A Igualdade é Branca (Trois couleurs: Blanc. 1994)

“Só há um tipo de amor que dura: o não correspondido.” (Judie Foster).
Dizem que comédia nunca ganhou Oscar por ser considerado um gênero menor. Eu nunca fui fã dessa categoria de prêmio de academia, nem morro de amores por filme desse gênero; e outra, que rótulos, às vezes enganam.
A Igualdade é Branca é o segundo episódio da TRILOGIA DAS CORES do diretor polonês Krzysztof Kieslowski, dedicado ao bicentenário dos ideais da França com os três lemas da bandeira respectivamente: liberdade, igualdade e fraternidade, e é o único da trilogia que tem um certo humor e por essa razão críticos o consideram um exemplar inferior ao Blue e Rouge.
Blanc é um tema banal e corriqueiro no cinema: a história de um casal em crises sem chances de superá-las e a saída encontrada é o divórcio. No entanto, é uma abordagem completamente diferente, extrapolando a barreira dos sentimentos, da emoção e pondo em xeque questões não sentimentais, mas carnais: o desejo, o sexo, orgasmos, tesão, ereção, atração, deixando claro que a falta desses elementos a relação perde o sentido.
Kieslowski é polonês por nacionalidade, francês por paixão e cidadão do mundo. Fala, então, através de seus filmes todos os idiomas. E quando há amor, não existe barreira para a língua. Tanto que ele juntou nessa história BLANC um casal que não fala o mesmo idioma: ela é francesa e ele, polonês. Mesmo assim não viram barreira para se casarem e se tornarem uma só carne, até que a morte os separasse, como reza a cartilha do ritual de enlaçamento matrimonial. Acontece nas melhores famílias. Aspas: Tenho uma irmã que se casou com um estrangeiro.
O filme Ghost Dog de Jim Jarmusch há dois amigos que não falam o mesmo idioma, mas de certo modo, se entendem.
Assisti recentemente a um filme Filipino onde os personagens K e Ana, metidos a cineastas, andavam pelas ruas com seus equipamentos microfones, gravador, câmera, perguntando para as pessoas o que era AMOR, até que alguém lhes responde com outra pergunta: “Em que ano estamos?, Ainda existe isso?”
No filme Basquiat, sobre a vida desse pintor, em um determinado momento, num restaurante, o artista percebe certo preconceito racial e ele se vira e faz a seguinte pergunta à namorada: “Em que em ano estamos?” Como quem questionasse a impossibilidade de a esta altura do século ainda existirem tais sentimentos de inferioridade.
Tempos modernos! As pessoas estão mais individualistas, preocupadas em trabalhar, ganhar dinheiro, gastar, nada de envolvimento emocional, apenas sexo, atração e encontros descompromissados.
A linguagem do AMOR é universal, não existe barreira quando se ama. Mas, e quanto ao sexo? Onde começa um e termina o outro? Ou um é o complemento do outro? Ou são coisas completamente distintas?
O filme “A Igualdade é Branca” gira em torno do casal. Karol (Zbigniew Zamachowski), um bem-sucedido cabeleireiro polonês cujo casamento está definhando com a francesa Dominique (Julie Delpy). Esse casamento acaba assim que ela descobre que o  marido é impotente, apesar de ele ser loucamente apaixonado por ela, ou talvez por causa disso, ele não consiga consumar sexualmente o casamento e sofre por isso. Quando o filme começa, a garota já perdeu a paciência com a situação e pediu o divórcio. Ela o abandona e volta para a França, assim que descobre que ele é acometido desse mal. Algum tempo depois ele recebe uma intimação do advogado dela a fim de tratar da anulação do casamento. Ele vai à França e lá é muito humilhado por ela, que pede o divórcio e diz que o casamento nunca se “consumou”. Algumas cenas do dia do casamento em flashbacks são as lembranças de Dominique mostradas em alguns lances durante a conversa.
Karol ama essa mulher que escolheu para ser a sua esposa. Ele vai até Paris contra a sua vontade para tratar da separação e nada lá dá certo para ele. Seu cartão de crédito é cancelado, fica sem dinheiro, sem passaporte e sem a esposa. Na estação de trem faz amizade com um estranho homem que não gosta da vida, por alguma razão não quer mais viver e que está procurando alguém para matá-lo. Sem dinheiro e sem passaporte o jeito encontrado para voltar para a Polônia foi dentro da mala do seu novo amigo, Nicolau. A maior parte do tempo sua falta de sorte o acompanha, tanto que até a mala foi roubada por russos que por não encontrarem nada de valor dentro dela, ainda lhe dão uma surra e o abandonam desfalecido num lugar inóspito e frio. Sua falta de sorte começa a mudar, quando finalmente consegue chegar em casa. Volta a trabalhar e começa a arquitetar um plano com a ajuda do amigo para enriquecer e ter a atenção da sua ex novamente. O amigo pagou-lhe para que ele o matasse. Ele recebe esse dinheiro e acaba convencendo seu amigo Nicolau que morrer não é uma boa idéia. Com esse dinheiro ele começa seus investimentos. De vez em quando liga para Dominique até que um dia ela faz questão de que ele ouvisse seus gemidos de prazer na companhia de outro. Para ele que sofre de impotência, esse momento foi o FIM, foi a coisa mais desprezível e humilhante que ouviu da parte dela.
