Os Amantes Passageiros (2013). Apertem os cintos… nesse voo penas irão brilhar!

os-amantes-passageiros_2013O Diretor Pedro Almodóvar após a obra prima no Drama “A Pele que Habito” resolveu tirar o pé do freio e se soltar. Bom para nós, seus fãs, que nos divertimos juntos com ele. Afinal, é uma ótima Comédia almodoviana que está nesse voo. Onde sugiro se desligarem do politicamente correto porque ele dessa vez veio foi com ‘gays à beira de um ataque de nervos‘. Também porque dessa vez ele resolveu dar um Boa noite Cinderela em quase todas as mulheres dentro desse avião. Quase porque deixou acordada apenas a rameira (Norma, personagem de Cecilia Roth) e a virgem “religiosa” (Bruna, personagem de Lola Dueñas); atrizes carimbadas pelo diretor. E foi ótimo também porque não colocou o Brasil como paraíso para fugitivos da lei. O destino final seria o México.

os-amantes-passageiros_almodovar_penelope_banderasPois é! Uma viagem que iria para a Cidade do México nem chegou a sair do espaço aéreo da Espanha. Tudo porque após levantar voo foi descoberto uma grande falha técnica que obrigava a não apenas voltar, como também a aterrissagem poderia ser arriscada. E a tal falha fora por um descuido de um mecânico, em cena com participações especiais de Antonio Banderas e Penélope Cruz. Homenagem aos dois que já atuaram em outras Comédias de Almodóvar. O casal já protagoniza um dos temas dessa história: o amor que costuma cair de paraquedas na vida das pessoas, mas que por conta de um acidente do destino pode desaparecer, ou até se ver obrigado a escolhas nada felizes.

Bem, como a classe econômica tinha um número muito maior de passageiros, o que levaria a dificultar o trabalho dos comissários de bordo, o comandante (Antonio de la Torre) decide dopá-los, inclusive a tripulação desse setor, que no caso eram mulheres. Ficando apenas os poucos passageiros da área executiva para serem entretidos.

Na primeira classe, além de Norma e Bruna, temos como passageiros: – o Sr. Más (José Luis Torrijo) um alto executivo do setor financeiro que está fugindo de uma investigação policial; – Infante (José Maria Yazpik), um mexicano para lá de misterioso; – Ricardo (Guillerme Toledo), um ator que aceita um papel numa novela mexicana como forma de dar um tempo no assédio das fãs; e um casal de recém casados, cujo noivo resolve aproveitar-se da situação. Onde os três comissários de bordo, três gays para lá de assumidos, – Joserra (Javier Cámara), Fajas (Carlos Areces) e Ulloa (Raúl Arévallo) – tem como missão de distrair esses passageiros e com isso evitar pânico à bordo.

Acontece que tirando o comandante e o co-piloto Benito (Hugo Silva), os demais estão mesmo viajando às cegas. Sem saber a real situação do voo ficam com os nervos à flor da pele. Bebem. Trocam confidências. Fazem juras secretas. Outras nem tão secretas assim pois o único telefone para se despedirem com quem está em terra está com o sinal aberto, o que deixa a conversa ser ouvidas por todos. Numa dessas conversas há a participação de mais três atrizes que já trabalharam com Almodóvar: Blanca Suárez, Paz Vega e Carmen Machi.

E o avião segue pelos céus da Espanha a procura de uma pista livre para pousar e se possível em segurança. Entre confissões, rendições, saídas do armário, sexo, drogas e muita tequila somos brindados também com um memorável número musical com Joserra, Fajas e Ulloa cantando “I’m so Excided”.

