Oscar 2016 – Apostando num Mundo Mais Justo, Sem Violência e Com Mais Igualdade Social!

oscar-2016_pontos-altosAntes mesmo da grande noite o Oscar 2016 levantou polêmica e de uma bandeira que pulou do ano anterior: o de não ter atores negros entre os finalistas. Verdadeiro! Onde até entendo o ato de boicotar o evento, mas… Vale lembrar que tendo uma chance de falar, mesmo que rapidamente, que será ouvido por milhões de pessoas. E foi o que fez Chris Rock aproveitando essa imensa platéia com o seu discurso na abertura do Oscar 2016. Que mesmo que ele tenha decorado o texto, deixou a impressão de não estar acreditando. Que estava livre para dizer tudo o que estava engasgado. Num quase receio de que a qualquer momento seria cortado. Ele falou bonito!

Com isso parecia que a Academia se redimia até pelo o do ano passado… Mas vale ressaltar que ela é a representante de mais de seis mil de eleitores. Que são eles com direito a voto que fazem as escolhas. Assim vieram deles o fato de não ter atores negros indicados nesse ano também. Agora, há também outros fatores. Um deles seria o peso da “divulgação” que alguns filmes recebem. Que por sua vez os levam a serem exibidos em muito mais salas. O que termina empurrando os demais para locais mais distantes, ou mesmo sendo exibidos em poucas salas… Que acaba diminuindo o público, logo de receberem mais votos.

Agora, bem que a Academia poderia divulgar após a festa da premiação, o número de votos de pelo menos os trinta mais votados… De qualquer forma há um outro e importante fator a ser considerado como bem disse Chris Rock: “O que a gente quer é oportunidade. Queremos que atores negros tenham as mesmas oportunidades. E não é só de vez em quando.” Bravo, Chris!

Assim, já desde o início o Oscar 2016 contou com discursos políticos, humanitários, sociais… Foram vozes a pedir um engajamento maior de toda a Sociedade!

Como o do Diretor de “A Grande Aposta“, Adam McKay, que levou o Oscar de Roteiro Adaptado. Lembrando ainda que o filme falou sobre uma tragédia que deixou milhões de pessoas sem casas e emprego… McKay aproveitou para pedir que deem um basta a isso! Que não votassem em candidatos comprometidos com Wall Street… E de quebra nem em milionários “esquisitos”… Um discurso que também cai como luva aqui no Brasil em relação aos golpistas… Bravo, McKay!

O Filme “Mad Max: Estrada da Fúria” saiu-se o grande vitorioso da noite com seis estatuetas – Figurino, Design de Produção, Maquiagem e Cabelo, Montagem, Edição de Som e Mixagem – que mesmo que sejam considerados técnicos, foram merecidos! Até porque na listagem dos finalistas faltaram principalmente o do Diretor George Miller, pelo excelente trabalho, e o da atriz Charlize Theron, pela sua magistral performance. Bem, mesmo tendo sido injustiçado em algumas categorias… Jenny Beavan, que levou o prêmio de Figurino, deixou também um importante seu recado! Em relação aos cuidados com a poluição da nossa atmosfera, e para que todos sejam mais gentis uns com os outros! Valeu, Jenny! O mundo está precisando muito disso: mais amor, menos ódio!

Um outro grande momento do Oscar 2016… Primeiro veio por quem apresentou uma das canções concorrentes… Alguém de peso! Não apenas por ser ele o vice presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mas por se tratar de uma bandeira dele e desde quando ainda um Senador: quando então criou uma Lei contra a violência com as mulheres. Biden num discurso em tom ameno conclamou a toda a sociedade a abraçarem essa causa! Assim como a também tentarem mudar toda uma cultura machista! Great!

Uma expressiva apresentação pois a canção “Til It Happens To You” pertencia ao Documentário “The Hunting Ground“. Um filme que fala dos estupros em campus universitários americanos. Que também mostra que as direções dessas instituições se preocupavam mais em encobrir o fato em si. Além dos depoimentos, e até por eles, as vítimas além da violência sofrida, lutam por justiça e pelo direito de estudarem em paz. “Til It Happens To You” foi escrita e interpretada por Lady Gaga, cuja a apresentação contou com a presença de vítimas de violência sexual. Bem, a canção não levou a estatueta… Agora, por certo emocionou! Além de dar voz a essas pessoas! Bravo, Lady Gaga!

