Selvagens (Savages. 2012)

Tempos atrás, uma famosa crítica americana declarou estar aliviada no momento de sua aposentadoria por nunca mais ser obrigada a ver um filme de Oliver Stone. Ela tinha razão, pois embora o diretor tenha inegável talento, seus filmes costumam ser longos e chatos. Até mesmo seus melhores trabalhos como “Assassinos por natureza” são difíceis de ser suportados por mais de uma vez de exibição.

O filme se passa na ensolarada Califórnia, onde Ophelia (Blake Lively) divide a cama e os frutos de uma rentável plantação de maconha “da boa” com uma dupla de rapazes musculosos: Ben (Aaron Johnson) e seu melhor amigo Chon (Taylor Kitsch). O lucro fabuloso dos jovens traficantes chama a atenção de uma milícia criminosa comandada por uma mexicana durona.

Conforme esperado, no caso de “Savages” as imagens são bem enquadradas, a fotografia primorosa, o som espetacular, tudo certinho como manda o figurino. Até o trio de atores amantes ligados ao comércio de entorpecentes ilegais é tão perfeito e belo que chega a enjoar.

Como o filme não tem muito foco e vários núcleos, a dispersão é natural. Na segunda metade, a coisa toda se agrava irreversivelmente. Numa sarabanda pasteurizada de acontecimentos atropelados, o que não falta são cenas patéticas como a do jantar de Ophelia com seu algoz, a malvada rainha do pó ou a sequência final quando a maior parte do elenco se reúne no deserto para um confronto inexato com direito a duas versões do desfecho sangrento. Não consegue excitar nas mornas cenas de sexo onde a mulher aparece sempre com muita roupa, nem chocar apesar de pretender ser ultraviolento, ou seja, fica difícil acompanhar a trama sem dar uma olhadinha no relógio mesmo quando a pintura de Sir John Everett Millais (Já melhor utilizada como referência em outros filmes) surge na toca do bando de traficantes. Seria uma homenagem inacreditável do grupo de criminosos para receber a bela refém Ophelia?

A alardeada e pequena participação do ótimo John Travolta como um agente federal corrupto também não merece grande destaque. A boa interpretação do astro não consegue salvar este desastre que no fundo é mera apologia às drogas feita por alguém notoriamente adepto a elas, em todos os sentidos.

Anúncios

Traffic: Ninguém Sai Limpo (2000)

traffic_movie

Por: Giovanni Cobretti C.O.B.R.A.
Filmaço. Em forma de documentário, lembra-me muito o falecido Nélson Rodrigues e sua coluna: a vida como ela é. O diretor tentou de todas as maneiras dividir o tempo de aparecimento e das falas de cada personagem. Cronometricamente ajustados. Para não existir um ator principal. Falhou. Benício Del Toro, como Javier Rodrigues & Rodriguez (provavelmente a sua mãe era prima do seu pai, como em Goiás Velho…) está sobrando!

Estamos em Tijuana, fronteira mexicana. Filtro ostensivamente amarelado e desértico na câmera. Efeito estupendo na platéia. A palavra “tingado” é repetida inúmeras vezes. Show. Como “prego” em italiano, “porra” em português e “fuck” em inglês. Ela é de multi-uso. Podendo designar desde uma vida toda lascada, até uma grande transa com a mulher desejada… Mas devido as condições fuderosas que se apresentam, tingado é tingado mesmo!

Corta para um juiz da Suprema Corte de Ohio, tá tudo azul! Deparamos com o não menos “mala” Michael Douglas, que já foi de tudo um pouco no cinema. Desde presidente da república até policial detonado que fatura a loiraça belzebu, Sharon. Neste ambiente pasteurizado e desnatado, seu destino é traçado. Mal sabe ele que quem vai traça-lo é sua menina. Literalmente. Ela o implode. Como dirigir o DEA se sua filha tá largada?

Ledo engano achar que somente a pobreza fuma crack. Mais ainda pensar que só os desajustados são chegados no cortado. Muita gente boa fuma, cheira, bebe e aplica. Mesmo tirando notas altas e sendo o destaque no colégio. Se explica? Algo como… Se eu não tenho mais nada pra fazer, porque não … besteira? Se ninguém presta atenção em mim, que tal eu sair deste mundo palha e viajar?

