Um Panorama do Festival do Rio 2015 – parte I

festival-do-rio-2015Por: Carlos Henry.
cine-odeon_rio-de-janeiroO Festival do Rio foi mais discreto esse ano, decerto por conta da crise, sem grandes convidados internacionais e com uma programação morna e sem grandes destaques. Neste ínterim, a película vira artigo raro em extinção dando lugar ao indefectível DCP (Digital Cinema Package) que dependendo da sala de projeção pode ocasionar uma imagem pálida, sem vida e provavelmente pior do que a sua tela de TV. Curiosamente esse processo de transição ocorreu rapidamente e sem estardalhaço e, portanto foi o sistema padrão adotado nas exibições do Festival. As noites de gala continuaram sendo no Cinépolis Lagoon de difícil acesso na Lagoa. No entanto, os artistas e a produção prestigiaram os animados encontros de cinema no antológico cinema Odeon no centro.

As pré-estreias nacionais que escaparam da febre da comédia barata, grosseira e fácil que assola o mercado brasileiro chamaram a atenção e resolvi conferir.

boi-neon_2014BOI NEON de Gabriel Mascaro onde o ótimo Juliano Cazarré mostra o seu talento na pele de Iremar, um calejado e bruto ajudante de vaqueiro, num evento de arena onde aquele universo aparentemente simples oculta uma rede relativamente violenta que movimenta muito dinheiro. O filme introspectivo e de ritmo lento desvenda o cotidiano da Vaquejada desvendando sonhos aparentemente díspares como o de Iremar em ser estilista trabalhando nas horas vagas em sua pequena máquina de costura. Maeve (O Som ao Redor) Jinkings faz parte desta endurecida equipe de bastidores dividindo seu tempo entre o trabalho, suas performances à noite vestida como um cavalo numa roupa desenhada e manufaturada por Iremar (A cena filmada para uma plateia de vaqueiros reais dá o tom surreal à obra.), os cuidados com a filha curiosa e rebelde e os desejos sexuais naturais de mulher. Vinicius de Oliveira, a descoberta mirim de Central do Brasil tornou-se um ótimo profissional e faz uma participação notável no longa. O filme não teme a exposição dos corpos nus e a fisiologia humana que por vezes pode parecer chocante, quase pornográfica, o que exige coragem e ousadia dos atores. Afinal, masturbar um cavalo não é para qualquer um. Extraordinário, mas definitivamente nada popular.

jonas_2015JONAS de Lô Politi conta com o menino Jesuíta (Tatuagem) Barbosa que está cada vez melhor. Infelizmente sua atuação neste filme está um pouco exagerada na angústia e ansiedade. Um tom mais contido certamente daria um resultado melhor. O filme parte de ideia boa com interessante utilização de nomes próprios para narrar um evento de suspense acontecido no carnaval. A ação se desenvolve a partir de um sequestro que acontece por conta de um acidente provocado pela paixão de Jonas pela filha da patroa de sua mãe (Apesar do pequeno papel de empregada, Luciana Costa, como sempre, “Ó pai Ó” consegue dar muita graça ao seu personagem). A situação foge de controle e o rapaz decide esconder a moça no carro alegórico mais importante da Escola de Samba que os dois pertencem, uma imensa baleia azul. Uma evidente referência bíblica. Prende a atenção, mas com mais habilidade poderia vir a ser um clássico.

nise-o-coracao-da-loucura_2015NISE – O CORAÇÃO DA LOUCURA de Roberto Berliner é um bom filme ordinário fadado ao sucesso por conta de ser estrelado por uma super global, a atriz Glória Pires. Ela encarna uma personagem real, a doutora Nise da Silveira que se recusa a adotar os tratamentos tradicionais do século passado na cura dos pacientes esquizofrênicos que ela prefere chamar de clientes. Ao invés dais radicais lobotomias e eletro-choques, Nise incentiva os doentes a exorcizarem suas neuras através da arte, criando um estúdio improvisado dentro do Hospital decadente de Engenho de Dentro. Os trabalhos ficam tão bons que exposições são organizadas enquanto o grupo de ditos loucos começa a melhorar. No entanto, as inovações não são bem recebidas pela direção da instituição formada por homens. O filme prende a atenção com seu roteiro correto e linear, mas é contido e comportado como uma produção de TV. Destaques para os “loucos” Simone Mazzer e Flavio Bauraqui. Não ultrapassa a marca de regular.

