As Leis de Família (Derecho de Familia. 2006)

leis-de-familia03.jpg

Parece uma história banal, mas como nos é contada, é que faz toda a diferença!

Centrada num período na vida de três gerações: pai, filho e neto. Mais precisamente numa ‘re’-aproximação entre pai e filho. Muito embora até podemos lembrar de outros filmes onde há reencontros assim. Mas esse foca o de seguir a carreira do pai. Pesando mesmo isso. Numa de filho de peixe, peixinho é? Batendo até o medo de vir a ser uma mera cópia. Até onde manter a tradição familiar. O peso do sobrenome. A carreira como um tipo de herança genética. O querer ser diferente, mesmo sendo igual. Pai e Filho posto a prova por um acidente do destino.

O filme inicia com o Ariel nos apresentando seu pai. Contando em off. Sob o ângulo dele. Hehe… É divertido! Até porque enquanto ele ao nos mostrar o jogo de cena que seu pai faz diariamente, ao longo do filme nós identificamos que ele também tem o seu. Os dois então teriam mais pontos em comum? Será? Como ele mesmo salientou: “Mas não gosto de Direito. Gosto da Justiça.” Direito e Justiça não trabalhariam juntos para uma mesma causa?

Esse período onde o seu pai volta a se aproximar, ele “descobre” o ser pai. Seria a criança que traria o “Acorda!”? Tendo o mesmo sangue faria a ponte entre seu pai e seu avô? Já registrando aqui que o menino é um encanto! Ele atua brilhantemente! Me deixou encantada ao longo do filme. E me levou as lágrimas no final!

Enquanto passam um jeito livre de ser com desenvoltura em suas “atuações”, quer seja lecionando, um, e advogando, o outro, nesse reencontro ficam sem saber o que falar; ou como contar suas próprias histórias entre si. Pois é, no lado profissional, sabem fazer uso do verbo. Faltava descobrir o uso da fala entre eles. Regar os corações de ambos.

Por vezes algumas pessoas ficam tão presas as suas próprias leis internas, a sua rotina, suas retidões, que nem percebem que há numa simples aproximação um pedido silencioso de um carinho, de um afeto. Que também quando percebem algo, ao usarem uma balança diferente terminam por interpretar do seu jeito, pelos seus próprios valores. Acontece que cada um tem um jeito de contar, de transmitir seu problema, sua aflição. Mais do que tentar simplesmente adivinhar, o bom estar em ouvir primeiro o que o outro está tentando dizer. Mesmo que a linguagem usada seja outra, de difícil acesso. Agora porque também esperam tanto tempo para esse reencontro?

Para estudantes de Direitos, mais que recomendado! Prestem uma atenção mais detalhada a cena onde um cara interrompe uma aula. E para nós outros, também. Assistam! É um belo filme! Amei!

Nota: 10.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

As Leis de Família (Derecho de Familia). 2006. Argentina. Direção e Roteiro: Daniel Burman (O Abraço Partido). Elenco: Daniel Hendler, Arturo Goetz, Eloy Burman, Julieta Díaz, Adriana Aizemberg. Gênero: Drama. Duração: 102 minutos.

Anúncios

Um comentário em “As Leis de Família (Derecho de Familia. 2006)

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s