Beleza Americana (American Beauty. 1999)

american beauty 2American beauty é um tipo de rosa muito cultivada nos Estados Unidos, com uma peculiaridade: ela não possui espinhos nem cheiro, uma metáfora sobre o vazio do americano comum.

O vazio tratado com humor negro e maturidade.

Acordar todos os dias cedo, tomar café com a família, dar um beijo de despedida na esposa, fingir ser pai com a filha na adolescência, ir pro emprego enfadonho que você odeia, voltar pra casa, encarar um jantar cheio de papos falsos e dormir.

american beauty9

A rotina acaba com as pessoas.

A corrosão começa quando menos se espera, e é por meio de detalhes minúsculos que ela aparece. Tudo conduz a alma ao desespero, você não se sente realizado e se arrepende de tudo o que podia ter feito e não fez. E ali está você, perdido no meio da sua rotina, prestes a explodir.

Lester Burham (Kevin Spacey perfeito) sente o peso disso. Em casa vive trocando farpas com a esposa Carolyn (Annette Bening perfeita), que vive mau por não ter o sucesso que planejava, a filha adolescente e com crise existencial Jane (Thora Birch perfeita) que não aguenta mais a infelicidade que se tornou viver ali.

É uma família tradicional americana. Só que se deixaram cair na mais completa monotonia por conta de tudo o que fazem. Com Jane tentando alguma coisa, os pais se sentem obrigados a ver o progresso da filha na escola, se apresentando com aquelas dançarinas gostosinhas do time da escola, e é lá que as coisas passam a tomar outro rumo. Lá Lester conhece a “fogosa” Angela (Mena Suvari muito diferente do que mostrou em American Pie), que logo desperta algum desejo nele. Enquanto o navio que é aquela casa afunda, Lester decide voltar a viver.

Assim que é demitido, Lester encontra o momento perfeito e deixa de ser o típico homem que vive pra família e começa a viver pra ele mesmo.

american beauty 7Sentindo o peso de ser a única com “responsabilidades” em casa, Carolyn se entrega ao trabalho, com direito a pulada de cerca com seu maior inimigo no ramo imobiliário, e Jane se encanta com o misterioso Ricky Fitts (Wes Bentley), um jovem traficante que vive filmando tudo o que vê por hobby. Recém chegado no bairro, mudou-se com sua aparentemente “comum” família: uma mãe sem sal nem sazon e um pai linha dura, ex militar interpretado por um Chris Cooper perfeito. No meio disso tudo, desenrola-se uma trama que envolve segredos, mentiras, preconceito e dismistifica o tal “american way of life”, mostrando que o sonho americano não passa de ilusão.

É com maestria que o diretor Sam Mendes mostra em seu primeiro trabalho todo o cuidado necessário pra encher uma trama densa de sentimento e tensão. Os diálogos são afinadíssimos, as cenas de troca de farpas são deliciosas e ajudados pelo roteiro incrível o elenco arrebenta em cada cena.

AmericanBeauty 6 Kevin Spacey que saiu vencedor do OSCAR por esse filme, demonstra uma capacidade de criar rostos para todos os sentimentos possíveis de seu personagem, tristeza, angústia, medo, solidão, pena, juventude, tudo num mesmo homem, uma das interpretações mais perfeitas do cinema. Cada ângulo, cada quadro, cada momento que ele aparece o filme se torna mais interessante e divertido. Spacey em cena, atuação beirando a perfeição.

Annette Bening também arrasa, sua personagem é forte e fraca ao mesmo tempo, coisa que fica mais evidente ao final do filme (me emociono na ultima vez que ela aparece em cena, abraçando as roupas do marido que acaba de morrer.). Ela odeia e ama o marido, ela odeia e ama trabalhar, ela faz tudo errado sabendo que podia fazer o certo, ela é ser humano e comete erros.

Thora Birch não podia ser melhor escolha para o papel de Jane, ela entrega uma veracidade perfeita ao personagem. Vinda de um histórico de filmes mais comerciais (Abracadabra, Perigo Real e Imediato) ela mostra muita tranqüilidade e segurança em seu personagem. Sem apelar para aqueles “caras e bocas” comum entre atores jovens, ela consegue convencer até quando não quer.

AmericanBeauty 5A loirinha Mena Suvari prova ser boa atriz, contrariando a sua personagem sem sal de American Pie, a bonitinha arrebenta. É mentirosa, sexy, e leva tudo com a barriga, típica adolescente americana popular. Mas o melhor fica pro final, quando ela tira a máscara de sedutora e veste a de uma inocente.

A mudança de humor e a capacidade incrível de nos enganar por duas horas comprova o grande talento da loirinha.

