O Clube dos Cinco (The Breakfast Club. 1985)

clube-dos-cinco_1985Por Francisco Bandeira.
Um clássico absoluto sobre o tema, escrito e dirigido pelo mestre John Hughes, O Clube dos Cinco vai muito além de um típico filme sobre adolescentes em crise, explorando os estereótipos que nos são dados por toda vida, mostrando que somos muito mais que aquilo. Somos apresentados a cinco personagens: o rebelde, sem futuro (Judd Nelson); o nerd, filhinho da mamãe (Anthony Michael Hall); a patricinha mimada e puritana (Molly Ringwald); a louca sem salvação (Ally Sheedy); o atleta burro ou brutamontes (Emilio Estevez). Ainda há um professor (Paul Gleason) linha dura que parece querer infernizar a vida dos cinco alunos que ficaram de castigo. Porém, nesta fita, o cineasta faz uma bela desconstrução de todos esses rótulos, encorajando os personagens a mostrarem quem realmente eles são.

clube-dos-cinco_01Talvez o aprendizado de uma longa conversa, onde o objetivo não é só conhecer ao próximo, mas sim olhar para dentro de si mesmo e ver o que existe de verdade lá. Esse sim é VOCÊ, e nunca, jamais deixem que te façam pensar o contrário! Você pode ser o que quiser, não o que os outros querem que seja. E nada demonstra melhor isso do que o soco no ar de John Bender ao som de Don’t You (Forget About Me), do Simples Minds, enquanto sobem os créditos finais, simbolizando a liberdade enfim encontrada por todos eles.

Clube dos Cinco (The Breakfast Club. 1985). Detalhes Técnicos: página no IMDb.

Anúncios

O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas (St. Elmo’s Fire. 1985)

o-primeiro-ano-do-resto-de-nossas-vidas_1985Por Francisco Bandeira.
Não há nada melhor que um filme sobre a adolescência, com personagens encantadores, uma boa premissa, com debates ainda presentes na juventude atual, com questionamentos sobre a vida adulta, o poder da amizade, quanto o amor platônico nos consome… E o pior (ou melhor): o quão difícil é assumir responsabilidades.

Esse é o tema abordado por Joel Schumacher neste filme pra lá de simpático, simples, com rostos marcantes no elenco, onde todos estão exalando carisma, esbanjando talento e, por mais que a mão pesada do diretor e o roteiro cheio de furos deixem o filme bem longe de aproveitar seu potencial máximo, não compromete o resultado final do longa que poderia ter alcançado o mesmo “status” de clássico adolescente como os dirigidos por John Hughes na mesma década.

A fita tem alguns momentos marcantes, como quando Billy explica a metáfora do Fogo de Santelmo que dá nome ao filme para consolar sua amiga, ou os personagens se questionando sobre as amizades durarem para sempre, romances impossíveis e o peso que os mesmos têm que carregar na vida adulta. ‘O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas‘ é sim um pequeno filme meio esquecido, mas isso não o torna menos profundo, tocante e divertido, como todo bom filme dessa safra cada vez mais extinta nos dias atuais.

O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas (St. Elmo’s Fire. 1985). Detalhes Técnicos: página no IMDb.