Ainda dentro deste triste contexto… O “A Girl in the River: The Price of Forgiveness“, ganhador como Documentário de Curta-Metragem. Ele conta a história de uma jovem que se apaixonou e ao tentar fugir enfrentou a “lei em nome da honra”… Por sorte sobreviveu e com coragem para contar essa história ao mundo. Até para mostrar a de centenas de mulheres que são mortas anualmente por essa mesma “lei”. Em seu discurso, a Cineasta Sharmeen Obaid-Chinoy disse que após assistir ao filme, o Primeiro Ministro do Paquistão decidiu mudar a lei que mata mulheres em nome da honra; além de exaltar aos homens que incentivam as mulheres a estudarem, em terem profissões… É! É tentar mudar um comportamento machista! Bravo!

Também teve o do Diretor Asif Kapadia pelo Documentário ganhador da estatueta: “Amy“. Uma obra que disseca com raro discernimento as dificuldades que Amy Winehouse enfrentou no decorrer da vida. Ao receber o prêmio Kapadia diz que quis mostrar ao mundo não aquela menina dos tabloides, mas sim a bela menina: inteligente, espirituosa, talentosíssima… A menina que silenciosamente pedia por cuidados… Ainda não vi o filme, mas já se mostra um respeito nessa homenagem!

Chegando então no grande esperado da noite… “O Regresso” além do prêmio de Fotografia, deu novamente o de Direção para Alejandro G. Iñarritu! Que seguiu também por um discurso que espera por mudanças: “Tem uma fala no filme em que Glass (DiCaprio) diz para seu filho mestiço: ‘Eles não te escutam, apenas veem a cor da sua pele’. Então, que maravilhosa oportunidade nossa geração tem de nos libertar de todo preconceito e nos assegurar de uma vez por todas que a cor da pele seja tão irrelevante quanto o tamanho do nosso cabelo“. E mesmo que esperado o de Ator para Leonardo DiCaprio… Este, que até fora mencionado no discurso de Chris Rock… DiCaprio também deixou o seu recado: “A mudança climática é real. Está acontecendo agora. É a ameaça mais urgente… precisamos trabalhar coletivamente e parar de procrastinar. Precisamos apoiar os líderes do mundo todo que não falam pelos grandes poluidores e grandes corporações, mas que falam por toda a humanidade. E por bilhões de pessoas que serão as mais afetadas pela ganância política.” Bravo para Iñarritu e DiCaprio!

Mas o prêmio maior foi para “Spotlight: Segredos Revelados” que além deste, o de Filme, levou também o de Roteiro Original. Sendo que na premiação máxima, para mim competia mesmo com o “O Regresso“, já que não acreditei mesmo que “A Grande Aposta” levaria esse prêmio, como citei aqui. Bem, de qualquer forma estava bem cotado! Lembrando que o filme retrata uma investigação jornalística sobre crimes de pedofilia praticados por padres… “Spotlight: Segredos Revelados” não deixa de ser algo relevante… Mas de 2002 para cá… Há o Papa Francisco! Um Papa que, diferente dos antecessores, não esconde para debaixo do tapete os erros da Igreja Católica… De qualquer maneira, foi válido o pedido feito por um dos produtores do filme: “Esse filme deu voz aos sobreviventes e este Oscar amplificou esta voz, que esperamos que se torne um coro que vai ressoar até o Vaticano. Papa Francisco, está na hora de proteger nossas crianças e restaurar a fé.“. Pedofilia é algo sério, por demais! Que reforça a premiação!

E entre outros mais discurso… Ressalto também o de Sam Smith ganhador de Canção OriginalWriting’s On The Wall“, do filme “007 contra Spectre“: “Quero dedicar este prêmio à comunidade LGBT de todo o mundo. Estou aqui esta noite como um homem gay orgulhoso e espero que um dia possamos estar todos juntos como iguais”. Um discurso mais do que apropriado até porque o homossexualismo ainda hoje além de sofrerem por um forte preconceito, é até criminalizado em certas culturas. Bravo, Sam!

