Entre o Amor e a Paixão (Take This Waltz. 2011)

Entre o Amor e a Paixao_2011Zapeando a grade de programação da televisão um título me levou a saber mais detalhes do filme. Então encontro que quem assina a Direção é Sarah Poley. O que já seria suficiente para assistir. Mas tendo também como casal de protagonista Michelle Williams e Seth Rogen carimbava de vez. Era assistir e conferir.

Sarah Polley além de conquistar espaço como uma atriz (A Vida Secreta das Palavras) também o faz para um universo ainda dominado por homens: o da Direção de Filmes. Seu primeiro longa “Longe Dela” adentra no universo feminino numa maturidade já avançada pelo olhar de um personagem masculino e por sentir a perda da esposa para um outro amor, mas por conta do Alzheimer. Aí nem da para pesar como traição. Vale muito a pena ver! Se nesse primeiro ela divide o Roteiro. Já em “Entre o Amor e a Paixão” ela ousa e o faz sozinha. E…

Em “Entre o Amor e a Paixão” temos como pano de fundo o drama de jovens e não tão mais jovens donas de casas. Com 5, 10, 30 anos de casadas… cujas histórias se repetem. O que muda é a maneira de encarar o tédio nessa vida de casada. Acontece que tendo Michelle Williams como uma dessas donas de casa a vivenciar esse drama me levou a pensar num outro filme, o Namorados Para Sempre“. Até porque em ambos os filmes os maridos aos seus próprios jeitos são bem resolvidos materialmente, como também emocionalmente. Dai pesou a escolha dessa atriz me levando a pensar se com uma outra se eu também teria feito essa associação. Por ambas as personagens pela insatisfação vividas quiseram achar uma saída. Sem saber do porque escolheram essa atriz era tentar não pensar mais no outro filme e continuar prosseguindo com esse aqui.

Em “Entre o Amor e a Paixão” temos Seth Rogen fazendo um Chef de Cozinha, o Lou, se dedicando a um livro de receitas. Entre Molhos e Anotações Lou acaba não colocando mais, ou o mesmo tempero no relacionamento dos dois. Pior! Tratando a esposa como um biscuit, uma menininha. Acontece que nesse cozimento em banho-maria, tinha uma dona de casa numa panela de pressão e em ebulição. Margot (Michelle Williams) se encontrava sedenta de paixão. Desejando muito ser uma mulher sedutora, mas cuja timidez a impedia de ser essa outra mulher.

Margot sonhava também em ser uma escritora. Não sei se de algum modo fora esse um dos fatores que aproximara os dois: Margot e Lou. Até porque a história do filme a pega às vésperas de completar 5 anos de casamento. Não sei ao certo se o sentimento que lhe pesava por esses dias antes da comemoração das bodas. Se melancolia, tédio, insatisfação consigo mesma. Agravada por nem conseguir imaginar esses fogosos romances para colocar num livro. Nem percebeu um sinal nudez das mulheres no vestiário feminino. Se dedicasse mesmo a pelo menos ao lado prático até teria como válvula de escape o livro desejado. Com observações somado as imaginações alguma coisa teria para escrever. Até com um ingrediente novo: o pecado morando em frente. Com isso nessas Bodas Margot teria que tomar uma decisão: continuar com o casamento ou ir viver a paixão que estava no outro lado da rua.

Ao mesmo tempo que fica parecendo que Sarah Polley leu muitos romances de Barbara Cartland, também fica a sensação de que faltou colocar esses devaneios na protagonista. É que o filme até nos leva a assistir até o final, sem querer desistir, mas não encanta de todo. A mim não deixou uma vontade de rever. Agora, continuarei na torcida para que Sarah Polley siga em frente em Direção. Pois está no caminho certo. Precisamos de mais mulheres nesse universo. Valeu seu trabalho na Direção! Faltando algo mais a Roteirista. Pelo conjunto da obra dou nota 07 para “Entre o Amor e a Paixão“.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Entre o Amor e a Paixão (Take This Waltz. 2011). Canadá. Direção e Roteiro: Sarah Polley. Elenco: Michelle Williams, Seth Rogen, +Cast. Gênero: Comédia, Drama, Romance. Duração: 116 minutos.