Quanto a Wes Bentley, um dos personagens mais incríveis do filme, fica sua melhor atuação da carreira. Ele é ácido, envolvente, misterioso e com aquela cara de babaca consegue enganar muito bem todos a sua volta. Seu personagem é complexo, mas ele passa uma segurança que é sentido pelo espectador.

E Chris Cooper, outra performance memorável, arrebenta na pele de um militar casca grossa que comanda todos os passos do filho e reprime todos em casa com seus preconceitos e mandamentos. A surpresa maior do filme sem dúvida é a dele no final.

american beauty 4 Sam Mendes aparece no seu melhor filme. O cara tira leite de pedra aqui.
Mostrando preparo e cuidado em cada quadro do filme, nota-se a influencia teatral em muitas cenas. As cenas no jantar, feitas da maneira mais tensa possível é uma das coisas que se pode destacar aqui.

O jantar falso funciona como termômetro da situação incomoda que a família vem passando.

Vindo do teatro, o jovem diretor inglês, inspirado em Kubrick e cheio de idéias criativas, capta as sutilezas do ótimo roteiro de Alan Ball (mente por trás de séries fantásticas como Six Feet Under) e consegue colocar na tela de uma forma acessível e sem precisar abusar de artimanhas desnecessárias para emocionar (erro cometido por diretores como Gabriele Muccino, de Sete Vidas, onde usa de emoção forçada para criar o clima de seus filmes.). Mendes consegue bolar situações que mesmo parecendo absurdas, são de uma interpretação singular. A cena do saco por exemplo, as “gags” involuntárias responsáveis pelo desfecho do filme ou até as cenas em que a família está jantando, querendo ou não fazem o espectador se sentir passando por tudo aquilo.

É complicado assistir esse filme sem sentir um incomodo consigo mesmo, e esse incomodo, atingido com perfeição pela forma como Mendes conduz seu filme, lhe valeu o merecido OSCAR.

Com uma trilha instigante e até certo ponto cômica de Thomas Newman, músicas que desenham as fases de humor de todos os personagens, sendo All right now do Free a mais “irônica” delas, o filme vai aos poucos afunilando as conseqüências dos atos de todos. A pulada de cerca da esposa, o vício em maconha do marido, a cachorra virando um anjo, o machão mostrando ser uma boneca e um casal estranho se formando, desenrola um final surpreendente e até inesperado para todos os personagens.

AmericanBeauty 3Bom humor apenas aparente: o casamento dela está a um fio.

A premiada fotografia é curiosa. Vermelha na hora de ser vermelha, lembrando as rosas “beleza americana”, e representando o vazio dos personagens. Elas estão presentes em grande parte do filme, e sempre com essa dualidade de significados. A beleza e o vazio. O filme é sobre isso.

Eu deveria ter ficado muito puto com o que me aconteceu, mas é dificil ficar nervoso quando se tem tanta beleza no mundo .” Lester Burhan.

Para mim, uma obra prima indiscutível. Nota: 10.

Olhem bem de perto.

Por: Rafael Lopes.

American Beauty. Direção: Sam Mendes.

Anúncios

Beleza Americana (American Beauty. 1999)

american-beauty_movieUm cara nascido em Portugal, naturalizado no Reino Unido dirige uma “fábula” sobre o classe media americana e o pior que ele passa uma imagem que compreende eles melhor do que eles próprios.

O filme exemplifica a indiferença e frieza social americana e o mundo das aparências onde o que importa é vender a imagem batida de “american way of life“.

Toda a sociedade apresentada na película tem seus distúrbios, manias e bizarrices, desde a pseudo dona de casa exemplar ao patriota com tendências nazistas. O único casal com uma vida saudável apresentado no filme é justamente um casal gay.

Tudo muito pouco convencional e por isso mesmo brilhante. E parafraseando as palavras de um velho conhecido do universo cinematográfico nacional… hehe…:

Será que os norte-americanos entenderam o filme?

Sinceramente eu tenho as minhas dúvidas hehe….

Por: Korben Dallas.

Beleza Americana (American Beauty). 1999. EUA. Direção: Sam Mendes. Elenco: Kevin Spacey (Lester Burham), Annette Bening (Carolyn Burham), Chris Cooper (Coronel Fitts), Thora Birch (Jane Burham), Wes Bentley (Ricky Fitts), Mena Suvari (Angela Hayes), Peter Gallagher (Buddy Kane). Gênero: Drama. Duração: 121 minutos.

Curiosidades:
– American beauty é um tipo de rosa muito cultivada nos Estados Unidos, com uma peculiaridade: ela não possui espinhos nem cheiro, uma metáfora sobre o vazio do americano comum.
–  Ganhou 5 Oscars: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator (Kevin Spacey), Melhor Roteiro Original, Melhor Fotografia.

