Histórias Cruzadas (The Help. 2011). Por Um Pedido de Socorro

Por Mario Braga

Para aqueles que gosta, ou gostaram da história de cunho social, principalmente referente à discriminação racial contra os negros no EUA e assistiram “A Cor Púrpura-The Color Purple”(1985) de Steven Spielberg. Esqueçam. Não que Spielberg, não seja capaz de contar uma história como ninguém sobre o assunto, mas “Histórias Cruzadas-Help”(2011), baseado  no livro de Kathryn Stockett procura ir mais fundo no preconceito latente em relação aos negros, principalmente as mulheres negras.

Num elenco em que há a predominância das mulheres tanto brancas quanto as negras retratadas em 1960, o diretor Tate Taylor soube  captar como nenhum outro o sofrimento e a dor daquelas mulheres que só conseguiam galgar trabalho na condição de empregadas domésticas. Tate é direto, seguro e foge completamente dos estereótipos, do que seja piegas e dono de um talento ímpar que compõe muito bem o perfil dessas mulheres sulistas.

Embora todas elas façam uma composição perfeita de suas personagens, não há como negar a atenção sobre o talento natural de Octavia Spencer (Oscar de melhor atriz coadjuvante por “Help”) e Viola Davis como a doméstica contida que expressa toda a sua dor só pelo olhar, além das atrizes Emma Stone, Bryce Dallas Howard, Jéssica Chastan e Allison Janey que completam esse universo feminino.

Não foi à toa que Taylor escolheu Sissy Spacey “Uma História Americana-The Long Walk Home” (1990) e Mary Steenburgen “Na Época do Ragtime-Ragtime” (1981), pois ambas (cada uma à sua maneira) nos filmes citados se apresentavam como mulheres liberais em seu tempo. Até mesmo como uma justa homenagem a ambas.

Vale citar a excelente fotografia de Stephen Goldblatt que pela manhã capta o calor exarcebado da cidade de Mississipi e a noite toda a tensão que a película exige.

Sem nenhum tipo de apelo emocional, mas muito bem conduzido, Tate Taylor domina o dom de fazer correr as lágrimas pelas faces dos marmanjões meio  durões, que habitam o nosso planeta, seja no escurinho de uma sala de cinema, seja dentro de casa no seu aparelho de LED com a luz toda apagada. Simplesmente magnífico.

Anúncios

Bem Amadas (Les Bien-Aimés. 2011)

Se o filme de Christophe Honoré optasse por um roteiro mais enxuto, certamente teria uma recepção bem melhor de crítica e público. Também a indisfarçável alusão ao trabalho de Jacques (Pele de Asno) Demy prejudica a obra com o excesso de números musicais.

A personagem de Madeleine, vivida em sua fase final pela sempre deslumbrante Catherine Deneuve, é desvendada em cerca de quatro décadas desde 1964 passeando por momentos reais importantes como reformas políticas na Europa, o surgimento de uma doença assustadora e o ataque terrorista no início do século ajudando a tecer as estórias e dramas paralelos da estória.

Madeleine vira prostituta quase por acaso quando desfila em Paris com seus sapatos roubados da lojinha em que trabalhava e acaba atraindo clientes, dentre eles o sedutor médico tcheco Jaromil (Radivoje Bukvic e Milos Forman) que se tornaria o grande amor de sua vida e pai de sua filha Véra (Clara Couste e Chiara Mastroianni).

Se a Primavera de Praga serve como pano de fundo adequado ao conflito romântico inicial que separa o casal perfeito, o mesmo não acontece com os acontecimentos da Aids e da destruição das torres gêmeas que aparecem um tanto forçados dentro do roteiro irregular especialmente ao incluir o bissexual Henderson (Paul Schneider).

Na conclusão, o filme torna a ganhar a vitalidade inicial, quando resume com emoção que amor e liberdade podem ser incompatíveis ao desfilar as dores de Madeleine e Clément (Louis Garrel).

No entanto, Honoré perdeu a chance de dirigir uma cena antológica de uma sugerida e patética dança solitária ao som da sorumbática canção “Missing” (Everything but the girl) logo após a derrubada do WTC. Também deixou de realizar um filme memorável com a ajuda de uma fotografia mais criativa, um script decupado e centrado e principalmente uma montagem eficiente sem pena de cortar os exageros. Pecados que um elenco impecável não conseguiu salvar.