Anúncios

Potiche: Esposa Troféu (2010)

Primeiramente se faz necessário destacar a data da estória: ano 1977. Onde a mulher ainda tinha como papel principal: ser uma dona de casa. Algo realçado até nos comerciais de margarina, geladeira… Sempre bem vestida, bem penteada, bem maquiada… Sorridente. Feliz da vida. Tendo ela uma ótima situação financeira, o que lhe daria quase um séquito de serviçais domésticos, seu papel ficaria de gerenciar esse lar. E que para muitos maridos, teriam-nas como um troféu para exibirem aos demais. Onde certos locais, mesmo na moda, para esses mesmo maridos, não era adequados às damas da sociedade.

A personagem da Nicole Kidman, no filme “De Olhos Bem Fechados” (1999), jovem ainda, questiona-se por se ver como um jarro (potiche) decorativo da casa. Ressentido-se de uma falta de atenção, ou mesmo de tesão vindo do marido. Mas para Suzanne, a personagem da sempre bela Catherine Deneuve neste filme aqui, “Potiche: Esposa Troféu“, esse acordar para deixar de ser um mero adorno de casa veio quando uma modernidade bateu à porta da empresa da família: uma fábrica de guarda-chuvas.

Os empregados da fábrica clamando por direitos trabalhistas, mantém o presidente preso. Ele é Robert, personagem do sempre ótimo Fabrice Luchini. Ciente de que seu marido não irá ceder em nenhum dos itens reivindicados pelos grevistas, Suzanne vai falar diretamente com o Deputado que está por trás desse movimento. Ele é Babin, personagem de Gérard Depardieu. Abrindo um parêntese para falar da performance desse ator. Não sei se ele ficou intimidado com a Deneuve. Ou se o Diretor não conseguiu retirar dele um jeito sedutor. Numa cena, onde abraça Suzanne, em vez de paixão, o que transpareceu foi como um cumprimento entre duas comadres. Depardieu não ficou tão à vontade como esteve em “Minhas Tardes com Margueritte“, por exemplo.

Babin liberta Robert, com a promessa de Suzanne em fazer um acordo com os líderes grevistas. Para não ser ele a ceder, Robert simula um ataque de coração. Acreditando que se ausentando por doença mais a total inexperiência da Suzanne na gerência de uma indústria, ele sai em férias. Tranquuilo, até porque a secretaria, e amante, Nadège (Karin Viard), o manteria informado. Mas teria uma surpresa com Nadège, influenciada pela nova postura de Suzanne.

Para surpresa geral, Suzanne não apenas se mostra uma excelente negociadora, como ve brotar em si um ótimo tino empresarial. Alavanca as vendas. E com o filho Laurent (Jérémie Renier) introduz novos modelos, com guarda-chuva coloridos. Dando aos antigos guarda-chuvas um lugar na Moda. Mãe e Filho felizes com o rumo que deram as suas vidas. Já de Joëlle (Judith Godrèche), sua filha, que vivia a criticá-la por ser tão submissa, tão dona-de-casa, em vez de elogios, Suzanne receberá uma estocada.

Com o crescimento da fábrica, pelo tédio em ser um dono-de-casa, assim como não teria sido ele a ceder às exigências dos grevistas, Robert quer o seu posto de volta. Levando a um racha na Família. Porque Suzanne não quer mais voltar a vidinha de antes. E no ano de 1977, numa província francesa, uma dona-de-casa deixa de sê-lo conquistando um lugar onde os homens tinham supremacia. Para Suzanne, o ano veio como um divisor de água.

Gostei do filme! No geral, diria que é muito bom. Mas me levou a pensar se nas mãos de outro Diretor, teria sido bem melhor. Uma interessante e divertida estória + artistas de peso, não foram sucientes para François Ozon. O que é uma pena. Nem me deixou vontade de rever.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Potiche: Esposa Troféu. 2010. França. Direção: François Ozon. +Elenco. Gênero: Comédia. Duração: 103. Classificação: 12 anos.

A Mulher sem Piano (La Mujer sin Piano. 2009)

Assisti ao filme A Mulher sem Piano no Festival do Rio deste ano do diretor espanhol Javier Rebollo produzido em 2009 e achei algumas passagens bem interessantes e instigantes, recheado de citações e originalidade que, para não passar em branco ou cair no esquecimento, resolvi registrar aqui.

