Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982)

Em 84 meu melhor amigo comprou um vídeo K7, chamou-me para escolher uma fita. Pedi Blade Runner. Mas que filme é esse? Assista e verá. Primeiro porque é inclassificável. Drama? Suspense? Science Fiction? Ação? Noir? É tudo e ao mesmo tempo nada. Sacou?

Estamos em uma soturna Los Angeles de 2019, megacidade. Dominada pelos orientais na linguagem e tecnologia, os estratos sociais estão amontoados, de baixo para cima. Chove. Estamos à procura dos replicantes. Andróides rebeldes, criados para missões especiais em colônias interplanetárias. Baseado no “Andróides sonham com carneiros elétricos?” do mesmo autor de “Minority Report” que o Spielberg estragou e o Tom Cruise só maquiou.

Feito um questionário para identificar esses seres superiores no físico e no intelecto humanos. Eles são desprovidos de emoção. Avaliam as reações da pupila com as perguntas. Que habitualmente são coloquiais e depois é inserido um fator diferente. Deckart é o melhor caçador. Homem desiludido. Tem que encontrar 06. Três casais.

Daí em diante o roteiro é incrível. Cada personagem é mais fascinante do que o outro. As mulheres simbolizam arquétipos femininos. A boneca, a lutadora e a dona-de-casa. Daryl Hannah em breve aparição está linda fazendo “palhacinho”, aquele salto para trás da capoeira. A mulher fatal carrega uma cobra no pescoço, quer algo mais fálico? E Sean Young simplesmente maravilhosa com o penteado do século XIX, idêntico a minha bisavó Otávia… Sua interpretação é poética. Ela não sabe que é uma máquina e a cada momento torna-se mais humana… Teria ela prazo de validade, como todos nós?

Adoro a cena da esper-machine. Artefato que decompõe uma foto ao comando vocal. Gira os ângulos, aumenta diminui, foca e imprime. Enorme surpresa quando identifico dois quadros de pintores, Vermeer e Van Eyck. Que show! O caçador, vivido pelo homem-bilheteria Harrison Ford (dos dez filmes mais vistos ele está em seis…) vai matando, eliminando, ou melhor; aposentando um-a-um. Fuzila a esvoaçante dançarina, é ajudado por Rachel –a parceira- em detonar o brutal e vê de encontro com o mais perfeito deles.

Antes de avaliar o desfecho deslumbrante, seria Deckart o último replicante? Seriam suas memórias falsas, implantes daquele policial mexicano, com cara de chinês e olhos verdes? Exemplo mais multirracial que esse, impossível! Os origamis –dobraduras de papel- representariam a vida real, no chão, depois o homem e a missão e por último o sonho? Respectivamente a galinha, o macaco e o unicórnio.

Ouvindo uma trilha sonora de arrepiar e emocionar o mais duro dos homens, Rutger Hauer persegue uivando Deckart. Ele sabe que é o seu canto de cisne. Enquanto o policial tropeça, machuca e se borra todo, o loirão é soberbo. Seu salto é olímpico. E o gesto de salvação e a pomba voando é como lágrima na chuva. Mistura de emoções. Vangelis, o músico grego, ao fundo. Sugiro fazer amor , ouvindo o CD inteiro, com chuva lá fora e vinho dentro.

Quem somos além de nossas memórias e vivências? Humanos, falhos e maravilhosos.

O que há de bom: enredo profundo e atores perfeitos nos papéis, difícil escolher a melhor atuação.
O que há de ruim: existem duas versões, a de 82 do público e a de 90 do diretor, para DVD, são diferentes no final, obrigatório assistir ambas.
O que prestar atenção: se você se encontrasse com o seu criador, o que faria?
A cena do filme: existe algo mais nobre e humano do que salvar a vida do inimigo?
Cotação: filme excelente (@@@@@) imperdível.

Por: COBRA.  Do Blog  ‘C.O.B.R.A.