Bem Amadas (Les bien-aimés. 2011). França.
Direção e Roteiro: Christophe Honoré.
Gênero: Drama, Musical, Romance.
Duração: 139 minutos.
Elenco: Chiara Mastroianni, Catherine Deneuve, Ludivine Sagnier, Louis Garrel, Milos Forman, Paul Schneider, Radivoje Bukvic.
Classificação: 16 anos.

Histórias Cruzadas (The Help. 2011). E a ajuda veio!

Abrindo um parêntese antes de analisar o filme. É que esse eu assisti no Festival do Rio 2011 – exibido como Vidas Cruzadas, mas que ao entrar no circuito comercial já virá como “Histórias Cruzadas“. Entre tantos a escolher… lembrei que uma amiga de blog, a Joyce, Blog Arte Amiga já o tinha citado. Então vi e amei! Valeu pela dica! Gostei tanto do filme que não entendi que só entraria no circuito comercial já quase Fevereiro de 2012. Pois uma data bem apropriada seria em 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra. Mas vá lá saber em como escolhem a data de exibição de um Filme no Brasil. Ainda mais esse que teve uma boa aceitação, de público e críticos, nos Estados Unidos; e da minha parte também. O filme é excelente! Até por conta disso eu resolvi deixar para publicar o meu texto já com ele em exibição. Incentivando assim a outros mais que não deixem de assitir. Agora sim, entrando no filme.

Histórias Cruzadas” traz como pano de fundo: de um lado as donas de casas e do outro as empregadas domésticas. Mas não se trata de uma luta de classe, e sim por mais dignidade e respeito entre elas. De imediato, há entre elas toda uma barreira de racismo. Herança de uma cultura escravagista. Num período de apenas algumas décadas passadas. Ambientadas em terras sulistas, mais precisamente no Mississipi. Como grande diferencial o filme traz um retrato 3×4 desses universos femininos. Mulheres iguais na essência, mas diferentes por forças das circunstâncias. O que estaria por trás, ou melhor, o que estaria de dentro dessas casas. Algo Histórico, mas focando mesmo na vida dessas mulheres. Num período bem marcante para todas. Onde se o saldo foi ruim para a elite local, veio quase como uma redenção para a classe espezinhada.

As tais donas de casas parecem terem saídos daquela escola em “O Sorriso de Monalisa”. Graduadas com mérito em: racismo, preconceito, futilidade, falta de amor visceral pelos próprios filhos. Delegando também às domésticas a criação dos filhos. Se tem como o grande vilão a segregação racial, tem como a personificação disso aquela que se auto proclamou a líder do grupo: a Hilly (Bryce Dallas Howard). Sua vilania é do tamanho e medida para aquilo que recebeu.

Se em “Domésticas – O Filme” temos uma prévia do grau do tratamento que muitas serviçais recebem das suas patroas, imaginem o que passavam na década de 60, Sul dos Estados Unidos. Época em que os Direitos Civis aos cidadãos negros tentavam entrar nesse território ainda com um tipo de milícia muito, mas muito cruel: a Kur Kurx Klan. Se por trás dessas máscaras estavam os maridos dessas patroas, o mais indicado seria que essas serviçais se calassem. Afinal, quem iriam socorrê-las?

_Coragem algumas vezes pula uma geração. Obrigada por trazer de volta à nossa família.”

A ajuda veio. Entre aquelas jovens brancas, uma resolveu ser a porta-voz das serviçais negras. Essa, nem o “casar e ter filhos” estava em seus planos. Seu sonho era ser jornalista com vôos em se tornar uma grande escritora. Da dona de uma Editora de Livros (Personagem de Mary Steenburgen) recebe uma importante dica. Que ganhasse experiência, não apenas no escrever, mas também em observar o entorno. Com isso teria o que dizer e como dizer. Essa jovem é Skeeter, personagem de Emma Stone. Se em “Amor a Toda Prova” ela não fez a diferença, em “Histórias Cruzadas” ela mostrou que está no caminho certo. Eu gostei da atuação dela.