A estranheza começa pelo título A Mulher sem Piano (?), penso que há duas possibilidades de entendimento:  1º – Pode ser uma expressão idiomática, daí somente o nativo dessa nação para explicar o seu significado; 2º – A outra possibilidade  seria interpretando a história da própria  protagonista A MULHER do título e a razão dela não possuir um instrumento musical desse porte: imenso e pesado, sendo necessário mais de uma pessoa para transportá-lo. O que pode representar essa figura de linguagem? O árduo trabalho de se Carregar um piano nas costas ou a outra expressão Matar um leão por dia, seria a luta pela sobrevivência nessa selva, refere-se a todo e qualquer sacrifício diário de todo mortal, a luta constante para resolver os problemas, a cruz de cada um,  o fardo, incessante da labuta e dos afazeres por mais simples que seja.

Conta a história de Rosa (Carmen Machi), casada, independente, dona de seu próprio negócio, um filho casado de uns trinta anos. A vida de Rosa digamos, é um mar de rosas pelo fato de ser uma eterna rotina: vive para a casa, o trabalho e para o marido. Só que a sua vida tornou-se reprise do filme de sua própria história enfadonho, roteiro enjoado que perdura por trinta anos. Pela sinopse, não chamaria a atenção nem do cinéfilo eclético, pois a princípio parece idiota. A rotina de uma dona-de-casa, a quem interessaria? Só que a sinopse às vezes engana. Este filme, garanto, tem altas doses de originalidade.

A primeira cena, apresentação das personagens, acontece dentro do carro de seu marido e quase não há diálogo, ou melhor, depois de trinta anos de casamento, já não existe comunicação verbal  muito menos contato físico. Eles despedem-se friamente e cada um segue o seu rumo.

A outra locação é a residência do casal, onde Rosa, mulher de meia idade, comum, realiza sua dupla jornada, seus afazeres domésticos, cuidar do marido, da casa, lavar, passar cozinhar, preparar o café, fazer faxina, atender às suas clientes que funciona em um recinto da sua própria residência, uma clínica de tratamento de beleza, jantar, assistir a um pouco de televisão e por fim dormir. A sua vida é uma eterna rotina. Com o marido não há mais diálogo. Às vezes, ela em sua intimidade pratica o tal ‘amor solitário’. Falam somente o básico. Agem como se fossem dois estranhos vivendo sob o mesmo teto.   A história tem duração não mais que um dia. Nada de novo acontece na vida dessa mulher sem piano que já não sorri para a vida, e nem se acha uma pessoa interessante. A mesmice é sua companheira inseparável.

Após se despedir do marido, Rosa vai aos correios para retirar uma encomenda. Entrega à funcionária o aviso de retirada juntamente com seu documento de identidade, e a funcionária dos correios a faz assinar o papel de recebimento da mesma, e volta com um pacote prontamente para lhe entregar. Confere a assinatura com a da identidade e, depois de examiná-lo cuidadosamente, diz que é impossível lhe entregar o pacote porque o seu RG está já há três anos vencido. Rosa fica incrédula pelo que acaba de ouvir e retruca dizendo tratar-se da própria, para que conferisse novamente a foto com ela e de que já havia assinado a guia de recebimento. A funcionária séria e secamente lhe responde que não poderá lhe entregar e pega o pacote e leva-o de volta para guardar. Rosa fica pensativa e sem entender. Nada mais a fazer volta para casa desanimada sem a sua encomenda.

E aí, querido expectador? Você não gostaria de saber o conteúdo desse pacote, assim como eu? Fiquei curiosa, já que o mesmo não nos foi revelado. O que será que Rosa queria a todo custo retirar nesse dia? O que ela comprou?  Chegou a perguntar até que horas era o atendimento nesse estabelecimento.  Mas quem tem a imaginação fértil… Rosa volta para casa arrasada… cuida do almoço da faxina, vai ao seu consultório anexo ao lar, o telefone toca, vai atender, o interlocutor é um velho conhecido nosso, o vendedor  telemarketing, a chatice rotineira descartável. Rosa, sem piano, sem pena, sem plano sem pestanejar, desligou.  A Rosa definhava, morria a cada dia, cansada, apática, da eterna repetição, da rotina, nem as ligações ao marido era novidade. Resolve ligar infinitamente nesse dia, também ao filho.