Karol arma uma cilada para a sua amada, passando-se por morto. Compra um cadáver com sua aparência física. O morto era  um homem russo que faleceu e ficou desfigurado, exatamente como ele queria, a fim de que Dominique ao ir ao necrotério da Polônia ao tentar reconhecê-lo, não desconfiasse que fosse ele, e herdasse toda a sua fortuna que à essa altura já era um milionário.
Dito e feito. Karol agora era considerado um homem morto. E Dominique foi ao enterro, reconheceu aquele cadáver como sendo do seu ex-poso, e ela chorou. Karol de longe observava a tudo e descobriu que ela sempre o amou e que ela chorou por saber que ele estava morto. À noite, no hotel em que Dominique estava hospedada, Karol apareceu para ela, fizeram amor (ou sexo?) durante a noite toda; ele não estava mais impotente, e ela sussurrou para ele que o amava. Karol tinha certeza disso. Karol sabia como agradar a uma mulher muito bem, lembrando que a sua primeira profissão era cabeleireiro; sabia muito bem que a mulher adora um trato no visual, começando pelos cabelos…
Karol foi embora e a deixou dormindo. Dominique ao acordar chamou por ele e quem respondeu foi a polícia que a prendeu por suspeitar dela, que ela tramou a morte dele para ficar com a herança e ela foi presa. Afinal, a igualdade é branca, como um véu de noiva, como a neve do inverno rigoroso da Polônia, como pombos voando, como um orgasmo, como o amor e a paixão, Karol armou para que tudo isso acontecesse, uma forma de se vingar pela humilhação e pela ofensa e por todo o constrangimento que ela o fez passar.
Em “A Igualdade é Branca” o que se discute são todos os tipos de igualdade, desde ser igual perante a lei até as obrigações conjugais. Agora tanto um quanto outro têm direitos iguais. Nos tempos modernos de sentir prazer, de se chegar ao orgasmo. Não mais o homem ter essa experiência, mas obrigação de satisfazer a sua companheira. É o amor fisiológico, um olhar irônico sobre como o vazio da vida pode ser profundamente afetado pelo amor.
O filme gira em torno das carências afetivas, quando o amor não se desenvolve não vai adiante por questões orgânicas, fisiológicas, vai além do romantismo, das cartas de amor, flores, declarações apaixonadas. Não se sabe mais onde começa o amor espiritual e termina o carnal. Dizia-se que o sexo é o complemento do amor. Então por que o casal se separou? Onde começa um e termina o outro? Pode-se viver só de amor platônico? Pode-se viver só de sexo e nenhum envolvimento amoroso? Chega um momento que uma coisa sem a outra, cansa.
Sabe-se que existe sexo sem amor. E o amor sem sexo? Mas um não complementa o outro?
Há quem ame e renuncie ao sexo. Religiosos são exemplos disso. E quem não fique sem sexo, é considerado doente? E fazer sexo por obrigação, seria o quê?
Há quem renuncie as satisfações do desejo. E com o tempo o amor acaba relaxando…acaba a atração física, acaba a atração emocional. A simples satisfação do desejo carnal às vezes custa caro, em ambos os sentidos (monetariamente e sentimentalmente). E quando um quer e o outro não? Um tem mais apetite que o outro?
Cada um vê o amor através de sua formação.
Dominique amava Karol, mas sua vida íntima sem sexualidade não fazia sentido. O amor começa pela admiração, gostar de estar perto daquela pessoa. Em certos pontos do filme a representação visual como uma grande explosão de luz branca, a neve, em alusão ao título do filme BLANC.
Igualdade é o que Karol desejava: amar e ser correspondido; mas como ela trapaceou ele se vingou. São tantos os questionamentos… Ela foi presa e ele jamais teria sua liberdade de volta, pois agora vivia sob uma pseudo-identidade. Ela presa nas grades da justiça e ele preso em sua mesquinhez, sua vingança e sua infelicidade de viver para sempre deixando de existir para a sociedade como cidadão Karol. E foram infelizes para sempre.
Por: Karenina Rostov
Cotação: *****
A Igualdade É Branca (Trois Couleurs: Blanc, França/Polônia/Suíça/Grã-Bretanha, 1994)
Direção: Krzysztof Kieslowski
Elenco: Zbigniew Zamachowski, Julie Delpy, Janusz Gajos, Jerzy Stuhr
Duração: 88 minutos
Anúncios

11 comentários em “A Igualdade é Branca (Trois couleurs: Blanc. 1994)

  1. Olá, Mode20100,

    BLANC, para mim, é um dos melhores do Kieslowski, merecedor de todos os elogios.

