Adaptação de Livros para Cinema: Uma Questão de Fidelidade?

Por Alexandre Cavalcante da Silva (Alex).

Olá, pessoal! Estamos começando um ano novo que provavelmente virá com novas adaptações de livros. Já faz um tempo que quero escrever algo sobre o tema, afinal como leitor o que não falta é decepção na sala de cinema. Você vai assistir a um filme esperando ansiosamente durante meses para a estréia daquela adaptação de um dos seus livros preferidos e quando termina a sessão vem a sensação de “podia ter sido bem melhor”. Infelizmente nós temos que aceitar que adaptar um filme não é uma tarefa fácil. Um diretor é, antes de qualquer coisa, alguém comum que tem uma visão específica de como quer que seu trabalho fique, a diferença é que ele está preparando algo para um público extenso. E para ele passar no teste, deve agradar tanto os fãs da obra literária quanto um público novo que desconheça a história. Isso pode gerar resultados satisfatórios para o segundo grupo mencionado, mas detestável para quem leu a obra original.

Pode parecer fácil imaginar ser diretor para quem está lendo o livro, mas na hora de elaborar um roteiro ainda há aquela preocupação de convencer os estúdios de que a trama valerá a pena ser filmada e que tem potencial para o sucesso. E lá vai aquela mania de mexer na história a fim de torná-la mais emocionante. Em alguns casos até é aceitável uma mudança, porém em outros o roteiro fica medonho e não agrada nem leitores e nem o público desconhecido. Mas eu, sinceramente, gostaria de dizer para alguns leitores abrirem os olhos e perceberem que alguns resultados não são tão ruins.

Alguns livros são descritos apenas por metáforas, algo muito difícil de expressar através de imagens, só com muita sutileza e cautela, pois o filme pode ficar lento demais, uma coisa que não ocorre tanto na leitura por estarmos o tempo todo refletindo sobre o que o autor quis passar. Em algumas situações, o livro tem muita emoção e nas telas fazem algo super lento (putz, imperdoável). E há exemplos em que o filme é idêntico ao livro, mas não tem brilho ou personalidade. Outros que fazem algo totalmente diferente da obra literária, entretanto triunfam. E ainda tem aqueles diretores que conseguem a proeza de fazer um filme ótimo de um livro péssimo (meus parabéns a esses). Não podemos deixar de citar os raríssimos casos em que tanto o livro quanto o filme agradam aos fãs do livro e adquirem novos fãs no cinema.

Antes de continuar, gostaria de incluir nesse texto as famosas HQs (Histórias em Quadrinhos). Com o mercado de adaptações Marvel e DC crescendo, há aquelas adaptações que merecem muito destaque como veremos no decorrer do texto.

Eu poderia digitar incontáveis linhas só descrevendo tipos de adaptações, sucessos e fracassos, porém imagino que a melhor maneira de demonstrar o que quero dizer é através de exemplos. Abaixo analisarei a proposta de algumas adaptações famosas (só algumas das que li). Infelizmente “Senhor dos Anéis” não está no meio, mas quero citá-lo neste parágrafo como uma das maiores vitórias baseadas em livros por ter filmes tão bons e recriar um universo literário com tanto empenho.

Parte 1: Adaptação Quadro A Quadro: Ser igual não é sinônimo de sucesso.
Parte 2: Adaptações de Metáforas: A supressão e modelação dos fatos.
Parte 3: Mudanças São Bem-Vindas… Às Vezes.

Anúncios

5 comentários em “Adaptação de Livros para Cinema: Uma Questão de Fidelidade?

  1. Muito bons os textos! Adaptação cinematográfica de livros é sempre um assunto polêmico, mas não dá para generalizar e dizer que nenhuma presta. São mídas diferentes, logo têm estruturas distintas e contam com recursos diferentes. Na maioria das vezes muito do livro é cortado, mas esse não é o problema. Ruim mesmo é quando mudam o foco e descaracterizam totalmente a intenção do autor, como vc citou sobre “O Perfume”. Aí não dá, né?

    Curtir

  2. Justamente, Michelle. Infelizmente fazem muito disso no cinema e o filme acaba perdendo a essência do livro. Há casos em que o longa é um fracasso de bilheteria, porém consegue ser fiel ao livro na medida certa.

    Só que acredito que o mais difícil seja fazer essa transposição de livro para filme, nem tudo dá certo nas telas, mas não é necessário alterar tantos detalhes importantes, depende da maneira como será retratado. A trilha sonora auxilia bastante nesses momentos em que o que está escrito torna-se difícil de expressar em imagens.

    Um exemplo que não citei nos textos foi A Profecia, talvez seja uma das adaptações mais fiéis que já tenha visto. O livro é idêntico ao filme, mas os dois conseguem passar a intenção da história sobre um apocalypse moderno. Não colocaram tanta violência do livro (não seria bacana ver um garotinho sendo espancado), mas o suspense e a trilha foram os pontos fortes para deixarmos tão tensos quanto na leitura. O mais surpreendente é que o filme conseguiu ser mais assustador que o livro, mesmo suprimindo alguns detalhes (no livro, o garoto não tinha digitais, isso seria exagerado no cinema).

    Curtir

  3. Achei bem inteligente o post e realmente,as adptações nem sempre sao fieis ou boas apenas pelo gosto do diretor,creio eu q ja se espera que quem tenha lido o livro va ate a sala de cinema ver o filme,dai certas mudanças tem como objetivo angariar novos expectadores aumentando assim a margem de divulgaçao e lucro na minha humilde opinião.parabens pelo post e sucesso.

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s