Eduardo Coutinho, 7 de Outubro (2015)

eduardo-coutinho-7-de-outubro_2015A data do título foi o dia em que Carlos Nader entrevistou o genial cineasta Eduardo Coutinho, poucos meses antes de ser assassinado provavelmente pelo próprio filho esquizofrênico, no início de 2014. Nader não é exatamente um entrevistador à altura do célebre entrevistado, mas a riqueza do material falado pontuado de excelentes cenas extraídas da obra de Eduardo transforma o filme num delicioso jogo de palavras e imagens. Sem perceber, realizou uma homenagem impecável.

O resultado é assombroso e ajuda a entender a mente fértil do documentarista que conseguia arrancar depoimentos surpreendentes de seus entrevistados. Seu pensamento veloz produz uma fala atropelada e recheada de palavrões. Libera citações preciosas como “O Passado contado é muito mais interessante do que realmente aconteceu. É extraordinariamente acrescentado, enfeitado, épico.” Filosofa com eloquência, humor e alguma impaciência senil que o autoriza até a arriscar uma piada no meio de tudo: A bicha acorda feliz, abre a janela e cumprimenta: – Bom dia, sol! O astro responde: Bom dia, viado! Prá puta que pariu…

jogo-de-cenaSua bela filmografia inclui clássicos premiados como “Cabra Marcado para morrer”, “Edifício Master”, “Babilônia 2000” (Personagens humildes de uma comunidade no Rio na passagem de ano de 1999 para 2000), “Santo Forte” (Lembro que uma das vezes que falei com Coutinho, perguntei sobre o porquê desse impressionante filme sobre o sincretismo religioso nunca ter saído em DVD – Ele respondeu que o copião estava nos Estados Unidos – Creio que ele não gostava de viajar muito por conta do vício do cigarro.) e a obra-prima: “Jogo de Cena”, provavelmente, o único filme com atores profissionais famosos. Curiosamente, encontrei uma das entrevistadas mais interessantes do “Jogo” no bar do teatro Rival – Uma mulher de temperamento oscilante que se emocionava com o filme da Disney “Procurando Nemo” por conta de problemas de relacionamento com a filha. Sua história pungente foi interpretada por Marília Pêra no intrincado “Jogo de Cena”. Neste dia que a reconheci, ela parecia alegre, mas quase a levei às lágrimas quando toquei no delicado assunto maternal. Numa segunda vez que a vi no metrô, não tive coragem de falar. Parecia triste demais.

Coutinho admite que apreciava o precário, o inacabado, o imperfeito, mas a verdade é que conseguia extrair beleza, emoção e poesia daquilo que parecia tosco e rude à primeira vista, fazendo seu trabalho com o cuidado de quem lapida uma pedra rara.

Eduardo Coutinho, 7 de Outubro (2015). Brasil
Direção: Carlos Nader
Com: Eduardo Coutinho
Gênero: Documentário
Duração: 72 minutos.

Anúncios

2 comentários em “Eduardo Coutinho, 7 de Outubro (2015)

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s