Outra coisa instigante que acontece na locação é um quadro na parede, uma pintura pendurada sobre a cabeceira de seu aposento, que chama muito a atenção e instiga nossa imaginação por ser uma pintura incomum, sombria, escura, e principalmente para um quarto do casal, representando um caçador a cavalo, um lobo morto por ele e ainda há  três vivos, os rodeando, mas tem apenas duas flechas e mais alguns cães. O marido ao se levantar sempre olhava o quadro; já Rosa, como parecia não gostar, resolveu retirá-lo de cena, e o guardou em algum canto da casa.

A noite cai. O marido não janta. A mulher olha a comida que preparou com carinho e ninguém a tocou, indo tudo para o lixo.  Antes de irem dormir assistem juntos a um pouco de televisão que nada tem de interessante; ela faz um passeio pelos canais procurando algo, eles agem como dois estranhos, um mantendo a distância física e emocional do outro, o único som que se ouve é o que vem do aparelho. Até que ele resolve ir para a cama e ela fica um pouco mais. Rosa desliga  a tevê, vai ao banheiro, se arruma coloca uma peruca talvez na tentativa de se tornar naquele momento uma outra pessoa, pega uma mala e sem avisar o companheiro, parte. Qual seria o objetivo? Fugir daquela situação? Começar de novo? Durante bastante tempo ela vaga pelas ruas de Madrid. Vai para a rodoviária, dirige-se a um guichê a fim de comprar uma passagem, sem destino. Em vão. É informada pelo funcionário que acabou de fechar e que só reabrirá no dia seguinte às sete da matina. Desanimada, ela vai procurar um canto para descansar. Observa as pessoas ao redor. Faz algumas ligações, mas do outro lado da linha ninguém atende. Observa atentamente um rapaz que está sentado a sua frente e é também observada por ele. Um celular toca. É do rapaz, mas ela pensa que é seu porque tem o mesmo toque. Eles começam a conversar a partir daí, falando da mesma música dos seus respectivos aparelhos. Surge um affair ali. O rapaz, Rdek conta que é polonês fugitivo e que deseja retornar para a sua terra natal para pagar uma dívida e que está na Espanha a trabalho, e que já juntou dinheiro suficiente para isso; somente depois ela descobre que ele é procurado pela polícia polonesa, enfim, uma situação insólita vivida por ela e pelo da poltrona testemunhando essa condição inesperada vivida por ela. Ela mesma não sabia direito o que estava acontecendo. Sabia que deveria sair dali, tentar fazer alguma coisa, ir em busca de felicidade.

Ela dá uma saída para fumar porque dentro do saguão é proibido. Lá fora é confundida com prostituta, acaba fazendo amizade com uma e com outras pessoas. Volta ao saguão o ambiente bem movimentado, gente dormindo pelos cantos, e o guarda local despejando-os de lá.   A mulher sem piano percorre por diversos cantos de Madrid pela madrugada afora, vive diversas situações insólitas. Até que encontra o seu conhecido polonês Rdek, caído no meio da rua, ela o acode, e ambos saem para um restaurante e entram para comer. O novo casal vive um dia incrível de descobertas devido a momentos difíceis que ambos atravessam. Eles seguem a madrugada toda em fuga.  Até que resolvem pernoitar num hotel.

No salão do hotel tem um piano e Rosa ao passar por ele, dedilha alguma coisa. Aleluia! Por um instante daquele dia peculiar Rosa é A MULHER COM PIANO!

Lá na intimidade desse quarto de hotel, Rosa deita-se no divã e conta toda a sua vida para seu novo amigo polonês que ouve atentamente. Nesse instante ele ouve com dupla atenção a história do quadro que ela lhe conta, que o retirou de seu quarto e encostou no porão por não entender e não gostar dele.

Rdek fica alguns minutos pensativo, e depois dá maravilhosamente a sua interpretação sobra a obra de arte, qual a sua mensagem e o que essa pintura representa. Para mim foi o ponto culminante do filme.  A explicação fantástica!  A mulher sem piano e o forasteiro retornam à rodoviária com a intenção de partirem para à Polônia. Ela se dirige a um guichê e compra duas passagens. Ao retornar ao encontro de Rdek, Rosa nota que dois policiais o abordam e o levam dali.

Desanimada, a mulher, não tem outra opção, senão voltar para o seu lar.

