eXistenZ (1999)

Existenz_1999A primeira coisa dita no filme é como se escreve o título: letra ‘e’ em minúsculo e ‘X’ e ‘Z’ em maiúsculo: eXistenZ. Confesso que até agora estou me perguntando se isso não passa de um mero fetiche caprichoso ou se tem algum sentido extra que ainda não captei. Mas também, não captar tudo desse filme não é nenhum pecado, ao contrário; pois trata-se de uma obra que te convida a inúmeras questões.

A primeira delas é: O que é real? O que é realidade?

Vemos a moçada de hoje em dia usando uma linguagem de jogos internáuticos bem distante da linguagem dos Ataris de outrora, pra eles isso é um B a Bá muito simples e fácil, nós mais velhos tivemos que buscar aprender esse conhecimento que já faz parte do cotidiano e que é difícil apreender tudo que é lançado diariamente no mundo comunicativo.

Esse filme mostra que os jogos podem ser bem sérios e absurdamente reais. Não há como deixar de lado Baudrillard enquanto enunciador de que real e virtual não se diferem.

Passei o dia de hoje pensando sobre isso, sobre a Second Life que há cada dia se torna mais comum. Ter uma segunda vida, esta virtual, é tentador por muitos motivos, principalmente por – de alguma maneira – ter algum controle tanto das felicidades quanto das adversidades. É uma vida que dominamos: escolhemos personagens, nicknames, roupagem, linguagem etc.

Imagine se no real pudéssemos nascer e dizer pros nossos pais: Quero que meu nome seja tal, quero me vestir de tal maneira etc?

O que Second Life atrai é justo essa possibilidade de domínio em uma vida totalmente ideal pra quem a escolhe.

Onde a realidade esbarra na ilusão? Real é aquilo que vemos ou que achamos que vemos? O que construímos? E as ilusões?

De certo, Baudrillard está pra lá de correto ao dizer que não se diferem.

Porém, é preciso lembrar que tudo tem seu preço…

😉

 Por: Deusa Circe.

eXistenZ

Direção: David Cronenberg

Gênero: Suspense, Ficção Científica

EUA – 1999

Anúncios

Um comentário em “eXistenZ (1999)

  1. Cheguei! rs

    Trago Freud comigo.

    Freud nunca falou que a realidade é uma ilusão, mas a psicanálise mostrou algo que arrepia: a realidade existe mas é da ordem do DESCONHECIMENTO. o próprio conhecimento manca aí, pq não captamos as coisas objetivas, mas só enquanto representação pelo teste de realidade do ego. logo, não capto esse PC em que teclo, mas a sua imagem, pq ele foi investido de catexia libidinal – o que capto é o objeto captado pela catexia, tipo o que o morcego capta é o objeto captado por seu radar.

    eu des-conheço a realidade, que não é EM-SI (tem algum kantiano aí?) o que eu capto, mas a realidade mesma, não capto.

    isso sem falar que vemos as coisas, não como são e se apresentam no real, mas conforme nosso desejo. vemos o que queremos ver.

    Logo, para Freud, a realidade é o que existe objetivamente e além do desejo (princípio do prazer x p. da realidade).

    O que está para além do Desejo? rs

    Vou buscar assistir esse filme.

    Beijooooooooooooooooos

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s