Medianeras — Buenos Aires na Era do Amor Virtual (2011)

Tem certos dias / Em que eu penso em minha gente / E sinto assim / Todo o meu peito se apertar / Porque parece / Que acontece de repente / Como um desejo de eu viver / Sem me notar.”

Não se trata de saudosismo, mais ainda porque eu gosto de morar em grandes centros urbanos, mas não pude evitar em lembrar da letra da música “Gente Humilde” vendo esse filme. “Medianeras” também me levou a pensar em outros filmes, onde destaco dois: “Edifício Master” e “O Homem ao Lado“. Porque nele há um caráter documental de querer rever outras vezes mais. São tantas as informações que longe de serem apresentadas de um jeito didático, é quase uma poesia moderna desse jeito de viver num tipo de pombal. É um dos preços que se paga por querer aproveitar tudo que uma metrópole tem a oferecer a poucos metros de onde se mora. Um outro fator a se pesar estaria numa proximidade meio sufocante entre um imóvel e outro. Onde também muita das vezes a visão externa é quase dentro de outro apartamento de frente. Mas se pela fachada de um prédio ele meio que identifica a classe social dos proprietários, de outro os deixa sem uma identidade própria, tornando-os de uma mesma tribo: seres urbanos.

O que esperar de uma cidade que dá as costas ao seu rio?

Essa verticalização das moradias nas grandes cidades cresce tão sem planejamento, que muita das vezes até se esquecem das grandes paredes laterais. Atualmente, encontraram como uma saída estética, e até financeira, serem usadas com publicidade de algo. Para o morador, ela vem como uma rota de fuga ao seu lar um tanto claustrofóbico: que vem ao colocar nela uma janela, por exemplo. Com ela seu horizonte se alarga, e o sol ilumina seu espaço, o seu pequeno mundo. Essas paredes são chamadas de “Medianeras“. Para quem assistiu “O Homem ao Lado”, viu que na Argentina existe uma lei que proíbe que o morador faça qualquer abertura nas medianeras. Mas viu também que esse problema atinge classes sociais diferentes. Claro que no geral o lado mais prejudicado é para aquele que mora em apartamento do tipo quitinete. Sem poder visualizar um horizonte mais amplo, esse morador se sente muita das vezes mais isolado do mundo ao seu redor.

Cada vez mais esses grandes centros urbanos ficam mais sem espaços. Se há menos espaços disponível, mais o valor do metro quadrado aumenta. Dai, basicamente as construções seguem dois critérios: prédios com unidades maiores cobrando um alto preço, ou unidades cada vez menores onde o lucro viria de uma quantidade enorme delas num único prédio. Mas se em “Medianeras” também há um viés poético, ele está em contar a história de uma construção de um grande prédio por conta de uma vingança pessoal. Há um encanto todo especial dessa história para um dos personagens.

E quem são os personagens desse filme?

Com as devidas proporções, em “Medianeras” é como se o Diretor Gustavo Taretto tivesse dado mais tempo a dois únicos personagens do Documentário do Eduardo Coutinho, mas abrangendo o em torno também. Embora nesse filme aqui há uma certa hierarquia social a diferenciar os dois prédios onde cada um deles mora, com prédios mais baixos entre as medianeras dos edifícios de ambos. A particularidade entre ambos os filmes se encontra no peso de se sentir só em meio a tantos outros moradores. De nem conhecer o próprio vizinho.

Um dos protagonistas é Martin (Javier Drolas). Criador de sites, meio que mergulhou nesse novo mundo, trancando-se do mundo fora do universo virtual. Com ajuda de um Terapeuta consegue voltar a sair de casa. Mas ainda preso a alguns tipos de suporte: como escudos de proteção. A outra personagem principal é Mariana (Pilar López de Ayala). Ela é Arquiteta de formação, que enquanto espera poder um dia ter também um prédio seu em Buenos Aires, trabalha como Vitrinista. Tentando superar o fim de um relacionamento. É pela visão de ambos que também ficamos conhecendo a nova realidade da capital argentina. Um caos arquitetônico visto pelo todo, mas com uma certa beleza se focar trecho a texto. Tão igual a tantas metrópolis. Onde cada um tenta viver mais que sobreviver.

Medianeras — Buenos Aires na Era do Amor Virtual” pode com esse subtítulo afastar muitos. Pensando que irão ver muitos namoros em sites de relacionamentos. Outro grande defeito dele estar em quase um entregar o filme. Mesmo que pareça paradoxal, são microcosmos isolados procurando por intermédio de um macro se sentir de fato integrados neles. Como também sem querer estragar a surpresa, digo que o cartaz do filme tem tudo a ver com todo o contexto, mesmo fazendo parte da vida de Mariana. Essa sim fora uma escolha perfeita!

O filme segue num ritmo ótimo! Como eu já citei, é de querer rever, inclusive logo após o término, ótimo por sinal. Não apenas o casal principal, como também todos os outros personagens pediriam uma análise mais detalhada para cada um deles. Há uma riqueza da personalidade, das peculiaridades intrínseca em cada um, mesmo tendo alguns participações pequenas. Roteiro e Atores numa química ótima. Tudo também num timming exato. Parabéns a Todos, inclusive ao Diretor que também assina o Roteiro!

Opitei em não trazer spoiler. No entanto me alonguei um pouco mais para motivar a um número maior que assistam a esse excelente filme. É o Cinema Argentino em alta. Com mais um Nota 10.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Medianeras — Buenos Aires na Era do Amor Virtual. 2011. Argentina. Diretor: Gustavo Taretto. Elenco: Pilar López de Ayala, Javier Drolas. Gênero: Drama, Romance. Duração: minutos.

Curiosidade: O filme é o desdobramento do curta homônimo realizado em 2005 pelo mesmo diretor, Gustavo Taretto (Que com esse filme tem sua estréia em dirigir longas), e com o mesmo ator principal.

Anúncios

2 comentários em “Medianeras — Buenos Aires na Era do Amor Virtual (2011)

  1. “Medianeras é o resultado de várias ideias, que em algum momento — que eu nem sei dizer qual — começaram a se unir. A maioria delas é o resultado de minhas observações e da minha curiosidade sobre Buenos Aires e seus habitantes que muitas vezes vivem suas vidas mais na internet do que fora dela”, diretor Gustavo Taretto.

    E isso também acontece em muitas outras cidades. Logo, o filme também é uma bela reflexão!

    Curtir

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s