A Origem (Inception. 2010)

Edgar Allan Poe uma vez disse: “Tudo o que vemos ou que parece que vemos é mais do que um sonho dentro de um sonho.” Talvez essa foi a idéia de Chris Nolan quando escreveu o seu mais recente filme. Mas “Inception” é cerebral? Sim. É cerebral demais para o público em massa? Eu diria que não é o caso. “Inception”, nos coloca dentro de um filme de ação / de aventura, que o torno aberto para “todos”, apesar dos seus 148 minutos – um pouco longo demais para algo tão simplista. Aqueles dispostos a pensar no “quebra-cabeças”, não encontrarão tantas reviravoltas da narrativa como o filme parece sugerir inicialmente.

Estava de férias, e fui ao cinema por causa de Leonardo DiCaprio, pois não sou fã do Chris Nolan. “Memento” foi um grande filme, mas não assistiria outra vez. O remake do filme norueguês “ Insomnia” foi tedioso. Não achei “The Prestige” um bom filme, e “The Dark Knight” (é chato, e longo!), mas achei o “Batman Begins” interessante. “Inception” lida com um tema rico: os sonhos. E, creio eu que a relação entre o cinema e os sonhos sempre foi – para usar uma expressão da psicanálise – sobre determinado. Freud que trabalhou com a ” Interpretação dos Sonhos”, parecia replicar o mistério, e o cinema trouxe a imagem de tomada do poder da mente, bem como ainda a fotografia tinha nas décadas anteriores. Mas “Inception” é uma obra prima? Diria que há muitas razões para se gostar do filme, mas há razões que leva ao cinema ao que chamaria de: tédio.

Por muitos momentos, “Inception” é uma obra confusa, mas isso pode ser um indicativo para pessoas irem ao cinema (roteiros que apresentam ambiguidade e enredos que percorrem por trilhas que exigem que o expectador pense e se envolva, sempre encontra fãs). “Borrando” as linhas entre realidade e fantasia, o roteirista / diretor Chris Nolan foi meticulosamente criativo. Faz o impossível, o impensável, o estupendo: ele prega uma versão espelho de Paris de volta sobre si mesmo; encena uma seqüência de luta em um quarto de hotel (gravidade zero); envia um trem de lavoura por meio de uma rua movimentada da cidade. Tudo o que você pode sonhar, Nolan faz em “Inception”. Faz dos pequenos sonhos em sonhos ainda maiores, e os maiores sonhos em sonhos gigantescos. Me pareceu que o principal objetivo de Nolan – pelo menos até o final do filme- não é enroscar com a percepção do espectador, mas proporcionar clareza suficiente para que nós sabemos onde estamos e o que estamos vendo.

Mas a genialidade de Nolan confunde  muitas vezes. O filme começa com Cobb (DiCaprio) numa praia e depois, ele é levado para um lugar – misteriosamente, há duas criancinhas loiras ao redor, embora não possamos ver seus rostos. Depois, alguns soldados japoneses arrastam DiCaprio. Ele se senta em uma mesa, em frente a um velho misterioso, e começa a comer mingau. No momento seguinte, aprendemos que o Cobb é um “extrator“- um artesão que pode entrar nos sonhos dos outros para extrair informações valiosas. Na verdade ele tem a capacidade de inserir os sonhos dos outros, construindo os sonhos com a ajuda de Arthur (Joseph Gordon-Levitt), e de um arquiteto que no início do filme é interpretado muito brevemente por Lukas Haas. Depois Cobb encontra um novo arquiteto: uma jovem estudante chamada Ariadne (Ellen Page). Achei que foi mal escalada para o papel. Page parece muito infantil, além dos diálogos que saem da bola dela soam superficiais!. Ariadne sente que Cobb tem um doloroso segredo enterrado no porão de seu subconsciente. Mais tarde Nolan vai nos mostrar um elevador real caindo para reforçar a metáfora. O segredo de Cobb é relacionada as duas crianças loiras que continuamos  a ver em seu subconsciente e de sua esposa Mal (Marion Cotillard, linda, mas agraciada com um presente de grego dado por Nolan). Mal literalmente é um papel pequeno e mal desenvolvido. Nolan recorre aos diálogos alheios para nos ajudar a entender o personagem: Cobb diz:  “Eu espero que você não esteja muito chocada ao saber que ela (Mal) tinha sido tratada por três psicólogos diferentes.” Mal é uma projeção do subconsciente dele e esse aspecto me fez lembrar do marido atormentado e tão brilhantemente interpretado por DiCaprio no excelente “Shutter Island.”

Mantendo as coisas na maior parte linear, Nolan não permite a possibilidade do roteiro se transformar em algo obvio, embora seja fácil encontrar em “Inception” influências que incluem, obviamente, “Dark City” e “The Matrix.” Há também um sentimento de parentesco com o recente filme de Martin Scorsese, “Shutter Island”, não só porque esse filme é também estrelado por DiCaprio, mas porque ambas as produções brincam com a perspectiva de narrador e da intersecção de ilusão com realidade. Mas a segunda metade do filme é de uma seqüência de massa, cuidadosamente coreografada, e de suspense crescente que as circunstâncias perigosas se desdobram em três níveis de sonho.