Ao chegar a casa já pela manhã, chega a ser cômico, o marido se levantando e ela indo para a cama.  A rotina novamente impera: mesa posta, marido saindo para trabalhar, casal sem diálogo, ela a volta com seus afazeres domésticos, até que olha para a parede vazia, sem o quadro, sai e volta com ele e o repõe no seu devido lugar de origem de onde nunca deveria ter saído.

Agora, com ou sem piano, Rosa sabe que pode dar um novo rumo à sua vida. O telefone toca, é o seu filho no outro lado da linha. E a vida segue… todos os dias como uma folha em branco que deve ser preenchida. Cada um é ator ou protagonista de sua própria história… com ou sem piano.

Parabéns aos roteiristas!

Karenina Rostov

*

Sinopse: Rosa é dona de casa e vive com o marido em Madrid. Prestes a entrar na menopausa, ela não tem amigos nem vida social, e seu maior prazer é ver um prato fumegante de comida ser servido com admirável pontualidade na hora das refeições. Tendo vivido toda sua vida em função da família, não está nada satisfeita consigo: não se acha bonita nem gosta de seu cabelo. Mas, num dia desses, decide escapar de sue mundo e viver apenas uma noite diferente. Concha de Prata de Melhor Diretor no Festival de San Sebastián 2009.

Ficha Técnica

Título: La Mujer sin Piano

Diretor: Javier Rebollo

Roteiristas: Lola Mayo, Javier Rebollo

Elenco: Carmen Machi, Jan Budar, Pep Ricart, Nadia Santiago

Ano de Produção: 2009

País: Espanha / França

Duração: 95

Laços de Ternura (Terms of Endearment. 1983)

lacos-de-ternuraRevendo o filme, ‘Laços de Ternura‘, após tanto tempo, me levou a pensar num paralelo com a atualidade. Além do ato de ser mãe. Nesse tocante vem a máxima que diz que mãe é tudo igual, só mudando o endereço. E pela época do filme, pela história contida nele, nem dá para dizer que muita coisa mudou de lá para cá.

Mais de 20 anos se passaram e ainda vemos muitas mulheres gerando um filho atrás do outro sem o menor planejamento. Meio frio de minha parte, concordo. Mas há sim o de se pesar o orçamento do casal. Se terá como arcar financeiramente com a educação. Jogar nos ombros dos avós essa responsabilidade eu não acho justo. Não com uma imposição velada. Uma das ajudas que poderia ser, seria por conta de algo como nesse filme. No final dele.

O filme também fala do aborto. Numa conversa entre mãe e filha. Para que vejam que nada mudou em todos esses anos ainda é feito em larga escala, mesmo sendo ilegal. Recentemente foi feito uma pesquisa sobre esse tema, chegando nesse resultado: “Quase 4 milhões de mulheres fizeram aborto no Brasil nos últimos 20 anos. Em sua maioria, o grupo não é formado por adolescentes, mas por mulheres entre 20 e 29 anos. Mais da metade se declarou católica. E mais de dois terços já têm filhos. A maior parte optou pelo aborto como forma de planejamento familiar.” Como podem ver, faltou o o planejamento que citei anteriormente.

O filme também traz as puladas de cerca. De um lado, procurando nisso dar vazão aos desejos do corpo. Do outro, por não querer romper de vez com o matrimônio. Naquela de até que a morte os separe? Há também um terceiro motivo: os filhos. E até por conta deles também pesará as pensões advindas num rompimento. Se a grana anda curta, o que dirá tendo que manter duas casas? Então, enquanto ninguém reclamar, mantém-se toda a situação.

Entraria aqui até essa máxima: “O que os olhos não vêem, o coração não sente“. Ou outra mais cínica: “Se quer trair, que o faça sem deixar rastros“. Até aqui como podem verem todos esses anos nada mudou. Muito de nós conhecemos relacionamentos assim. Mas apesar de pontos em comuns, cada relação é única.