Skeeter ao voltar para casa após se formar em jornalismo tenta se enquadrar na vida social local com as antigas colegas do colegial. Mas de imediato já destoa das demais por procurar um emprego em vez de um futuro marido. Conseguindo uma vaga no jornal local. Mas de algo que não tinha a menor aptidão. A vaga é para uma Coluna sobre Dúvidas e Sugestões em Trabalhos Domésticos. Parecia até piada, mas foi isso que a levou a se aproximar mais das serviçais. De uma em especial: Aibileen. E é por ela que conheceremos toda essa história. Eu comecei esse artigo com a Skeeter para então chegar na ligação entre as duas.

Aibileen é interpretada pela Viola Davis. Que está excelente! Por ela que temos também o porque do título original: “The Help“. Uma cena linda que foi menosprezada ao escolherem o título aqui no Brasil. Pois “Histórias Cruzadas” não faz jus as súplicas de Aibileen em suas conversas diárias com Deus. Escrevia tudo o que passava, o que percebia, o que ficava sabendo… Palavras muito mais fervorosas que qualquer oração. Skeeter na realidade foi quase uma ghost writer de Aibileen. Fora um salvo conduto num mundo onde ainda os brancos imperavam. Mas ela também teve uma história para contar no tal livro.

A cena de Aibileen escrevendo essas cartas para Deus, emociona. Até por algo sofrido, e muito especial. E pelo todo, me fizeram lembrar também da música do Gilberto Gil, “Se Eu Quiser Falar com Deus“. Aibileen mais que a Skeeter trazia em si o dom de escrever. O talento pode até vir de um aperfeiçoamento, de estudos, mas o dom é algo inato. Como também, só o fato de transcrever para o papel os sentimentos sofridos, já é um modo de exorcizá-los.

E é seguindo esse elo entre Fé e Realidade que ficamos conhecendo as histórias também das outras serviçais. Claro que todas essas histórias se cruzavam. Afinal todas elas, patroas e empregadas, moravam na mesma cidade, mesmo que em condados separados pela segregação racial.

O filme é longo, mas em nenhum momento perde o ritmo. Pois a atenção se mantém até por querer conhecer todas as demais histórias. As demais vidas. Saber da reação de todas quando o livro é publicado. Vibrar pela irreverência de Minny, personagem da Octavia Spencer. Minny é uma empregada que não deixará barato as injustiças que sofrera até então. Como também em soltar um palavrão na cena onde uma das amigas da mãe (Allison Janney) de Skeeter a obriga fazer, e até pelo motivo que a outra viu como afronta. Em se solidarizar com uma outra branca excluída pelas demais, a Celia, personagem de Jessica Chastain. A dupla Minny e Celia é uma comédia! Não tem como não se encantar com elas. Ri junto com a personagem da Sissy Spacek numa certa cena. E muito mais!

Uma das reflexões que o filme deixa é de que ainda há muitas dessas histórias nos dias atuais. Sob a égide de: cada um no seu lugar. Uma certa hierarquia dentro do campo profissional por certo há de se aceitar. Mas sem humilhações, nem constrangimentos com os subalternos. Na intimidade de uma casa, assim como numa empresa, precisa que haja um bom relacionamento entre todos para que tudo funcione bem. Do contrário, é uma ladeira abaixo até a falência familiar. Então a égide seria em valorizar quem realiza de fato as funções essenciais. É preciso respeito mútuo entre todos. E tirando o lado empregatício há de se pesar também o carinho que se recebe desses que em muitas das vezes terminam como sendo um membro “da família”.

Histórias Cruzadas” também deixa outras questões. Uma delas seriam com os homens. Em porque de terem sido ora passivos demais, noutras até violentos demais em meio a toda essa trama. Se eles são o que são por também serem produtos desse meio? Mas como citei, são reflexões após o filme. As máscaras deles não foram retiradas. O filme é delas!

Até pelas performances dos atores, destacando também a Direção e o Roteiro de Tate Taylor. Não li o livro de Kathryn Stockett, o qual o filme foi baseado, mesmo assim a história foi muito bem contada.

Então é isso! Entre emoções, risos e lágrimas, o filme entrou para a minha memória afetiva. De querer rever.

Nota 10!

Por: Valéria Miguez (LELLA).