Blade Runner – O Caçador de Andróides (Blade Runner). 1982. EUA. Direção: Ridley Scott. Elenco: Harrison Ford, Rutger Hauer, Sean Young, Daryl Hannah, Edward James Olmos, Joel Turkel, M. Emmet Walsh, William Sanderson, Kevin Thompson, Brion James, Joanna Cassady, James Hong. Gênero: Ação, Drama, Romance, Sci-Fi, Thriller.  Duração: 118 minutos. Baseado no livro “Do androids dream of eletric sheep?” de Philip K. Dirk.

Anúncios

12 comentários em “Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982)

  1. Lella, querida, também adoro esse filme e trilha sonora dele também é linda ……

    amiga já estou preparando um post apara você … mas na fique ansiosa , vc sabe como as coisas aqui andam a passos de tartaruga …kkkkk bjs

    Curtir

  2. Vixi! Hoje estou sonada, mesmo 😀

    Nem voltei para agradecer ao Cobra, por aqui, por esse presente. É que o fiz pelo Orkut, e de lá sai da net.

    Eu amo esse filme! E estou querendo me dar de presente o Dvd triplo.

    Esse filme tem uma das frase que eu mais amo:

    Tudo que eu vi e vivi irão se perder como lágrimas na chuva.

    ———————–

    Mariposo,

    que delícia saber que terá mais um texto seu aqui 🙂

    Beijão,

    Curtir

  3. Nunca tinha ouvido falar desse filme, vou pesquisar e ver se consigo em alguma locadora, me parece interessante. Também gostaria de ver Barbarella, vc já viu? Bem que vocÊ podia fazer uma resenha sobre esse filme. Beijos.

    Curtir

  4. Nossa, este filme é ótimo!!! Eu vi no cinema!!! Tô ficando velha mesmo… kkkk
    Depois vi em VHS, na televisão (dublado)… mas ainda não assisti esta versão do diretor que saiu agora em DVD. A trilha sonora é uma obra-prima e minha irmã é apaixonada por ela (tinha o LP, veja só!!! kkkk).
    Um clássico imperdível!!! Muito boa resenha.

    Curtir

  5. Thiago,

    eu não vi ‘Barbarella’. Sobre esse, vou colar aqui o que postei num tópico (Orkut):

    O personagem do Harrison Ford buscou saber mais dele, enquanto caçava os outros. Essa frase (Que eu amo!) dita por Roy Batty (Rutger Hauer), traduz esse mergulho:

    “Tudo o que eu vi e vivi vai se perder como lágrimas na chuva.”

    Em querer saber se também seria um replicante… Até porque faltava um na lista… Nos deixa diante da também angustiante perspectiva: quem é a caça, quem é o caçador… (Também pelo fato que foi “obrigado” a aceitar essa missão.) E o Roy, sai como mais essa:

    “Uma experiência e tanto viver com medo, não? Ser escravo é assim.”

    Filmaço! É um filme para ver e rever!
    ————————

    Depois volte, para nos contar o que achou.

    Beijo,

    Curtir

  6. Lunna,

    para mim, esse é um filme para ver na Telona, e num Cinema com uma acústica perfeita. E foi nesse impacto que me apaixonei por esse filme!

    Mas eu também tenho filmes que me levam ao sono 😀

    E a trilha é sim, maravilhosa!

    Beijão

    ———————————-

    Tânia,

    eu também vi no Cinema 🙂 e acho que vi umas três, ou quatro vezes quase seguidas.

    Pulemos a idade 😀

    Beijão

    Curtir

  7. Esses dias passou no Telecine Cult e re-assisti. Devo ter assistido umas 50 vezes e, mesmo sendo suspeito para falar, acredito que continua original, verossímil e fantasticamente profundo. Ainda, um dos meus filmes preferidos.

    Curtir

  8. esse filme realmente é um ícone, me faz viajar no tempo sem contar que ele tem quase trinta anos e é totalmente atual igual a ele só ruas de fogo(street of fire).

    Curtir

  9. Pingback: Presságio (Knowing) « Cinema é a minha praia!

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s