Entrando no filme… Aurora (Shirley MacLaine) só quis ter uma filha. Talvez pelo seu temperamento. Com mais um tempo de casada, enviuvou. O filme dá outro salto no tempo, e então começa de fato toda a trama. Às vésperas do casamento de sua filha Emma (Debra Winger) com Flap (Jeff Daniels). Aurora não aprovava o casamento. Para ela, a filha iria sofrer por ele ganhar muito pouco. Flap era Professor. Mas Emma nasceu para ser Dona de Casa. Nem quis continuar os estudos, nem arrumar um emprego fora de casa. Queria mesmo cuidar do Lar, do marido e dos filhos. Então foram morar longe de Aurora.

jack-nicholson_and_shirley-macLaine_terms-of-endearmentAurora por sua vez embora sempre cortejada por uns amigos se fechou a um novo amor, ou mesmo as simples relações. Bloqueando os seus apetites sexuais. Diferente da filha que mantinha um caso extra-conjugal com Burns (John Lithgow). Flap também mantinha um caso com uma aluna. Tudo seguia sua rotina na vida de Aurora até que entra em cena um barulhento vizinho, Garret (Jack Nicholson), e que não saía mais de seus pensamentos. Mas passaram-se 15 anos para ela tomar a iniciativa. A cena da primeira saída dos dois é memorável.

Por não gostar de rédeas, após um namoro, Garret mesmo gostando dela, resolve sair de cena. Até que com uma virada do destino, pela perda de um membro da família, todos se unem para cuidarem das três crianças.

Um belo filme! Para ver e rever. A trilha sonora é linda, mas uma em especial, é de querer ouvir várias vezes. Ouça-a:

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Laços de Ternura (Terms of Endearment). 1983. EUA. Direção e Roteiro: James L. Brooks. Elenco. Gênero: Comédia, Drama, Romance. Duração: 131 minutos. Baseado em livro de Larry McMurtry.

Ao Entardecer (Evening. 2007)


Dizem que à beira da morte passa um filme sobre a vida da pessoa. Isso acontecendo de repente e num breve intervalo de tempo, tudo deve vir num flash bem compacto. Agora, quando ainda terá umas horas antes dela chegar… Deve possibilitar na escolha do que se quer passar a limpo. E é por ai, que se baseia o filme. Mas como essa perda será sentida por outras pessoas, também as fará pensarem em si mesma.

Um tempinho atrás escrevi um texto sobre ‘O divisor de água de cada um de nós‘. Nesse filme, ‘Ao Entardecer‘, a Ann (Vanessa Redgrave), entre momentos lúcidos ou de delírios, talvez por efeitos da medicação, ou mesmo por já não mais haver barreiras por conta das regras sociais… Enfim, para ela um único divisor de água merecia ser revisto. Porque um outro, ela só quis constatar se não fora totalmente negligente. Em resumo, uma revisão a um grande amor, e se por sua carreira houvera omissões as suas filhas.

Nessa volta ao passado o que Ann (Claire Daines) elege como seu ponto de partida veio por conta de uma frase que pelo jeito a acompanhou todo esse tempo. Algo mais ou menos assim: “E se eu tivesse aceito o convite de Buddy (Hugh Dancy) e tivesse ido velejar com ele e Harris (Patrick Wilson) naquele entardecer… Será que minha vida teria tomado outro rumo?‘. É que ainda naquele final de semana uma tragédia a levou a querer ir para longe daquele pesadelo.

A questão que ficou a mim foi por conta dela não ter ouvido a voz do seu coração – esse já perdidamente apaixonado por Harris -, e que apenas ouviu a voz ‘do que os outros pensariam‘. Entre esses outros estaria a sua melhor amiga Lila (Marmier Gummer). Ann então quis esquecer tudo mais que a envolveriam-na àquelas pessoas que até viviam em mundos diferentes. Que nem um ter como pagar uma simples conta de luz fazia parte do seu dia-a-dia como o dela. Claro que o não ter vivenciado fica mais fácil em dizer que não teria feito o mesmo, mas cabe aqui não um julgamento e sim um tentar entender o seu drama.

Nesse seu delírio em meio as seu flash-back Ann ganhou uma ajuda: alguém meio que advogado-do-diabo. Alguém para clarear ainda mais nesse seu mergulho. Se essa presença era fruto da sua imaginação, ou de seus sonhos, o certo era que a Enfermeira-da-Noite (Eileen Atkins) fez mais que isso. Ela fez algo que as filhas de Ann nem pensaram em fazer. Que foi em avisar a Lila que sua grande amiga do passado estava nas últimas. E Lila (Meryl Steep) veio. Onde não só ajudou a amiga a partir sem culpas, como também ajudou a uma das filhas de Ann, a Nina (Toni Collette) a não ficar tão indecisa diante da vida.