Assim, que bom que todo o glamour da entrega do Oscar permaneça mais no Tapete Vermelho… Que mais uma vez alguns dos premiados não ficaram só nos agradecimentos usuais… Usando o tempo e o imenso público com discursos onde abraçaram por causas maiores: de caráter social, humanitário, político, ecológico… Enfim, além de ter dado vez e voz ao Chris Rock com a causa racial, o Oscar 2016 conclamou a todos por mudanças de posturas, por uma consciência pela coletividade, para irem além do próprio umbigo. Com isso, um “Oscar goes to” para todos eles! Great!

Curiosidade: Além das premiações mencionadas, também ganharam o Oscar 2016:
– Atriz: Brie Larson, “O Quarto de Jack”
– Atriz Coadjuvante: Alicia Vikander, “A Garota Dinamarquesa”
– Ator Coadjuvante: Mark Rylance, “Ponte dos Espiões”
– Trilha Sonora Original: “Os Oito Odiados” (Ennio Morricone)
– Efeitos Visuais: “Ex Machina”
– Animação: “Divertida Mente”
– Curta de Animação: “Bear Story”
– Curta-Metragem: “Stutterer”
– Filme Estrangeiro: “O Filho de Saul” (Hungria)

Anúncios

Série: SMASH (2012 / 2013)

smash_serie-de-tv

Pela Volta da Série Smash e com Novas Temporadas!

Os norte-americanos não gostam mais de Musicais? É uma pergunta que não cala! Tudo porque uma excelente série como “Smash” foi cancelada por conta da baixa audiência por lá. Isto é um absurdo em meio a tantas Séries “bobinhas” criadas anualmente por lá, e que ganham novas temporadas mesmo não tendo muita audiência. O que demonstra que há outro critério por trás, não vindo a público. Nem é questão de gosto pessoal o que influencia uma Série emplacar novas temporadas. Ou até o é, mas ai talvez porque o “dono da caixa” seja fã dessas outras, levando-o a cortar as verbas para as prováveis “concorrentes”. Ou mesmo por conta de uma guerra por audiência entre os principais canais dos Estados Unidos. Enfim, misterioso ou não… fica aqui esse quase manifesto pela CONTINUAÇÃO da Série SMASH! Isto posto, vamos ao porque eu amei essa série!

Smash” aglutina itens que a qualifica em cada episódio, como: Drama, Comédia, Suspense, além é claro Musical. Este item por sinal, contém uma Trilha Sonora vibrante e emocionante. Um Roteiro impecável mostrando os bastidores nas montagens de Peças Teatrais de cunho Musical. As dificuldades dentro e fora dos teatros. Os dramas pessoais dos envolvidos. As puxadas de tapetes. As alegrias pelas conquistas diárias até a estreia… Tudo em histórias que nos levam do riso às lágrimas. Onde as emoções de fato variam em cada episódio. Todo o Elenco em uníssono! Há química entre eles. Onde cada um deles transpira todo o perfil do próprio personagem com tanta naturalidade que até parecem reais. Que estão por ali caminhando pela Broadway.

smash_angelica-huston_debra-katharine-mcphee

Angelica Huston, Debra Messing e Katharine McPhee

Encabeçando esse Elenco maravilhoso temos uma das Grandes Divas do Cinema: Angelica Huston. Que esbanja talento com a sua Eilen. Atriz de presença marcante, mas que não se deixa eclipsar aos demais em cena com ela. Levando a todos a dividirem o estrelato com ela. Passando então para Debra Messing. A doce e estabanada Grace de “Will e Grace” que nessa dá lugar para a emocionalmente em conflitos pessoais e profissionais, mas também doce: Julia. Roteirista de Musicais, e com grandes sucessos na bagagem. Completando esse trio maravilhoso, há Katharine McPhee, vencedora de um dos American Idol. Ela empresta sua voz e talento para sua personagem Karen. Esta mesmo ao declinar de uma ascensão meteórica para até vivenciar as emoções de quase um início de carreira onde se sonha atingir o apogeu, parece ter mesmo seu destino traçado rumo ao topo.