Mas as cenas dos sonhos dentro dos sonhos são difíceis de seguir porque achei que não temos a idéia onde se inicia um e termina o outro. Sim, os efeitos especiais em “Inception” servem aos sonhos, mas para quê? Achei que os efeitos dão ênfase aos telespectadores como diversão visual assim como Peter Jackson usou os efeitos em “The lovely bones” e Vincent Ward ilustrou o belo “What dream may come.” Não que o enredo ficou em segundo plano nesses filmes, mas os efeitos foram tão grandiosos que roubaram a atenção do que foi proposto.  “Inception” fica mais proximo desses filmes que mencionei do que filmes como TRÊS MULHERES  de Altman, ou MULHOLLAND DRIVE de Lynch – para citar apenas dois como filmes que são mais lembrados como se fossem sonhos. Ah, 2001: Uma Odisséia no Espaço consegue isso também, mas de forma inesperada. Em “Inception”, o sonho é compartilhado pelos personagens, uns com os outros e com nós. Os fantasmas que eles oferecem estão lá para suspender a nossa incredulidade, mas também temos que manter o equilíbrio – a ser (na tradição de mistério e suspense), não tanto como sonhadores analistas.

Se falar do elenco, posso dizer que apesar de bom ator que é, DiCaprio, não passa a confiança com a mesma força do que ele fez no recente “Shutter Island” (em que ele também desempenhou um viúvo à mercê de visões escuras). Gordon-Levitt aparece como uma figura vistosa, mas o seu papel não exige tanto do talento do ator. Ellen Page foi um furo, e Cotillard foi uma invenção da minha imaginação, assim como o filme. Ken Watanabe é um maravilhoso ator, mas achei dificil de entender o personagem dele, Cillian Murphy, fantastico ator, mas numa papel pequeno, Michael Caine, apenas aparece em 4 cenas.

Filmado em quatro continentes, Wally Pfister faz um belo trabalho de fotografia, ajudado pelo trabalho de direcão de arte. E, Hans Zimmer adciona uma interessante trilha sonora. Ah, a cancao de Edith Piaf “Non, rien regrette je rien” é usada como ponto da narrativa( configura como uma brincadeira agradável, ja que Cotillard viveu a cantora no cinema). Mesmo com tantas qualidades, não achei “Inception” um filme digno de ser revisto para se poder compreender a proposta de Nolan.

Anúncios

10 comentários em “A Origem (Inception. 2010)

  1. Pingback: Download Filme

  2. Não vi esse filme, mas parece pela descrição uma cópia descarada do Anime Paprika.
    Veja o anime e confirme se é verdade.
    Abraços,
    Alessander

    Curtir

  3. Alessander,

    Inception tem BASTANTE de ANIME PAPRIKA, mas tbem tem MATRIX, X-Men & James Bond!

    Rouba a ideia de especialistas entrando nos sonhos dos seus pacientes….do filme ANIME… Nao chega a ser um copia……mas quem assistiu ANIME…..nao vai achar INCEPTION essas coisas todas……ate porque o filme japones …….nos daH ideia quando estamos nos sonhos….e na verdade…..coisa que nao consegui entender…..mas mesmo assim, nao vou reve-lo….

    Forte abraco
    Rogerio

    Curtir

  4. Tim,

    Sou faN dos filmes do Batman, mas ” O Cavaleiro das Trevas” ultrapassou minhas expectativas. O filme eh longo demais(2 horas e meia), cheio de dialogos ridiculos e cenas desnecessarias.

    Acho o Christian Bale um grande ator, mas a sua voz a ‘lah Clint Eastwood” me deu vontade de vomitar. Nao aguentei a tom da voz dele como o Batman.

    Um erro colocar Maggie Gyllenhaal( boa atriz, mas longe de ser uma mulher bonita) como a mocinha do filme. A presenca dela nem fede e nem cheira. Tbem, nao faz sentido e nem convence a mudança brusca de comportamento do personagem de Aaron Eckhart por causa dela.

    Qual a razao de ter atores incriveis como Gary Oldman e Michael Caine, se eles nao tem chance de brilhar? Vamos lah, Morgan Freeman continua sendo Morgan Freeman, e por tanto nao vale comentarios.

    Brilhante presenca de Eckhart, muito bom ator, e Heath Ledger, que sempre achei que fosse um ator incrivel, e que rouba todas as cenas do filme. Realmente, a atuacao dele eh magistral. Mereceu sim o Oscar, nao apenas como uma homenagem, mas por merito tambem.

    Dormi muito, e tive que rever o filme em DVD. Embora tecnamente brilhante, principamente a trilha sonora e maquiaguem, mas ruim como Indiana Jones 4.

    Sim, gosto eh gosto, e devemos respeitar a visao de cada UM. Se vc acha THE DARK KNIGHT como o filme da Decado……respeito……!

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s