No tocante as filhas, essas horas finais deu-lhe momentos de lucidez onde pode senti-las mais perto. Saber delas se fora uma boa mãe. Para Constance (Natasha Richardson), já casada, com filhos, a conversa fora mais madura. Por ela estar segura de que fizera a escolha certa. De que ao se tornar mãe pode compreender a sua mãe.

Já com Nina, até pelo seu temperamento, ouvir trechos dos delírios da mãe, aumentou ainda mais os receios. Por medo do futuro, por saber que é uma pessoa de difícil convivência. Por descobrir que está grávida do seu atual namorado. Enfim, seus temores são em relação ao que ainda está por vir. Se para a sua mãe não haverá um amanhecer, para ela sim. Então, por que não começar a fazer os seus, um de cada vez? E quem sabe só no último entardecer de sua vida saber se fizera as escolhas certas. Pois se manteve uma pessoa íntegra mesmo tendo feito algo errado, o que importa é que o fez, que não ficou apenas no ‘Se…

Por fim, o filme aborda questionamentos maduros. E sobretudo para as mulheres que ao longo da vida tentam conciliar carreira, família, o lado dona-de-casa, maternidade, entre outras coisas.

Mas destacaria nesse filme uma outra questão: o alcoolismo. No quanto esse vício tem de prejudicial. Tanto para a própria pessoa, como também para aos que cruzam seu caminho. No filme a pessoa começou a beber aos doze anos. Tão cedo que embora eu não esteja culpando os pais me pergunto o que eles estavam fazendo que os impediam de ver esse grito de alerta do filho? Creio que quando se inicia ainda na adolescência há uma chance maior de sair desse vício. A menos que o que esse filho estivesse tentando contar, seus pais não queiram nem ouvir. Sendo assim, depois de uma tragédia… já será tarde demais.

Eu gostei do filme. Mas não deixou-me uma motivação para revê-lo!

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Ao Entardecer (Evening). 2007. EUA. Direção: Lajos Koltai. Elenco: Claire Danes, Vanessa Redgrave, Mamie Gummer, Meryl Streep, Patrick Wilson, Hugh Dancy, Glenn Close, Barry Bostwick, Natasha Richardson, Toni Collette, Ebon Moss-Bachrach, Eileen Atkins. Gênero: Drama. Classificação etária: Livre. Tempo de Duração: 117 minutos. Drama baseado no livro de Susan Minot.

A Outra Face da Raiva (The Upside Of Anger. 2005)

a_outra_face_da_raiva.jpg

Eu que reclamo de que há muitos mais filmes que esteriotipam o comportamento feminino. Esse, exarceba um pouco, mas não deixa de mostrar que existem mesmo mulheres assim. Que fazem da vida de casada sua profissão de fé. Vai daí, que vivem mais em função da família, da casa, do que os outros irão pensar…

Aqui temos mais uma típica dona de casa: Terry Wolfmeyer (Joan Allen). Vidinha tranquila até que de repente o marido some, e sem a menor explicação. Então, ela desaba. Encontrando na bebida, um tipo de suporte. Elas e as filhas se desentendem. A raiva cresce, e as cobranças interna também. Quando então conhece de fato seu vizinho Denny (Kevin Costner). Um beberrão. Juntos, irão trocar mais que copos de bebida.

Eu gosto do Kevin Costner! Ele deu o tom exato para algo do tipo: “E daí, cada um vive como quer!“. Pois o filme traz algo que incomoda os americanos: ou se é um vencedor, ou então será um fracassado. Isso também vem na personagem da Joan Allen, quando transfere o que não conseguiu ser para as filhas. Cobranças, dão o tom amargo a vida. Numa cena, eu cheguei a soltar um palavrão em voz alta, seguido disso: “Viu o que fez com a sua vida mulher!???” Vendo o filme, saberão porque. Agora, o personagem que me identifiquei foi a filha caçula. Pela sua maneira de ver o mundo. Por estarmos sempre aprendendo. Pois há sempre novas perguntas, não é mesmo!?

Gostei! Nota: 8.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

A Outra Face da Raiva (The Upside of Anger). EUA. 2005. Roteiro e Direção: Mike Binder. Elenco: Joan Allen, Kevin Costner, Evan Rachel Wood, Keri Russell e Alicia Witt. Gênero: Comédia Dramática. Duração: 116 minutos. Classificação: 14 anos.