Um Homem Bom (Good. 2008)

um-homem-bom_posterPusemos o país nas mãos de um louco. Se refugiar numa fantasia pode ser uma resposta racional ao mundo irracional.”

O que me levou a assistir esse filme, ‘Um Homem Bom‘, foram: o ator Viggo Mortensen; o outro fator, o tema central do filme, a Alemanha nazista; e por último, o próprio título, em querer saber da história de um homem bom que abraçou o nazismo. E já antecipo que o filme é muito bom. Ele trouxe um enfoque novo, pelo menos para mim. Desenvolvo mais mais adiante.

Falando um pouco do ator Viggo Mortensen. Um grande ator ele já provou que é. Comecei a notar sua presença em ‘Marcas da Violência‘; esse preciso rever para escrever melhor. Depois, o seu Aragorn, em ‘O Senhor dos Anéis‘. Adorei o russo que fez em ‘Senhores do Crime‘. E até por conta desse seu personagem, fazendo um russo, que me levou a pensar nesse alemão em ‘Um Homem Bom‘. Sei que para compor certos personagens, além de um corte de cabelos, um outro adereço se faz necessário. Um exemplo claro, foi uma prótese no nariz usada por Nicole Kidman em ‘As Horas‘. Agora, quando um ator compõe, e brilhantemente, seu personagem de cara lavada, é digno de nota. O alemão de Viggo está lá, com todos os poros, linhas… Parabéns a ele, e ao Diretor! Tão diferente do estilo hollywood. Que não deixam os atores mostrarem suas faces, por estarem encobertas por muito pancake; ou botox…

A frase que inicia esse texto, é parte de uma cena entre dois grandes amigos: John (Viggo Mortensen) e Maurice (Jason Isaacs). Ainda nos primeiros meses do nazismo na Alemanha. Onde o povo ainda estavam na euforia. Tal qual uma droga. Achavam, na maioria, que toda aquela alegria era o nascer de um mundo maravilhoso. Um mundo perfeito. Claro que não pensavam assim, os judeus. E Maurice era um deles. Já o John, se deixou levar. Por ser um cara bom? Por acreditar que poderia ter ideias, ideais próprios dentro do nazismo? Santa ingenuidade. Se bem que Maurice também mantinha esperanças. Sendo um alemão de fato, não acreditava que lhe seria tirado o direito de sê-lo.

Em vez de amarrá-lo num divã… todos seguem a risca o que ele diz.” É. Por essas e essa outra aqui – “O que faz as pessoas felizes não pode ser ruim, pode?” -, que eu assisto filmes que abordam esse lado sombrio da História da Humanidade (Aqui tem um texto com uma listagem desses filmes), para tentar entender porque muitos seguiram esse homem.

viggo-mortensen_and_jason-isaacs_goodAgora, para analisar com mais propriedade sobre o motivo desses dois amigos em permanecerem na Alemanha nazista, sendo ambos bons na essência, teria que ter vivenciado. Assim, seguirei pelo o que o filme me passou. Tal qual a secretária de Hitler, em ‘A Queda‘, o John Halder também fechou os olhos para o que faziam com os judeus. Maurice, sem familiares, poderia ter deixado todos os bens materiais para trás. O mesmo não poderia ter feito John. Era casado, tinha filhos, e cuidava da mãe doente. Aliás, a sua esposa também tinha algum problema. Seu escapismo tocando piano por horas, relegando filhos, casa… tinha que ter um motivo. As circunstâncias posteriores a fizeram acordar para a vida a sua volta. Pena que John só acordou tarde demais.

John gostava de escrever. E um dos seus romances caiu no gosto de Hitler. É então convocado para fazer um Ensaio com o que defendeu no seu livro. A eutanásia. E isso na mente de Hitler era só um primeiro passo para o que queria: a eugenia. Por inflar o seu ego ou não, ele abraçou o nazismo. Acompanhamos no filme essa sua trajetória, até o seu acordar. Ou seria o seu acorde final?

Como falei, o filme é muito bom. Há várias cenas que são repugnantes. Não por mostrar algo chocante, mas sim pelas falas. Dou nota 10. Mas tal qual como ‘A Queda ‘, não me deixou vontade de rever.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Um Homem Bom (Good). 2008. Inglaterra / Alemanha. Direção: Vicente Amorim. Elenco. Gênero: Drama, Guerra. Duração: 96 minutos. Baseado em peça teatral de C.P. Taylor.

Anúncios

2 comentários em “Um Homem Bom (Good. 2008)

  1. Em vez de amarrá-lo num divã… todos seguem a risca o que ele diz.” É. Por essas e essa outra aqui – “O que faz as pessoas felizes não pode ser ruim, pode?” -, que eu assisto filmes que abordam esse lado sombrio da História da Humanidade (Aqui tem um texto com uma listagem desses filmes), para tentar entender porque muitos seguiram esse homem.
    essa e a minha opiniao
    beijossssssss

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s