Os filmes de Almodóvar são para serem sentidos. Até porque em todos há a sua assinatura mesmo quando ele faz é a leitura de um roteiro que não escreveu. O que não é o caso desse que ele assina o Roteiro também. Muito embora “Os Amantes Passageiros” também pode ser visto como uma crítica política ao país. Com a crise instalada nos países europeus. De qualquer forma é muito mais um filme para seus fãs, e os que se permitem serem levados por ele. Almodóvar é: ame-o ou vá ver outro filme. Eu vi, amei e fiquei com vontade de rever. Nota 10.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Os Amantes Passageiros (Los Amantes Pasajeros. 2013). Direção e Roteiro: Pedro Almodóvar. +Elenco. Gênero: Comédia. Duração: 90 minutos. Classificação: 16 anos.

Anúncios

O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno. 2006)

Todo conto de fadas, sob a minha ótica, é um tanto quanto macabro. São intrigas, assassinatos, personagens complexas e muitas vezes irresolvíveis. Quase sempre temos tortura psicológica tão extrema que somente a realização de um sonho extremo pode livrar a personagem desta condição. Geralmente, nestes contos, a salvação se dá na figura do príncipe encantado – elemento valente, heroico, que nada teme e que nada sofre.

Na história de O Labirinto do Fauno não há príncipe encantado, visto que a história é a salvação para todos os males. Além disto, em vez dos desenhos com traçado ricos em cores, aqui o ambiente é triste e sombrio. Neste cenário, é a figura da menina Ofélia que traz alguma coisa de esperança. O Labirinto do Fauno é o conto de fadas idealizado pela protagonista mirim para oferecer-lhe uma saída para um mundo aparentemente sem solução.

O filme se passa no final da ditatura de Franco, na Espanha em 1944. Alguns remanescentes fascistas continuam a alojar em montanhas, escondidos da resistência civil, que aos poucos vão limpando a Espanha. Carmem está grávida do Capitão Vidal, fascista duro e onipotente – homem este que não agrada nem um pouco à Ofélia, filha apenas de Carmem, cujo pai havia morrido anos antes.

A partir deste ponto contém spoilers, ou seja, alguns trechos poderão conter partes da trama e isto poderá estragar o seu prazer, caso ainda não tenha assistido o filme.

Próxima de ganhar o bebe, o Capitão Vidal obriga aos seus subordinados a trazer a mulher e Ofélia para a montanha onde eles estão alojados, viagem está que desgasta totalmente a mulher, de modo que ela fica muito doente.
Diante de um cenário novo e assustador, Ofélia – que é leitora assídua dos contos de fadas – passa a fantasiar a respeito de uma fada que lhe leva para um Labirinto onde lá encontra um Fauno que lhe explica que ela era, na verdade, a princesa do mundo subterrâneo, a qual o seu pai lhe esperava há muito tempo. Para conseguir abrir o portal que levariam os de volta ao seu mundo, ela precisava cumprir algumas missões.
Na verdade a história é um subterfúgio para as coisas que Ofélia iria realizar. Era o ponto de fuga que a menina idealizou. Paralelamente a estas missões, a maldade do Capitão Vidal, por trás de um cenário de guerra e constante tensão, faz com que a menina simplesmente se esconda em sua própria história.
O final é muito comovente, pois da maneira como ela criou a sua história, Ofélia conseguiu enfrentar todos os seus desafios com bravura. Finalmente ela consegue abrir o portal e passar para o mundo subterrâneo, onde lá será feliz para sempre.

Guilherme Del Toro criou sua obra prima com este filme, que ganhou mais de 70 prêmios pelo mundo afora, incluindo três oscars. O Labirinto de Fauno é uma belíssima história, um conto sinistro sob a nossa realidade contada sob a perspectiva das fadas.

O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno. 2006)

el-laberinto-del-fauno_01

Uma Radiografia da Condição Humana

A alegoria é um tipo de narrativa de duplo sentido, baseada na transferência e personificação, difícil de ser representada no cinema. Apesar de ser uma forma artística baseada em truques, capaz de dar vida aos maiores delírios dos cineastas mais diversos, a evolução tecnológica impõe um realismo à linguagem cinematográfica que se contrapõe ao simbólico. A linguagem teatral, a princípio, aceitaria melhor essa estilização, por seu caráter despojado e cru.