O Festival do Rio selecionou uma série de filmes sobre a cidade do Rio de Janeiro em comemoração ao aniversário de 450 anos:

sao-sebastiao-do-rio-de-janeiro-a-formacao-de-uma-cidade_de-juliana-de-carvalhoSÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO, A FORMAÇÃO DE UMA CIDADE de Juliana de Carvalho é uma curiosa coleção de fatos e imagens raras que ajudam a desvendar o crescimento de uma cidade, passando pelas mudanças arquitetônicas dos primórdios de sua fundação até os dias de hoje.

o-rio-por-eles_2015O RIO POR ELES de Ernesto Rodrigues exibe a cidade vista sob o olhar estrangeiro nem sempre muito preciso. A imagem equivocada do Rio por vezes soa divertida, preconceituosa, racista ou falsa, sem deixar de ser um arquivo rico e precioso de uma época onde ainda havia muita elegância na Guanabara. Tragédias como o incêndio do circo em Niterói na década de 60 ou do Edifício Astoria também são relembradas por equipes de outros países.

cronica-da-destruicaoCRÔNICA DA DEMOLIÇÃO de Eduardo Ades tenta entender sem sucesso a destruição do Palácio Monroe, construído no início do século vinte para abrigar o pavilhão do Brasil na Exposição Universal em Saint Louis EUA. Em seguida foi desmontado e reconstruído no centro do Rio vindo a se tornar sede do Senado Federal. Aparentemente, a bela construção foi alvo de uma modernização descuidada na ditadura dos anos 70 comparada no documentário por uma “eugenia nazista” que via no prédio antiquado um entrave ao curso natural do desenvolvimento da cidade. O filme é fraco no sentido de ser mal montado, mas exibe interessantes imagens da demolição em si. Hoje no lugar restam um chafariz seco e um lucrativo estacionamento.

 

Alguns filmes de curta-metragem são até melhores que a atração principal:

projeto-beirutePROJETO BEIRUTE de Anna Azevedo passeia pelo animado Saara, o grande bazar do Rio. A colorida mistura de culturas e línguas é coroada com uma belíssima dança do ventre em grupo no meio da rua num desfecho impressionante de ver e ouvir.

cumieira_de-diego-benevidesCUMIEIRA de Diego Benevides apresenta o trabalho duro dos operários numa grande obra até o merecido descanso no terraço da construção.

pele-de-passaro_de-carla-peltierPELE DE PÁSSARO de Clara Peltier persegue Tuane Rocha, uma exuberante destaque no carnaval que revela um cotidiano para lá de corriqueiro. Por trás dos adereços e maquiagem exagerada, tudo o que ela precisa é cuidar da filha.

solte-os-bichos-de-uma-vez_de-marcelo-goulartSOLTE OS BICHOS DE UMA VEZ de Marcelo Goulart também agarra o tema da festa de Momo. Os tradicionais e às vezes assustadores grupos de bate-bolas, cujas fantasias foram trazidas pelos portugueses na época colonial, faz parte do imaginário suburbano do carnaval carioca.

[Continua aqui.]

Anúncios

Curta: Ilha das Flores (1989)

ilha-das-flores_curtaPor: Joma Bastos.
Este filme, Ilha das Flores, embora seja de 1989, continua atual e simboliza as mais variadas situações de profunda Desigualdade Social existentes na nossa Sociedade.

Os políticos só vão ter credibilidade quando sobrepuserem os valores da População aos dos seus partidos, e procurarem as melhores soluções para atender à Sociedade, sem olharem a diferenças econômicas, sociais e sem fazerem distinção entre as Pessoas.

São cerca de 60 milhões de brasileiros muito pobres, que vivem na miséria ou perto dela, quase que excluídos da sociedade, e acontece que pouco fazemos para os inserir econômica e socialmente entre todos nós.

Esperemos que haja um desenlace, um término para o grave problema da miséria e da pobreza no Brasil, e não podemos dar oportunidade para a existência de políticos picaretas, que têm como finalidade o enriquecimento ilícito e a destruição do potencial econômico e social desta Nação.

Por um Brasil com maior Igualdade Econômica e Social!

Ilha das Flores (1989). Brasil. Direção e Roteiro: Jorge Furtado. Elenco: Paulo José (Narração), Ciça Reckziegel (Dona Anete), Douglas Trainini (o marido), Júlia Barth (a filha), Igor Costa (o filho), Irene Schmidt (a compradora), Gozei Kitajima (Sr. Suzuki 1), Takehiro Suzuki (Sr. Suzuki 2), Luciane Azevedo (Ana Luiza Nunes), Antônio da Silva (o dono do porco), Marcos Crespo (o empregado). Gênero: Curta. Duração: 13 minutos.