A esposa dedicada e amorosa, Catherine Zeta-Jones é gata aos 6 meses de gestação. Casada com um traficante-mor, não sabia disso. Surpreendente, mas real. De pequena felina transforma-se em leoa. Defende a cria e peita – insofismável – os chefões mal-vestidos do tráfico. Pede até a polícia para ajudá-la. E sutilmente não dá moral pro advogado melífluo que quer faturá-la e ficar com a herança do big-boss. Atirando pra todo lado consegue atingir o alvo. A grana escondida no quadro. Todas as suas cenas são claras e brilhosas, diferente do resto do filme, marcado pelo pastel-poeira e azul-hospitalar.

Dupla de excluídos, os dois policiais investigadores são um caso à parte. Amizade sincera e total entrosamento. Seus diálogos são a lá “Pulp Fiction”. Seus sonhos são simples e diretos como eles. Pegar os “big-fish”. Melhor que isso só churros na porta de supermercado.

Todos temos perdas e ganhos. Steven Soderbergh mostra habilmente uma lista, em que se ganha e perde; respectivamente:
– Juiz Robert Lewis= um cargo respeitável X uma filha querida
– Javier Rodrigues= destaque na profissão X seu melhor amigo
– Helena Ayala= um novo cargo X a inocência
– O policial preto= certeza de que o que faz é o certo X best friend, again
– Traficante de Segunda classe= ninguém é amigo no tráfico X sua vida
– Carlos Ayala= a liberdade X a mulher dedicada, o respeito, o advogado bom, mas ladrão
– A filha do juiz= um pai presente X a dignidade

Não existe um fim explícito. É um contínuo. Adorei a crueza da coisa. Apesar de toda minha experiência, fiquei chocado com algumas cenas. Não tem jeito.

O que há de bom: a direção criativa e direta ( nem sempre essas duas qualidades se somam)
O que há de ruim: o governo claramente não pensa em reabilitar os adictos, só punir e prender, alguma sugestão poderia pintar
O que prestar atenção: alguns personagens se cruzam durante o transcorrer do história, e nessas cenas a fotografia não sabe se fica borrada, clara ou viva…
A cena do filme: a crueza da mocinha com o negrão, a piadinha da primeira vez do policial na praia ( única hora em que ri neste tempo todo )

Obs.: liçãozinha pros que acham que seus parceiros de rock são amigos de verdade: quando a coisa aperta, eles vão te deixar na chapada, babando no chão, na porta do pronto socorro. Verdade.

Cotação: filme excelente ( ***** )

Traffic: Ninguém Sai Limpo. 2000. EUA. Direção: Steven Soderbergh. Elenco: Steven Bauer (Carlos Ayala), Don Cheadle (Montel Gordon), Erika Christensen (Caroline Lewis), Benicio Del Toro (Javier Rodriguez), Michael Douglas (Juiz Robert Lewis), Miguel Ferrer (Eduardo Ruiz), Luis Guzmán (Ray Castro), Amy Irving (Barbara Lewis), Dennis Quaid (Arnie Metzger), Catherine Zeta-Jones (Helena Ayala), Salma Hayek, Albert Finney, James Brolin, Benjamin Bratt. Gênero: Crime, Drama, Suspense.. Duração: 147 minutos. Baseado na mini-série escrita por Simon Moore.

CHE – O Argentino

che-o-argentinoEm seu segundo trabalho realizado com o ator Benicio Del Toro, (O primeiro foi o ja bastante conhecido TRAFFIC, que inclusive rendeu o Oscar de diretor ao próprio e o de Ator coadjuvante para Benicio, além de outros 2 Oscars na categoria Edição e Roteiro Adaptado) o diretor Steven Soderbergh apresenta um filme que não necessariamente é uma biografia sobre a vida e morte de Ernesto Guevara mas tão somente o período que abrange desde a concepção do plano revolucionário que se iniciou no México… o médico que se torna “porta-voz” de uma revolução e um ícone que perdura até hoje… a chegada dos rebeldes a Cuba por mar em 1956, e uma grande seção é dedicada a três anos de combates nas selvas da Sierra Maestra, até o “xeque-mate”, que foi a vitória em Santa Clara, em 1959.

Concebido inicialmente como um épico de 4h28 de duração, dividido em 2 atos, o filme foi apresentado na mostra de Cannes como um filme único de cerca de 2h de duração. E assim ele chegou por aqui.

