Mulher Nota 1000 (Weird Science. 1985)

mulher-nota-mil_1985Por Francisco Bandeira.
John Hughes e seus estereótipos, a desconstrução dos mesmos e o uso disso para dar sacadas brilhantes ao roteiro quase sempre cheio de furos. E talvez sejam suas imperfeições que tornem seus filmes tão divertidos, sinceros, nostálgicos e adoráveis.

Ilan Mitchell-Smith, Robert Downey Jr. e Anthony Michael Hall

Ilan Mitchell-Smith, Robert Downey Jr. e Anthony Michael Hall

O cineasta aqui cria quase que uma espécie de Frankestein versão femme fatale, para mostrar que não importa qual rótulo a sociedade lhe dá, se você é popular ou nerd, todos nós temos a nossa MULHER IDEAL.

Mulher Nota 1000” está longe de ser um dos melhores dessa safra, mas é inegavelmente um dos mais divertidos da década de 80 e um dos trabalhos mais simples de John Hughes, onde o mesmo mostra um entendimento único daquela geração.

Mulher Nota 1000 (Weird Science. 1985). Ficha Técnica: pagina no IMDb.

Curiosidade: Trilha Sonora do grupo Oingo Boingo.

Anúncios

Gatinhas & Gatões (Sixteen Candles, 1984)

gatinhas-e-gatoes-1984Por Francisco Bandeira.
John Hughes começaria aqui seu estilo único que marcou sua carreira, mesclando com perfeição comédia e romance, transformando os problemas adolescentes em comédias bobas e divertidas, como somente ele sabia fazer.

Molly Ringwald e Anthony Michael Hall

Molly Ringwald e Anthony Michael Hall

Gatinhas & Gatões é sim um filme repleto de clichês, mas que nunca deixa de prender a atenção do público, e que é capaz de causar um misto de sentimentos deliciosos, sejam eles lacrimosos ou sorridentes.

O filme tem a marca registrada de Hughes, da desconstrução dos estereótipos, onde os personagens do começo do filme vão mostrando quem realmente são e, ao final, são notórias suas mudanças. Mas não só deles, pois o público começa a ver melhor quem eles são de verdade. E talvez isso que torne Gatinhas & Gatões tão especial, pois é impossível não torcer por um final feliz para cada personagem de seu filme. Lindo, inocente, divertido e bobo, como todo bom filme desse cineasta que entendia os jovens dessa geração como poucos.

Gatinhas & Gatões (Sixteen Candles. 1984). Ficha Técnica: página no IMDb.

O Clube dos Cinco (The Breakfast Club. 1985)

clube-dos-cinco_1985Por Francisco Bandeira.
Um clássico absoluto sobre o tema, escrito e dirigido pelo mestre John Hughes, O Clube dos Cinco vai muito além de um típico filme sobre adolescentes em crise, explorando os estereótipos que nos são dados por toda vida, mostrando que somos muito mais que aquilo. Somos apresentados a cinco personagens: o rebelde, sem futuro (Judd Nelson); o nerd, filhinho da mamãe (Anthony Michael Hall); a patricinha mimada e puritana (Molly Ringwald); a louca sem salvação (Ally Sheedy); o atleta burro ou brutamontes (Emilio Estevez). Ainda há um professor (Paul Gleason) linha dura que parece querer infernizar a vida dos cinco alunos que ficaram de castigo. Porém, nesta fita, o cineasta faz uma bela desconstrução de todos esses rótulos, encorajando os personagens a mostrarem quem realmente eles são.

clube-dos-cinco_01Talvez o aprendizado de uma longa conversa, onde o objetivo não é só conhecer ao próximo, mas sim olhar para dentro de si mesmo e ver o que existe de verdade lá. Esse sim é VOCÊ, e nunca, jamais deixem que te façam pensar o contrário! Você pode ser o que quiser, não o que os outros querem que seja. E nada demonstra melhor isso do que o soco no ar de John Bender ao som de Don’t You (Forget About Me), do Simples Minds, enquanto sobem os créditos finais, simbolizando a liberdade enfim encontrada por todos eles.

Clube dos Cinco (The Breakfast Club. 1985). Detalhes Técnicos: página no IMDb.

Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller’s Day Off. 1986)

ferris-buellers-day-off_1986Por Francisco Bandeira.
Ferris Bueler (Matthew Broderick) virou um ícone dos filmes adolescentes por inúmeros motivos: carisma, estilo, por nos tornar seus confidentes, por ser descolado, por namorar uma garota linda, por passar por cima das regras da escola, dos diretores malvados, por irritar sua irmã chata (Jennifer Grey), por conseguir curtir a vida ao lado das pessoas nas quais ele considera especiais, por fazer tudo isso e ainda conseguir despertar o lado mais doce dos seus pais e, não menos importante, por mostrar o verdadeiro significado de LIBERDADE.

Esse sentimento fica estampado a cada singela cena do filme ‘Curtindo a Vida Adoidado‘. Na cantoria do banho, em fingir uma gripe para receber o carinho dos pais, em suas armações para cima do Sr. Rooney (Jeffrey Jones, impagável), seja por querer que seu amigo (Alan Ruck) deixe aquela zona de medo dos seus pais, seja por querer tornar seu dia ao lado da namorada especial, por contagiar a todos com sua vibração e aproveitar tudo ao máximo enquanto há tempo. E a cena do desfile, ao som de Beatles, só reitera esse sentimento.

Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller’s Day Off. 1986). Detalhes Técnicos: na página do IMDb.

Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller’s Day Off. 1986)

ferris-buellers-day-off_1986Fazer a Vida valer a pena!

São tantas as exigências em cima do indivíduo que o tempo entre estudar e trabalhar é basicamente a maior parte da vida. Onde ficam as diversões, em que tempo? Ferris, o maravilhoso Bueller (Matthew Broderick), decide perder um dia de aula e ganhar muita diversão e experiência de vida. Quem já não quis e já matou aula para viver aventuras diversas que atire a primeira pedra!

Não vive sozinho, então, com ele, participam seu melhor amigo (Alan Ruck) e sua namorada (Mia Sara). Não há personagem favorito mesmo com o populismo inegável de Ferris, todos são maravilhosos! Na entrada de férias escolares, nada melhor do que rememorar esse filme, e pra não fugir à regra, é possível que a Rede Globo também tenha esse mesmo pensamento para Sessão da Tarde. Um dos raros pensamentos legais da Rede Globo… diga-se de passagem.

O filme é legal por completo! Qual melhor cena?

ferris-buellers-day-off_1986_01A cena em que o Cameron finge ser o pai da Sloane e descasca o Rooney? a cena em que Bueller liga na escola e diz que precisa transplantar o rim, daí começa a fazer uns barulhos de tuberculoso no teclado? a cena em que Ferris toma banho criticando todos os “ismos” possíveis porque “os ismos não são bons”? Ver uma Ferrari em queda livre daquela altura realmente não tem preço. A cara de perplexo do Cameron é melhor ainda… O professor fazendo a chamada: “Bueller Bueller Bueller….”  e uma aluna babando em cima da mesa? Como dizer qual a melhor? A da parada ou a do Rooney entrando no ônibus escolar totalmente muquiado pelo cachorro do Ferris? rs Ah! Eu também gostaria de andar numa ferrari ao som da música de Star Wars… rs

Esse filme pode reprisar 700 mil vezes, estando em casa, assisto novamente com certeza! Adoro!

Aqui não estou incentivando ninguém a matar aula, embora pense que qualquer adolescente precise dessa experiência com os amigos, paquerinhas, mas incentivo a verem esse filme por ter mensagens legais nele:

1. a união dos irmãos no final: Ferris e sua irmã;
2. a amizade: Ferris e Cameron (impagável!!!)
3. a relação com a matéria versus valores que não tem preço…

e o principal, a mensagem de que todos nós devemos viver nossas vidas à exaustão, até o último segundo, fazendo dela algo que realmente valha a pena de ser relembrado, rememorado, revisto 700 vezes possíveis com um largo sorriso na boca tentando escolher, em vão, a melhor cena.

Por: Vampira Olímpia.

Curtindo a Vida Adoidado – Ferris Bueller’s Day Off

Direção: John Hughes

Gênero: Comédia

EUA – 1986