Soldado Anônimo (Jarhead. 2005)

2005_jarhead_007.jpg

Pode parecer estranho trazer um filme que eu não recomendo, mas se o assistirem não sairão decepcionado; não de todo. Sendo assim, deixo as minhas impressões.

Começando pelo título nacional: “Soldado Anônimo“. Eu o vi não por ele, Swoff (Jake Gyllenhaal), não ter um nome (identidade), mas por ser alguém comum. Igual a tantos outros que se alistam. Independentes de serem ricos ou pobres. E cada um levando o seu porque ao se alistar. Pelo menos ali estão todos no mesmo barco e como uma ferramenta nessa engrenagem. Sendo assim, esse título dado no Brasil foi até razoável. Quanto ao título original -“Jarhead” -, é uma gíria para uma mente vazia na espera de enche-las com ideais dos outros.

O filme mostra um quase “antes-durante-e-depois” num momento da vida de Swoff e alguns outros. Momento esse sendo de uma guerra que veio até nós ao vivo pela Televisão, pela Internet… Foca por um ângulo de quem esteve no campo de batalha. De apenas uns dias que ficarão para sempre em suas lembranças!

Abro um parêntese porque enquanto os dois lados na guerra real preocupavam-se com o que mostrariam aos de casa e ao mundo, uma equipe de jornalistas de Portugal mostravam o que realmente acontecia por lá, até serem descobertos. Parabéns a esses soldados-da-mídia! E que os tornei anônimos por não lembrar de seus nomes.

No início de “Soldado Anônimo” uma cena comum a outros do gênero: um sargentão (Jamie Foxx) meio sádico condicionando os recrutas a enfrentarem momentos de extrema tensão. Até para sentirem que matar seria permitido e outras “lições” mais. Ao longo do filme surgem outros superiores simpatizando mais com uns desses soldados do que com outros. Nesse tocante lembrei de “A Força do Destino” (1982) onde os personagens de Richard Gere e Louis Glossett Junior vivenciam essa relação – impondo duramente o outro a superar os próprios limites -, mas num tempo maior. Em “Jarhead” tudo é mostrado num tempo menor, mas sem parecer que faltou algo: as falas e as expressões dão conta do recado. O filme mostra também a relação entre companheiros. O grau de intimidade entre eles. Dormindo juntos. Lutando juntos. Matando juntos…

Trago o “tomando banho junto” em separado porque nessa hora “tiraram” a luz da cena. Que coisa!! Deu vontade de falar: “CORTA!! Gravem com mais luz!!” Não tiraram a luz por exemplo na hora em que exibiram uma cena do filme “O Franco-atirador” (1978). Foi um preconceito ao nu frontal masculino.

Mas uma cena memorável é de Swoff sentado num caixote, com corpos carbonizados a seu redor… Sei lá! É que me fez lembrar da escultura ‘O Pensador‘, de Rodin. Não sei se essa foi a intenção do Diretor Sam Mendes. É que foi muito rápido. Até a frase, uma única, que diz e para “quem” ele diz… Nossa! É! Dá mesmo o que pensar.

Outra cena que fica retida é com Swoff e Troy (Peter Sarsgaard) caminhando no deserto, à noite. Sendo que essa é pela beleza plástica! Uau! Parece um cartão postal! Lindíssima!

Em relação a trilha musical realmente é incrível! Num estilo de “levantar o moral da turma!“. Logo no início do filme ouvirá “Don’t worry, be happy“; depois um “Gonna make you sweat (Everybody dance now)“; tem Nirvana; The Doors; T-Rex com “Bang a gong (get it on)“; além da clássica “Cavalgadas das Valkírias” de Wagner; entre outras.

Bem, embora mostrando uma guerra o filme mostra quem gosta ou não da vida militar. O que representa ter uma arma de fogo nas mãos. Que caminhos os levaram até uma guerra que não é deles. E tudo numa visão bem masculina. Mulher, ou a imagem feminina, nesse filme não passou de um mero objeto para “aliviar” tensões dos homens, entre outras coisas. Uma lástima!

Enfim, ou por fim, como disse no início podem assistir. De tudo não será perda de tempo, nem de dinheiro. Nota: 7,5.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Soldado Anônimo (Jarhead). 2005. EUA. Direção: Sam Mendes. Elenco: Jake Gyllenhaal, Peter Sarsgaard, Jamie Foxx, Scott MacDonald, Brian Geraghty. Gênero: Ação, Comédia, Drama, Guerra. Duração: 123 minutos. Baseado no livro Jarhead do soldado Anhony Swofford (Onde ele conta os apuros e as aflições pelas quais passou enquanto servia ao Exército norte-americano).