A abertura é enfadonha pois se estende por 3 longos minutos mostrando a bandeira da Ilha de Cuba e suas divisões e na sequência da espaço a uma montagem confusa que misturam o ano de 57 e 64. Interessante destacar que o diretor optou por realizar toda a sequência de 1964 em preto e branco. Nesse período é retratada a presença de Che nas Nações Unidas, em Nova Iorque, seu encontro com o então senador, McCarthy. Essa passagem dá um realismo interessante pois faz referencias as imagens que se tem registro de discursos de Guevara, também em preto e branco.

Passada essa confusão inicial de montagem brusca o filme se encontra e acerta no ritmo e não se estende mais do que deve nem se torna cansativo como pode-se até se esperar.

O filme não toma partido de HERÓIS ou VILÕES e nem esmiuça a sua vida pós CUBA, como suas visitas a outros países da América Latina (Onde sua grande pretensão era espalhar a revolução armada por toda ela.) e tão pouco sua ida a países africanos. Muito menos sua morte pós captura. O filme é enxuto e não soa pretensioso justamente por não se alongar em questões foras do contexto da historia por ele narrada.

Verborragias e discursos prolixos sobre o tema a parte, é um filme que consegue falar num ícone bem conhecido de nós, latinos, sem o seu endeusamento e por isso mesmo acho válido. O filme não se prende nem em detalhes menores como Aelida (Catalina Sandino Morena), um mensageiro que acabaria por se tornar a mulher de Guevara e que no filme faz uma breve – apesar de importante – aparição.

Para concluir… parafraseando o próprio:

“PÁTRIA OU MORTE!”

Hehehe

NOTA 7.0

Esqueci de frisar algo que achei muito interessante porque dá um toque de veracidade a mais ao filme. Ele é todo falado em castelhano ao invés do sempre clichê inglês.

Por: Korben Dallas.

Che – O Argentino (The Argentine). 2008. Espanha. Direção: Steven Soderbergh. Elenco: Benicio Del Toro (Che Guevara), Demián Bichir (Fidel Castro), Catalina Sandino Moreno, Franka Potente, Rodrigo Santoro (Raul Castro), Benjamin Bratt (Ente). Gênero: Biografia, Drama, História, Guerra. Duração: 126 minutos. Baseado no livro ‘Reminiscências da Guerra Revolucionária Cubana’, de Che Guevara.

Coisas que Perdemos Pelo Caminho (Things We Lost in the Fire. 2007)

things-we-lost-in-the-fire

Não considere nenhuma prática como imutável. Mude e esteja pronto a mudar novamente. Não aceite verdade eterna. Experimente“.

Assisti o filme por uma indicação, e gostei! Uma lida apenas na sinopse, talvez não o assistiria logo. Mas com o aval de quem me indicou foi que despertou a minha curiosidade de cinéfila. Até porque a tal sinopse não contava quase nada. Ou porque ao ver um nome por lá, me fez ficar desmotivada. Enfim, valeu mesmo ter assistido “Coisas que Perdemos pelo Caminho“! Só não sei se conseguirei omitir spoilers. Assim, se ainda não viu o filme, fica aqui a sugestão: Assista! O filme é muito bom! Depois então volte para uma troca de impressões.

Começo falando do título. De imediato, eu pensei em coisas que perdemos por displicência, por relapso… mas que sabemos que de uma hora para outra vai aparecer novamente. Mas assistindo o filme, claro que a perda principal fora por assassinato. Foi, e sem chances de voltar. Agora, com o desenrolar da história ficamos sabendo que há também a perda por… por preconceito!? Não! O termo seria outro. Por talvez criar uma barreira a aquilo que vai mexer com a rotina certinha da família. Ou dela própria. Uma atitude mais reacionária.

Entrando no filme. Um casal feliz, com um casal de filhos, voltam das férias ao lar doce lar. Antes da vida seguir a rotina normal – trabalho, escola… -, eis que o paizão, Brian (David Duchovny), sai para comprar sorvete para os filhos, à noite, e é baleado. Não por um assaltante, mas sim por um homem que batia violentamente numa mulher. Brian foi intervir. Parando para ajudar, para fazer um bem, terminou perdendo a vida. Então, em vez do maridão, Audrey (Halle Berry) recebe a polícia com a trágica notícia.

halle-barry

Como citei no início, um nome não me motivava a assistir esse filme. O dessa atriz, Halle Berry. Até então, não gostava das suas interpretações. No que vi antes desse, “A Estranha Perfeita“, mais parecia uma cópia da Angelina Jolie. Para mim, faltava a ela uma performance visceral. Nesse ela está no caminho certo. Ela conseguiu passar dor, revolta, medo, frustração, raiva, comiseração, tristeza, desejo, serenidade… E por ela mesmo, sem me levar a pensar em outra atriz. Mais um ponto que me fez gostar desse filme.