Bem, há muito mais para se falar não apenas do elenco feminino, como também do masculino. Mas preferi focar nessas três porque nelas há a tônica em se fazer uma produção teatral. Em se tentar criar um grande Musical e levá-lo até Broadway. Partindo desse trimônio: cash + história + talentos.

A Broadway é a meca dos Grandes Musicais nos Estados Unidos, e que virou até roteiro turístico: o Musical “Cat” que o diga. Se Los Angeles atrai os sonhos das produções cinematográficas com sua Hollywood… A Big Aple tem na Broadway os sonhos dos que amam fazer teatro.

Ter e manter uma peça ali com toda certeza traz, mesmo que desconhecidos pelo público maior, histórias incríveis. Até com atos nada éticos, quando não criminosos. E é isso que “Smash” vinha mostrando em cada episódio até o último da 2ª Temporada, quando então foi cancelada. Contrato não renovado para outras temporadas. Deixando saudades em seu público cativo, e com um forte desejo de que esse show tem que continuar!

Please! Voltem com novas Temporadas de SMASH!

Panorama do Festival do Rio 2014

Festival-do-Rio-2014_logoProvavelmente, a mais fraca das edições do Festival do Rio. Filmes pouco impactantes, ausência de convidados e o cinema Odeon fechado são alguns dos motivos para o evento esfriar ainda mais. A falta de criatividade da organização geral revela-se evidente até na vinheta preguiçosa. O Cinépolis Lagoon é muito bonito, mas de acesso não tão fácil. O deslocamento das premières para a Lagoa criou uma desagradável segregação entre o público comum, o elenco e a produção por conta do tamanho das salas, acostumados a se misturarem quando as pré-estreias aconteciam no antológico cinema no centro da cidade.

panorama_festival-do-rio-2014Outono” é um belo curta-metragem sem diálogos de Anna Azevedo envolto num clima onírico, onde um casal recorda os melhores momentos isolados numa praia. De inegável beleza plástica, lembra o episódio final de Derek Jarman para o filme “Aria” de 1987 sobre as reminiscências de uma mulher no fim da vida.

Ausência” de Chico Teixeira infelizmente demora muito tempo de projeção para revelar-se um grande e sensível filme. O drama, tristíssimo, gira em torno da figura de um adolescente que é primeiro abandonado pelo pai e aos poucos por todos que se afeiçoa que parecem traí-lo deliberadamente. Sua principal qualidade é ser centrado e não misturar os sentimentos que conflitam entre os primeiros desejos sexuais e a profunda carência paterna. Determinação mais difícil para o professor Ney que sofre para não se desvirtuar diante da confusão causada pelo amor transferido do menino, numa composição notável pelo ator Irandhir Santos. Também merecem aplausos o trabalho da atriz Gilda Nomacce como a mãe alcoólatra e do garoto protagonista Matheus Fagundes.

Max Uber” revela o curioso processo de criação do artista plástico Andre Amparo, envolvendo todas as dificuldades, limites e preconceitos que o profissional da arte enfrenta para conseguir ter o trabalho reconhecido, concluindo que o ritual criativo não pode nem deve ser podado, especialmente por questões lucrativas.

Favela Gay” de Rodrigo Felha pouco ou nada acrescenta ao rico universo homossexual nas áreas carentes. Salvo raros momentos, como o da divertida persona “Pandora”, os entrevistados não conseguem aprofundar seus anseios, alegrias e aflições tornando o documentário raso como um pires. Definitivamente, o diretor Eduardo Coutinho faz muita falta neste segmento.

Por: Carlos Henry.

Panorama do Festival do Rio 2013 – Parte I

festival-do-rio-2013_os-documentarios– OS DOCUMENTÁRIOS:

BLACKFISH – FÚRIA ANIMAL (BLACKFISH.) é um documentário esclarecedor e reflexivo de Gabriela Cowpertwaite contando a chocante estória das baleias orcas criadas no famoso parque temático Seaworld em Orlando. A velada crueldade do cativeiro explode em terríveis ataques a seres humanos culminando na noticiada morte de uma treinadora do show.