A Vida Secreta das Abelhas (The Secret Life of Bees. 2008)

a-vida-secreta-das-abelhas_posterUma pessoa pode ter uma infância triste e mesmo assim chegar a ser muito feliz na maturidade… Da mesma forma pode nascer num berço de ouro e sentir-se enjaulada pelo resto da vida.” (Charles Chaplin)

Preparem a caixa de lenços pois lágrimas jorrarão em pelo menos dois grandes momentos em ‘A Vida Secreta das Abelhas‘. Nesse filme teremos um dos amadurecimentos de uma adolescente. Uma tomada de decisão ao completar 14 anos. Iremos acompanhá-la nessa trajetória. Mas essa abelhinha também irá polinizar outras vidas.

Ela é Lily (Dakota Fanning). No início ficamos sabendo do peso que até então carregava desde os 4 anos de idade. Mesmo sendo um spoiler não posso ficar sem comentar. Em tendo criança ter também armas de fogo em casa. Um dos textos é com o filme ‘Vermelho Como o Céu‘. Uma arma não serve apenas intimidar alguém, ela mata.

rosaleen_e_lilyMas que por não aguentar os maus tratos sofridos Lily aproveita do fato que terá que salvar a vida da sua babá, a Rosaleen (Jennifer Hudson), para então descobrir as suas raízes; o que houve de fato com a sua mãe. Rosaleen fora fazer sua documentação para poder votar, mas em seu caminho tinha brancos preconceituosos que não apenas a impediram, como a espancaram e a juraram de morte. Lily tendo apenas o nome do local onde sua mãe nasceu e um rótulo com uma Virgem Negra após livrar Rosaleen fogem ambas dali. No caminho conhecemos um pouco mais dessas duas jovens. Seus temperamentos. Seus anseios.

Um pouco de um fato real no período dessa história: 1964 – O Verão da Liberdade – Durante os meses de verão de 1964, férias escolares nos Estados Unidos, um grupo de mais de cem estudantes voluntários pelos direitos civis do norte do país, brancos e negros, dirigiram-se ao sul para iniciar uma campanha pelo direito de voto negro e para a formação de um partido pela liberdade do Mississipi.
Três deles acabaram assassinados pela Ku Klux Klan em conluio com autoridades policiais da cidade de Filadelfia, Missisipi e seus corpos, perfurados a tiros, encontrados após mais de um mês de diligências do FBI, enviado ao local pelo Presidente Lyndon Johnson para assumir as investigações. Acompanhado diariamente pela imprensa em rede nacional de televisão e pelos mais influentes jornais do país, a indignação que o caso provocou na opinião pública americana ajudou o Presidente Johnson a aprovar junto ao Congresso a Lei dos Direitos Civis, em 2 de julho de 1964.

E Lily e Rosaleen pedem abrigo na casa das Irmãs Bostwrigt: August (Queen Latifah), June (Alicia Keys) e May (Sophie Okonedo). Elas moram numa grande casa rosada. August é apicultora. June é música; toca cello. May tem um problema mental. Das três, só June não gosta de darem guarida a uma branca. São tempos agitados, onde muitos brancos não apoiam os Direitos Civis a todas as etnias. Mas August não apenas acolhe Lily, como ensina a sua arte a ela. Que é preciso ter amor para cuidar das abelhas.

Se o coraçãozinho de Lily sofre por outras situações… acaba passando também por outras emoções, como o do primeiro beijo. Mas a sociedade local não permite tal coisa: uma branca e um negro.

Nessa convivência muitas prisões serão abertas: as do corpo e da alma. Lily também terá que enfrentar mais um fantasma de seu passado, T. Ray (Paul Bettany). Há formas diferentes de aprisionar e de se libertar. Como há também diferentes formas de amar. O bom é quando podemos escolher por nós mesmo. Quando lutamos pelo nosso direito de sermos felizes!

Fica a sugestão. Um filme muito bom! E com certeza entrou para a minha lista de que vale a pena rever. Ah! A Trilha sonora é linda!

Por: Valéria Miguez (LELLA).

A Vida Secreta das Abelhas (The Secret Life of Bees). 2008. EUA. Direção: Gina Prince-Bythewood. +Elenco. Gênero: Aventura, Drama. Duração: 110 minutos. Baseado no livro homônimo de Sue Monk Kidd.