    Obrigada pela visita, por ter gostado e pelo “A+”.

    Volte mais vezes!

    Abraços.

    Curtir

  2. Para mim Blanc não é tão denso como o primeiro, Blue, mas tem o seu valor e profundos questionamentos. A última cena que me deixa a pensar: O que ela quis transmitir a ele naqueles gestos? Seria ela a partir da prisão, prisioneira de um amor platônico. Pois ao sair na janela ela o via, mas será que sabia que ele estava vivo? Ou pensava estqr louca, amando um fantasma? E ele preso também não só na falsa identidade, mas também desejando-a ainda. Visitando-a toda noite às escondidas?

    Curtir

  3. Este é o melhor da trilogia. A vingança é um prato que se come frio, está escrito na caixa do DVD. E é mesmo. Eu, que vivi uma vida pouco convencional estive, diversas vezes, ora de um lado, ora do outro, desta coisa chamada traição e revanche. Sei o quanto dói ser pego em sua própria arapuca. Isso aconteceu muitas vezes; mas também sei como é libidinoso e intelectualmente orgásmico retribuir na mesma moeda, acrescida de juros usurários um golpe que me foi desfechado, cujo golpeador sentiu-se acima de qualquer possibilidade de reviravolta e fazê-lo cair de joelhos, perplexo, perante a “infâmia” tramada por um moleque de 25 anos (diz o velho conde, aos seus 50…). Adorei o filme por ele colocar, porém em definitivo, sua algoz na mesma posição em que ficou, quando ela pediu o divórcio, deixando visceralmente a nú, sem entender uma palavra do que se dizia sobre ele e seu destino. Ele lutou e venceu! E pagou na mesma moeda, ela, num tribunal, é verdade que injustamente, sendo julgada por um crime que não cometeu, sem entender uma palavra, sendo condenada à prisão sabe-se lá por quanto tempo. E a curiosa devoção dele, indo vê-la de soslaio, na prisão. Eu gostei mesmo disso! Meu livro trará minha história de vingança. O beijo dela tinha gosto de framboesa…

    Curtido por 1 pessoa

      • Ontem eu conversei, via blog, com tres pessoas e, numa delas, eu não creio que tenha sido agradável. Hávia a necessidade de não ser agradável. Diga-me, ilidade de eu aceitar. Ter um outro espaço para tocar neste assunto (eu estou subentendendo (teoricamente) que vc está me convidando para escrever no seu blog) seria uma oportunidade excelente de atingir aqueles que “não pensam nisso” para fazer com que eles pensem antes que seja tarde demails. Meu celular está na manutenção e eu vou pega-lo em uma hora. Mas se quiser adicionar o zap é +55…

        Abraços

        Cláudio

        Curtido por 1 pessoa

        • Claudio!

          Peço desculpas pela demora no retorno! Por vezes me ausento nos períodos down… Que no meu caso são as limitações diárias impostas por uma doença degenerativa… Eu digito só com um dedo… Mas mesmo com toda a dificuldade o escrever para mim foi por o “Lado B” em uso; já que o “A” se foi…
          https://cadeiranteemprimeirasviagens.wordpress.com/P

          Esse blog aqui começou como um caderno de notas para ir colocando minhas postagens do Orkut… Passado alguns meses eu retirei tudo mais só deixando os de Filmes… E foi aí que com participações como essa sua que me levaram a fazer o convite para daqui participarem. Como Autores ou Colaboradores. Com altos e baixos em postagens… O blog segue adiante desde 2008 🙂

          Bem, posso te ajudar na edição do texto! Até em publicar seus textos por aqui. Me passando-os por email… Não sei como seria num vindo de ti por conta da dislexia… Mas aí estaria em eu ver primeiro para ver se estou apta a corrIgir o texto… E ao publicar aqui, pode deixar que escolho as imagens que me traduzem o texto. Sem falsa modéstia sou boa nisso 😀

          Irei agora por email 🙂

          Curtido por 1 pessoa

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s