Sinopse: Um tomate é plantado, colhido, transportado e vendido num supermercado, mas apodrece e acaba no lixo. Acaba? Não. ILHA DAS FLORES segue-o até seu verdadeiro final, entre animais, lixo, mulheres e crianças. E então fica clara a diferença que existe entre tomates, porcos e seres humanos.

Panorama do Festival do Rio 2014

Festival-do-Rio-2014_logoProvavelmente, a mais fraca das edições do Festival do Rio. Filmes pouco impactantes, ausência de convidados e o cinema Odeon fechado são alguns dos motivos para o evento esfriar ainda mais. A falta de criatividade da organização geral revela-se evidente até na vinheta preguiçosa. O Cinépolis Lagoon é muito bonito, mas de acesso não tão fácil. O deslocamento das premières para a Lagoa criou uma desagradável segregação entre o público comum, o elenco e a produção por conta do tamanho das salas, acostumados a se misturarem quando as pré-estreias aconteciam no antológico cinema no centro da cidade.

panorama_festival-do-rio-2014Outono” é um belo curta-metragem sem diálogos de Anna Azevedo envolto num clima onírico, onde um casal recorda os melhores momentos isolados numa praia. De inegável beleza plástica, lembra o episódio final de Derek Jarman para o filme “Aria” de 1987 sobre as reminiscências de uma mulher no fim da vida.

Ausência” de Chico Teixeira infelizmente demora muito tempo de projeção para revelar-se um grande e sensível filme. O drama, tristíssimo, gira em torno da figura de um adolescente que é primeiro abandonado pelo pai e aos poucos por todos que se afeiçoa que parecem traí-lo deliberadamente. Sua principal qualidade é ser centrado e não misturar os sentimentos que conflitam entre os primeiros desejos sexuais e a profunda carência paterna. Determinação mais difícil para o professor Ney que sofre para não se desvirtuar diante da confusão causada pelo amor transferido do menino, numa composição notável pelo ator Irandhir Santos. Também merecem aplausos o trabalho da atriz Gilda Nomacce como a mãe alcoólatra e do garoto protagonista Matheus Fagundes.

Max Uber” revela o curioso processo de criação do artista plástico Andre Amparo, envolvendo todas as dificuldades, limites e preconceitos que o profissional da arte enfrenta para conseguir ter o trabalho reconhecido, concluindo que o ritual criativo não pode nem deve ser podado, especialmente por questões lucrativas.

Favela Gay” de Rodrigo Felha pouco ou nada acrescenta ao rico universo homossexual nas áreas carentes. Salvo raros momentos, como o da divertida persona “Pandora”, os entrevistados não conseguem aprofundar seus anseios, alegrias e aflições tornando o documentário raso como um pires. Definitivamente, o diretor Eduardo Coutinho faz muita falta neste segmento.

Por: Carlos Henry.

Curta: O Emprego (El Empleo. 2008)

el-empleo_curta_2008Por Mariana Rosell.

Como eu nunca tinha visto esse curta antes?! É incrível! Em sua simplicidade, em seu didatismo e em sua capacidade de comunicação.

O curta, El Emprego, retrata um dia de trabalho de um homem elucidando a coisificação e mostrando como no sistema capitalista, entre pessoas e objetos, nada há de diferente; tudo vai bem desde que todos cumpram com suas funções calados e passivos.

Nem tem muito o que dizer sobre ele, mas recomendo a assistência, sobretudo nesse primeiro de maio, dia DO TRABALHADOR E DA TRABALHADORA, e não do trabalho, como já discuti nesse texto do ano passado. É a reificação desenhada… Será que agora a galera entende?

El Empleo.2008.
Diretor: Santiago “Bou” Grasso
País: Argentina

Para assistir ao premiado curta:

Curta: Ilha Das Flores (1989)

Por Sara Lasi.

O ser humano se diferencia dos outros animais pelo telencéfalo altamente desenvolvido, pelo polegar opositor e por ser Livre. Livre é o estado daquele que tem liberdade. Liberdade é uma palavra que o sonho humano alimenta, não há ninguém que explique e ninguém que não entenda.”