INVADINDO BERGMAN (Trespassing Bergman) de Jane Magusson e Hyne Pallas. Para os fãs do cultuado e atormentado diretor Ingmar Bergman, somente. Trata-se de uma visita de cineastas famosos a sua protegida residência na inóspita Ilha Faró no mar Báltico. Recheado de cenas de seus filmes e depoimentos curiosos, infelizmente o documentário pouco revela de seus mistérios e segredos.

EU SOU DIVINE (I am Divine) de Jeffrey Schwarz desvenda a estrela preferida de John Waters como nunca vista antes. O gordinho Harris Glenn Mistead de Baltimore sempre se sentiu diferente, mas nunca poderia imaginar alcançar uma carreira meteórica transformada numa drag abusada e muito famosa. O documentário é perfeito simplesmente porque não é superficial. Supre a curiosidade dos fãs revelando detalhes muito além da conhecida, escatológica e antológica cena das fezes caninas de “Pink Flamingos”. Divine fazia shows, cantava e começou a ser reconhecida por trabalhos mais sérios como “Hairspray” quando teve sua breve vida interrompida. Talento genuíno.

CORREDOR DA MORTE – 2 Retratos (On Death Row – 2 Portraits) conta com a direção e a voz gutural do renomado cineasta Werner (Nosferatu) Herzog para apropriadamente contar estórias macabras de dois condenados à morte nos Estados Unidos. Os dois casos impressionam e muito. O primeiro episódio fala sobre Blaine Milan acusado de matar a marteladas a filha de 13 meses num suposto ritual de exorcismo. A ignorância dos entrevistados revela o grau de estupidez que culminou na tragédia. Uma das mulheres afirma que tudo que viu no filme “O Exorcista” aconteceu de verdade. Já Robert Fratta, um fisiculturista atinge o ápice do narcisismo quando decide matar a esposa revelando uma frieza assustadora. Seu discurso baseia-se em dogmas nazistas e teorias de racismo incontestável segundo sua concepção doentia. Apesar de sua arrogância, é possível notar o medo infinito que o envolve com a proximidade da execução. Absolutamente aterrador.

A BATALHA DE AMFAR (The Battle of Amfar) é um documentário conciso, mas esclarecedor e muito bem realizado sobre os últimos avanços nas pesquisas para vencer o vírus HIV.  A fundação AMFAR foi criada em 1985 no auge da epidemia, tendo à frente a cientista Dra. Mathilde Krim e o ícone do cinema Elizabeth Taylor que muito contribuiu para a luta contra a doença. Após a morte da estrela, outros artistas abraçaram a causa como Goldie Hawn que deu o ar de sua graça no Espaço Rio em Botafogo. Muito apressada, Goldie mal respondeu a uma pergunta no pequeno debate, não falou com os fãs nem com os repórteres e ficou um bom tempo no banheiro. Será que teve um mal súbito?

FOGO NAS VEIAS (Fire in the Blood) também trata do tema da Aids concentrando-se na má distribuição dos milagrosos remédios ao redor do mundo. Dylan Mohan Gray preferiu um tom didático ao seu documentário o que o tornou um pouco modorrento, embora importante.

OS FILHOS DE HITLER (Hitler’s Children) de Chanoc Ze’evi mostra como vivem os descendentes dos poderosos nazistas ligados à figura do líder. A convivência com a sociedade é difícil por conta do estigma que carregam com seus nomes. Uma cena emocionante é quando um deles submete-se às perguntas de filhos de suas vítimas em plena Auschwitz, o célebre campo de concentração onde morreram muitos judeus na guerra. Sentimentos de perdão e condenação se misturam ao evento.

CIDADE DE DEUS – 10 ANOS DEPOIS de Cavi Borges mostra o destino dos participantes do premiado filme de Fernando Meirelles desenhando um autêntico panorama do país cheio de desigualdades e mazelas. A conclusão é que, apesar do filme ter sido reconhecido mundialmente, poucos dos que debutaram na fama conseguiram manter o ritmo do sucesso meteórico da época do lançamento do filme como Seu Jorge, Alice Braga e Thiago Martins. A maioria sucumbe ao triste esquecimento na sombra de uma obra premiadíssima que rende muito dinheiro até hoje.cidade-de-deus-10-anos-depois