Durante o velório lembra que tem que avisar alguém. Então seu irmão, Neal (Omar Benson Miller), vai buscar a tal pessoa. Ele é Jerry (Benicio Del Toro). Alguém muito especial para o Brian. Eram grandes amigos. Mas por ser um viciado seus encontros eram longe do seu sacrossanto lar. Na primeira fase do filme, paralelo ao velório e ao enterro, se tem os momentos que antecederam a morte do Brian. Ele teve tempo de comemorar o aniversário do Jerry. É quando vemos o carinho e a cumplicidade entre os dois. Algo que Audrey não entende. Até põe a culpa em Jerry pelo sumiço de um dinheiro dentro do carro do casal.

Ao descobrir o dinheiro caído entre os bancos do carro, a título de diminuir a sua culpa, o leva para morar num quarto ao lado da garagem. Agora, com o desenrolar da história, ela irá lidar com outros fantasmas seus. E Jerry será o seu saco de pancada.

Para o pequeno Harper (Alexis Llewellyn), a chegada de Brian fora uma benção, pois veio suprir a perda repentina do pai. Já para Dory (Micah Berry), já adolescente, há um misto de rejeição, receio de se apegar e haver uma nova perda, mas há um bem querer.

Durante o velório, o vizinho e amigo de Brian, Howard (John Carroll Lynch), primeiro se espanta em saber que Jerry também era amigo de Brian, por nunca tê-lo visto, nem tinha conhecimento dele. E mais um pouco ao saber que era um viciado. Mas o jeitão do Jerry, somado ao fato de ter sido especial para Brian, joga fora seus pensamentos, nascendo ali uma amizade. Muito embora, ambos não sabiam. Jerry apesar do vício, era uma pessoa cativante.

benicio-del-toro1Pausa para falar do Benicio Del Toro. Ele dá um um show de interpretação. E mais! Faz uma bela dobradinha com a Halle Berry. Não tira o brilho nem dela, nem dos demais com que contracena. Dá ao seu personagem um jeito meninão, mais de um modo que seduz a todos.

Enquanto com a morte de Brian, Jerry tenta se livrar das drogas, Audrey põe para fora todos os sentimentos. E através de falas que põe o dedo na ferida. Algumas me levavam a exclamar um ‘PQP! Por que isso agora, mulher!?‘ Noutras ficava num simples ‘Putz!‘. É! Por essas falas ela descarregava nele toda a sua revolta por ter perdido o seu grande amor. Por ser ele um inútil, viciado em drogas. Por descobrir que ele sabia tanto de tudo o que tinha acontecido com a sua família, de coisas que nem ela sabia. Por ele estar tomando o espaço do pai para seus filhos. Por ele estar vivenciando momentos que seriam do Brian. Enfim, a raiva maior dela foi ter descoberto que perdeu momentos por ter sido tão reacionária.

Antes do desfecho final se o Jerry não fosse tão especial teriam os dois arruinados suas vidas. No caso dele, teria sido a ruína de vez. A cada frase dura, proferida a Jerry, a enfraquecia mais. Audrey, ora o jogava num inferno, ora o tirava de lá. Uma fera ferida. Num momento de lucidez Jerry viu que precisava fazer algo por aquela família, mas que não conseguiria sozinho.

E no final… Bem, eles souberam que enterraram mais que o Brian. Que na vida há perdas irreparáveis, como também que há aquelas que se faz necessário “perder” para então seguir em frente sem cargas inúteis. Há realmente coisas que se deve abandonar pelo caminho. Que há também aquelas que um dia voltam renovadas. Para eles dois, foram pelo bem querer que o Brian deixou a seus entes queridos.

É um filme que deixou uma vontade de revê-lo um dia. Mas não o chamaria de filmaço. Nem daria uma nota máxima. Dou um 9.

Por: Valeria Miguez (Lella).

Coisas que Perdemos Pelo Caminho (Things We Lost in the Fire). 2007.  Reino Unido. Direção: Susanne Bier. Elenco: Halle Berry, Benicio Del Toro, David Duchovny, Alexis Llewellyn, Micah Berry, Alison Lohman, John Carroll Lynch, Omar Benson Miller. Gênero: Drama. Duração: 118 minutos.