Podem me chamar de idealista, romântica, sentimentalóide, tola, sonhadora, mas eu creio numa coisa: o Capitalismo rouba a Liberdade das pessoas. Liberdade no seu conceito mais puro e desejado, que traz intrínseco todas as causas e consequências que o estado nos expõe.

Então, aqui e agora, você terá a ‘liberdade’ de achar que estou falando besteira, mas mesmo que discorde de mim, ou até concorde (é mesmo?!), assista este curta e deixe-se conduzir pela lógica simples, que tão inteligente e ironicamente ele expõe, sobre o funcionamento da sociedade de consumo, que em muitos momentos chega a ser tão podre quanto o lixo que produz.

Ainda dentro do tema trouxe algo sobre a teoria da indústria cultural, para reflexão e apreciação de quem gostou desse Curta:

Os meios de comunicação de massa (veículos da indústria cultural) nos prometem, através da publicidade e da propaganda, colocar a felicidade imediatamente em nossas mãos, por meio da compra de alguma mercadoria: seja ela um CD, um calçado, uma roupa, um comportamento, um carro, uma bebida, um estilo etc. A mídia nos promete e nos oferece essa felicidade em instantes. O público, infantilizado, procura avidamente satisfazer seus desejos. Uma vez que nos tornamos passivos, acríticos, deixamos de distinguir a ficção da realidade, nos infantilizamos e, por isso, nos julgamos incapazes, incompetentes para decidirmos sobre nossas próprias vidas etc. Uma vez que não nos julgamos preparados para pensar, e desejamos ouvir dos especialistas da mídia o que devemos fazer, sentimo-nos intimidados e aceitamos todos os produtos (em formas de publicidade e propaganda) que a mídia nos impõe.” (http://www.urutagua.uem.br//005/14soc_barbosa.htm)

Ilha das Flores“, criado há mais de 20 anos, mas extremamente atual. Não deixem de assistir, é muito, muito bom!!

ILHA DAS FLORES – curta metragem
Brasil – 1989 – Direção: Jorge Furtado – Elenco: Paulo José (narração) e Ciça Reckziegel (D. Anete).

Curta: Os Fantásticos Livros Voadores do Sr. Morris Lessmore (2011)

A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde.” (André Maurois)

Um jovem na varanda de um hotel, imerso na leitura de um livro, em meio a muitos livros. Solitário? Talvez prefira a companhia dos livros. Talvez tenha um melhor diálogo com eles. Tranquilo, segue a leitura até ser pego de surpresa por um furacão.

Quando a tempestade passa, ele caminha entre os escombros. O hotel se foi, e com ele seu quarto moradia. Seus livros também se foram. Assim, sem suas raízes que o prendiam a esse local, sai caminhando sem um rumo certo.

Mas parecia que o destino já traçara uma rota para ele. Teria uma nova moradia, e na companhia de livros. Algo que ele gostava muito. Era uma Biblioteca. Mas não uma comum. Ela possuía livros especiais. Pareciam que tinham vida própria. Faltava a ela alguém que amasse muito os livros a ponto de dedicar-se com carinho a zelar por eles.

Dupla delícia – O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.” (Mário Quintana)

Ele se sentiu realmente em casa. E amou esse novo ofício: em ser um Bibliotecário. Como ajudante mor: o Humpty Dumpty em pessoa. Ops! Quero dizer: Humpty Dumpty em livro. Que amava tocar um piano. Assim, entre leituras e uma boa música, com pausa para ajudar as pessoas a escolherem uma leitura que lhes agradassem mais, a vida seguiu tranquila. Do jeitinho que mais gostava.

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore” (2011) foi o vencedor do Oscar 2012 de Curta-Metragem de Animação. Como é mudo, ou seja, não há falas, e como também são raros atualmente em serem exibidos nas Salas de Cinema, eu o trouxe para cá. É uma história simples, mas feita com muito esmero. Não há surpresas. Mas há homenagens mesclando três vertentes que também convergem para a formação de um Filme: Cinema, Música e Livro. A saber: Autores, Personagens, Histórias, Sons… Há de agradar com certeza o público infantil. Mas também aos demais que amam os livros. Que adorariam ter, ver, uma Biblioteca Pública perto de casa.

Eu gostei! Vejam se também irão gostar:

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore (2011). EUA. Ilustrador: William Joyce. Realização: William Joyce e Brandon Oldenburg. Gênero: Animação, Aventura, Curta-Metragem, Drama, Famíla. Duração: 15 minutos.