é a cartada final pra esse meu sentimento.

    Curtir

  10. ACHO QUE ELE NAO ERA CEGO..ERA OBJETIVADO; ELE ERA CEGO PRA TUDO QUE INTERFERISSE NO SEU CAMINHO;;O PRECONCEITO POR EX; NAO CRUZOU SECULOS DE HISTORIA ; E HOJE AINDA SOFRO AS FARPAS DESSAS MEMORIAS; ;QUEM PASSA PELO FIO DA NAVALHA; QUEM SENTIU O ULTIMO SOPRO DA VIDA;JA GANHA AI UM SENTIDO QUE NAO ENTENDEMOS;IMAGINE ELI;O HOMEM QUE PELA IDADE JA ERA UM SABIO NA ESCRITURA;O ULTIMO LIVRO O ULTIMO HOMEM BOM;ELE VIVEU O LIMITE ERA ELE OU ELE;E EVIDENTE QUE NAO PODIA ENXERGAR MAIS NADA; OI SEILA VIU SO SEI QUE EU NAO CONSIGO ARRUMAR O MEU PC; ELE NAO TA COLOCANDO ACENTO ; EU VOU FAZER JANTA TA

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s