Casa de Areia e Névoa (House of Sand and Fog. 2003)

Solidão, de manhã… Poeira tomando assento. Rajada de vento. Som de assombração. Coração, sangrando toda palavra sã...”

Nossa! Com devido atraso eu assisti “Casa de Areia e Névoas”. Chego a pensar no do porque de não tê-lo visto antes. O filme é excelente! Sozinha, em meu quarto, não deu para não sonorizar algumas palavras em momentos angustiantes.

Há quem passe pela vida e nem dá valor a ela. Mas antes de um pré-julgamento, o melhor é tentar entende-los. Alguns não suportam bem o ficar sozinho. Se forem abandonados então, o mundo desaba para eles.

É meio por aí que Kathy, a personagem da Jennifer Connelly, segue numa descida vertiginosa. No início do filme, temos o final dele. Depois que ficamos sabendo o que aconteceu ali, com ela e a casa. Abandonada pelo marido, cai em depressão. Sem ligar para si mesma, nem para as correspondências que se acumulavam. Assim, uma ordem de despejo batendo à sua porta a deixa atônita. Sem saber direito o que fazer para salvar a casa que herdara do pai. Nem sem ter para onde ir.

Por vê-la desorientada, ou até por sua beleza, o auxiliar de Xerife Lester (Ron Eldard) se encanta por ela, resolvendo ajudá-la. Ele fora junto com o pessoal da Prefeitura para retirá-la da casa. Sua gentileza em ajudá-la a reunir seus pertences, e até em arrumar um lugar para ela, no fundo era por atração sexual. E vendo-a frágil, o sentimento de posse também se fez presente. Verdade seja dita, a atriz é muito bonita. O preconceito de Lester, com o desenrolar da estória, me fez lembrar do filme “Dançando no Escuro“.

Lester também consegue uma advogada para ela. Havia um jeito de reaver a posse da casa. É que a Prefeitura errara ao designar a residência como um estabelecimento comercial. Se ela tivesse aberto a correspondência desde o início nada disso teria acontecido.

A perda da casa veio junto com o aviso da chegada de sua mãe. Como nada dissera à mãe do rompimento, a situação atual lhe faria uma loser para a mãe. Mentiras. Medo da mãe. Tudo denotava que ela pedia inconscientemente por proteção. Para ela, o Xerife mais que um cara para transar, era sua tábua de salvação. Para ele, ela era a desculpa perfeita para abandonar a esposa e dois filhos.

A casa vai a leilão. E quem a arremata é um ex-oficial iraniano Coronel Behrani, personagem de Ben Kinsgley. Alguém que nos leva a reavaliar nossos conceitos, ou, saber se não são preconceitos. Seu comportamento, sua estória de vida, é um belo exercício para nossos sentimentos. Analisá-los friamente, se possível. Se em algum momento o ódio aparecer, questione a que está odiando.

Vindo de um alto escalão militar em seu país, onde mantinha um ótimo padrão de vida, … trabalha duro para devolver um pouco dessa vida à sua família. Em solo americano, aceita trabalhos bem abaixo da sua aptidão. Por vergonha, esconde da esposa e do filho em que trabalha. Por orgulho, sua vida militar não é algo para ser enterrado. Não tinha vergonha de seu passado.

A casa conquistada em leilão fora escolhida não apenas pelo preço, mas porque do alto dela, se avistava o mar. Os lembrariam da antiga casa no Irã. Mas não tinha planos de ficar nessa casa por muito tempo. Ficaria o tempo para equilibrar o orçamento familiar. Tinha planos de revendê-la. A que estavam morando estava aquém das suas posses, mas ela serviria para a filha mostrar a família do noivo que eles ainda viviam no luxo. Cansado, querendo num futuro próximo viver de acordo com sua renda, ele não abre mão dessa casa. A comprara com o suor de seu trabalho. E trabalhando ali, em solo americano. Era um cidadão americano cumpridor dos seus deveres, ciente dos seus direitos.

A casa por si só é um mero abrigo. Depende de quem nela vive para que seja um Lar. Mas também pode ser objeto de cobiça, de mostrar superioridade. Os materiais usados em sua construção dará a ela parte de seu tempo de vida. Uma outra, ficará a cargo de seus proprietários. Mas as intempéries da natureza vem para mostrar o quanto ela pode ser frágil diante de um poder maior. Muitas delas poderão fazer parte da sua vida. Da sua estória de vida.

De um lado uma personagem de aparência frágil. Do outro, alguém que a vida o ensinou a ser forte. Qual deles teria mais chances de superar os revezes da vida? Que armas usariam na luta pela posse da casa. Qual deles tinha mais direito à ela? São algumas das reflexões que “Casa de Areia e Névoa” traz. Um filme que também lhe colocará em xeque. Não deixem de ver.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Casa de Areia e Névoa (House of Sand and Fog). 2003. EUA. Direção: Vadim Perelman. Elenco: Jennifer Connelly (Kathy), Ben Kingsley (Massoud Amir Behrani), Ron Eldard (Lester), Frances Fisher (Connie Walsh), Kim Dickens (Carol Burdon), Shohreh Aghdasloo (Nadi), Jonathan Ahdout (Esmail), Navi Rawat (Soraya), Carlos Gómez (Tenente Alvarez), Kia Jam (Ali), Jaleh Modjallal (Wasmin), Samira Damavandi (Soraya – jovem), Matthew Simonian (Esmail – jovem), Marco Rodriguez (Mendez), Al Rodrigo (Torez), Andre Dubus III (Myers). Gênero: Drama. Duração: 126 minutos. Baseado em livro de Andre Dubus III.

About these ads

2 comentários em “Casa de Areia e Névoa (House of Sand and Fog. 2003)

  1. Wow, coincidencia ou nao, ontem, re-vi esse filme. Para vc foi a primeira vez, e para mim, foi a terceira vez!
    Casa de Areia e Névoa eh um drama daqueles q eh dificil nao se envolver….e como a Jennifer Connelly eh bela……belissima…..super bela, nao eh? E, o Ben Kingsley…..incrivel……grande ator! Gostei bastante de sua leitura.!!!!

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s