Don Juan Demarco (1994). Romantismo e Loucura…

don-juan-demarco_1994_capaPor Cristian Oliveira Bruno.

Romantismo e Loucura em uma Adaptação Fora dos Padrões

Com o auxilio da produção de Francis Ford Coppola, o roteirista Jeremy Leven (Diário de Uma Paixão; Gigantes de Aço) se aventurou pela primeira – até onde me lembro, única – vez no comando de um filme lá no longínquo e rico ano de 1994. Sua adaptação do clássico de Lord Byron, Don Juan Demarco, possui toda uma identidade própria e aposta num tom de comédia romântica das boas para conduzir uma narrativa extremamente lenta, baseada apenas em diálogos, mas que divertem e encantam na maior parte do tempo.

don-juan-demarco_1994_01Marlon Brando interpreta o Dr. Jack Mickles, psiquiatra de um instituto para pessoas com distúrbios mentais que, a dez dias de se aposentar, salva um misterioso jovem antes que este cometesse suicídio. Este jovem (Johnny Depp) acredita fielmente ser Don Juan Demarco e um trato faz com o Dr. Mickles – quem ele acredita ser Don Octávio da Silva, tio do de Don Francisco, o único homem que pode lhe conceder uma morte honrosa – que consiste no seguinte: se nestes dez dias ele não convencer o Dr. Mickles de que realmente é Don Juan, ele aceita submeter-se aos medicamentos e ao tratamento. Do contrário, pede o aval para ir embora.

don-juan-demarco_1994_02À medida que as sessões vão acontecendo e o jovem vai contando sua fantasiosamente absurda e igualmente apaixonante história, o Dr. Mickles começa a reavaliar sua vida e os rumos que ela tomou e acaba por indagar-se: o que houve comigo? Cadê aquela paixão de outrora? Será tarde de mais para retomar os trilhos e viver tudo o que eu sempre quis?Será que meu mundo é tão diferente do deste jovem, ou será que só vivo uma fantasia da felicidade? Embora saibamos, assim como os personagens, que aquele garoto não é Don Juan, é quase impossível não ser tocado pela paixão na sua voz. Uma pessoa capaz de enxergar beleza em tudo e em todos seria mesmo assim tão louca, ou só teria uma visão diferenciada das coisas? E a relação entre as histórias mirabolantes de Don Juan e as experiências de vida do Dr. Mickles começam a afetar o psiquiatra de uma maneira positiva, fazendo com que, inclusive, redescubra uma maneira de olhar para sua amada companheira como não fazia há um bom tempo nestes últimos 32 anos.

don-juan-demarco_1994_03Porém, fica evidente que aquele jovem sofre de um trauma gravíssimo, o qual o Dr. Mickles encontra uma barreira que o impede de acessar: a imagem fixa que ele tem de seus pais. Mesmo com a distorção dos fatos, algumas peculiaridades são percebidas, como a possível infidelidade de sua mãe e a trágica morte de seu pai. Aliás, há um belo momento, após Don Juan contar sua versão da morte de seu pai, percebemos os olhos do Dr. Mickles cheios de lágrimas e a câmera de Leven percorre a sala e encontra várias fotos do personagem com seu pai. Nada mais é dito, pois não é necessário. Um belíssimo momento muito bem dirigido por Leven.

Do meio pro final, Don Juan Demarco (o filme) assume de vez seu lado fantasioso e inverossímil, inclusive optando por um desfecho improvável que serve para ressaltar seu romantismo. Quem conseguir entregar-se ao filme e sua magia, com certeza terá uma experiência doce e muito bonita. É uma bela pedida contra as adaptações enfadonhas que vemos aos montes por aí.

Nota: 7.0.
Don Juan Demarco (1994)
Ficha Técnica: na página no IMDb.

Anúncios

5 comentários em “Don Juan Demarco (1994). Romantismo e Loucura…

  1. Boa tarde.

    Malgrado a análise, a qual demonstra que o autor tem consciência total dos aspectos propostos no filme (isso é muito importante, pois um filme, com seu tempo exíguo, fatalmente trunca aspectos originais da obra, interditando, sem o querer, vários aspectos da obra original), não gostei do D. Juan de Marco. Em parte, por causa da escolha dos atores. Johnny Depp poderia perfeitamente ser alternado pelo Tom Hanks, de perfil próximo e bem menos blasé; por seu turno, Brando daria lugar a um Jeremy Irons; “Brandô” e Depp são atores que acaba[va]m “roubando a cena”, literalmente, a despeito do enorme talento d´ambos. Estes dois substitutos de peso são atores menos “contaminadores”, que carregam menos o seu personagem, e com iguais talentos, penso.
    A certa altura, o filme parece em uma areia movediça, como se o diretor tivesse perdido a mão. Já experimentei esta sensação com
    A Ilha do Dr. Moreau, versão com Marlon Brando no papel de geneticista. Versões anteriores (´33, ´77) são bem menos personalistas e bem mais fiéis ao roteiro original de H. G. Wells.
    Reitero a felicidade da análise, pela fluidez, mas do filme confesso não ter gostado.

    Saudações “O Pré-Sal É Do Povo Brasileiro; Vamos Enfrentar Os Golpistas E Defender A PetroBrás; o MPF (Ministério da Política dos Fuleiragens), é o braço judicial da Casa Grande“,
    Morvan, Usuário GNU-Linux #433640. Seja Legal; seja Livre. Use GNU-Linux.

    Curtido por 1 pessoa

    • Eu não li o livro. Mas para mim a versão do filme passa a ideia de latin love para o personagem. E de qualquer forma, o Tom Hanks não tem um esteriótipo de um galã sedutor. Nem se trata de beleza física.

      Jeremy Irons até poderia fazer o papel. Mas ai entre ele e Marlon Brando aí o biotipo do segundo conta na trama, em algo do tipo: tentando achar em si o galã que fora. O que então não funcionaria para Irons…

      Faz tempo que vi esse filme… Gosto muito! Até por ser fãzoca do Brando 😀

      Curtir

  2. Boa tarde à todos! Muito obrigado pela leitura. Prometo caprichar cada vez mais.

    Acredito que a direção inexperiente de Leven pode ter sido a principal culpada pelo “fracasso” do filme. Uma direção mais inspirada – quem sabe do próprio Coppola ou de um Tim Burton da vida? – poderia ter extraído uma essência mais visceral do filme, o qual, de qualquer modo, eu considero um belo filme de fantasia e romance.

    Curtido por 1 pessoa

Seu comentário é importante para nós! Participe! Ele nos inspiram, também!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s