Melhor é Impossível (As Good as It Gets. 1997)

melhor-impossivel

Aqui, pretendo expor minhas impressões sobre o filme baseando-me na Psicanálise.

O neurótico obsessivo tem a característica de evitar entrar em contato com o seu desejo, pois entrar em contato é sair de seu lugar de morto-vivo, é estar na posição de desejante e ter de se haver com isso é o que o neurótico obsessivo mais teme, assim ele desloca para o real dos objetos a sua obsessão em não querer tocar em nada.

Tocar, pegar, entrar em contato equivale para o Obsessivo se responsabilizar por algo. E como sujeitos que padecem dessa neurose não suportam sentir culpa por seus erros e acertos, eles atribuem ao Outro tal sentimento. Logo, evitam tocar.

Esse Neurótico do filme tem TODA a sintomatologia de um Obsessivo de carteirinha rs, daí: Melhor é IMPOSSÍVEL.

Ele não toca, pula as rachaduras do chão e do piso, usa luvas, lava as mãos com mais de 5 sabonetes, usa talheres descartáveis… porque o contato é ‘sujo’, daí vem a mania de limpeza.

Freud nos ensina que a ‘salvação’ do Obsessivo é quando ele ama, pois amar é sair do lugar. Quando ele ama, ele se vê frente a frente ao seu objeto de desejo, então um lado dele repele (com ironias e sarcasmos típicos dessa estrutura clínica) e o outro o condena a entrar em contato.

Primeiro Jack Nicholson se afeiçoa ao cachorrinho do vizinho homossexual; isso já é o primeiro sinal de mudança. Tem uma fala dele que diz:

-“…Por causa de um cachorrinho”.

Quando ele está tocando piano pro cachorro comer rs.

E depois Carol, a garçonete, que provoca nele um sentimento que o faz, inclusive, voltar a clínica de seu psiquiatra para melhorar.

Não é gratuito quando ele fala que a garçonete o fez ser alguém melhor. Pois, o Obsessivo padece dos pensamentos, e seu temor é de que alguém o escute, daí seu louvor a Deus (já que este é Onipresente, Onisciente e Onipotente -> tudo vê, tudo escuta, tudo sabe e em tudo está). Pensar é o exercício mais frequente de um obsessivo, pensa “maldade em cima de maldade”, mas não assume isso, daí seus atos serem de bondade; justo para tamponar seus pensamentos. Carol consegue, aparentemente, torná-lo mais leve, mais vivo e mais desejante.

Por ela e pelo cachorro, ele consegue até se afeiçoar e cuidar do Simon, seu vizinho gay.

Melhor do que isso? Impossível 😉 Só mesmo o amor pra fazer essas revoluções acontecerem.

Melhor é Impossível – As good as it gets, 1997, EUA. Direção: James L. Brooks.

Por: Vampira Olímpia.

Anúncios

Um comentário em “Melhor é Impossível (As Good as It Gets. 1997)

  1. Olá! Gostei mt da sua interpretação baseada na teoria psicanalítica. Gostaria de saber a referência/livro que você achou ao citar que ”Freud nos ensina que a ‘salvação’ do Obsessivo é quando ele ama, ”. Gostei muito dessa frase e queria me aprofundar melhor nessa passagem. Portanto, agradeço se você puder me informar de onde retirou essa referência. Abçs =)

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s