Por estas e outras razões O LABIRINTO DO FAUNO (El Laberinto Del Fauno), do mexicano Guillermo del Toro, realizado em 2006, foi uma gratíssima surpresa. O enredo, repleto de citações a filmes fantásticos e à literatura de conto de fadas, e inicia numa distante região da Espanha, em 1944, ainda assolada por combates da Guerra Civil, para onde se mudam Carmen (Ivana Baquero) e Ofelia (Ariadne Gil, um achado), mãe e filha.

el-laberinto-del-fauno_021Procurando trazer encanto ao cotidiano, enquanto aguarda a chegada de seu padastro Vidal (Sergi Lopez, imponente e assustador), um sádico oficial fascista incumbido de dizimar os guerrilheiros locais, a garota descobre nos majestosos jardins da imensa mansão um labirinto que lhe abre um mundo de fantasias, que acabará influenciando a vida de todos em volta. Lá ela conhece o Fauno (o mímico Doug Jones), um ser meio humano e meio bode, que a convence ser uma Princesa que necessita realizar três tarefas para retornar ao seu reino maravilhoso.

Um dos aspectos mais originais da obra é esmiuçar um contexto político sob a luz de um universo encantado. Mas não se trata apenas de uma válvula de escape, pois aqui a realidade, ao invés de apenas provocar a fuga, se torna a matéria-prima a ser moldada pelo sonho. Mesmo em seus aspectos sombrios e carregados de metáforas, a fábula de del Toro (que já fizera uma experiência similar em A Espinha do Diabo, em 2001), com roteiro original do próprio, busca o equilíbrio oferecendo aos olhos do público um requinte visual excepcional.

A iluminação carrega nas cores e no sombreado visando reproduzir as ilustrações dos antigos livros de fábula. As citações trazem o clima dos filmes do britânico Terry Gilliam (O Pescador de Ilusões, Os 12 Macacos) e do norte-americano Tim Burton (Edward Mãos de Tesoura, Peixe Grande), realçados por uma cenografia que mescla o clássico literário Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, além dos contos dos Irmãos Grimm e de Hans Christian Andersen.

el-laberinto-del-fauno_03

A conspiração estética prepara o terreno para o embate inusitado entre o Bem e o Mal, aqui representados pelo mundo onírico de Ofelia versus a rigidez ditatorial de Vidal. Em suas tarefas como a Princesa, ela irá se deparar com criaturas horripilantes e assustadoras, mas que apesar de suas aparências perceberá menos vilões que os seres humanos de carne e osso.

Esse sutil e meticuloso processo de humanização de determinado microcosmo caótico e violento, quando normalmente o universo mítico da fábula humaniza o reino animal, é uma das mais fascinantes inversões da obra de del Toro.

el-laberinto-del-fauno_04

Ao escolher ou decidir se o mundo de Ofelia é ilusão ou realidade, ao optar pelo otimismo ou pessimismo, pois o enfoque aqui é ambíguo, o público também analisará algumas das suas convicções e certezas, observando de fora para dentro de si mesmo. Porque embora muito longe de ser panfletário, O LABIRINTO DO FAUNO é uma radiografia mágica e sensível da condição humana.

O filme recebeu uma grande quantidade de prêmios internacionais, entre eles os Oscars de Melhor Fotografia (Guillermo Navarro), Direção de Arte/Decoração (Eugenio Caballero e Pilar Revuelta) e Maquiagem (Davi Martí e Montse Ribé), além de sete Prêmios Goya, o Oscar do cinema espanhol: Roteiro Original, Atriz Revelação, Fotografia, Montagem, Efeitos Especiais, Som e Maquiagem.

Cotação: * * * *

Por: Roberto Souza.   Blog:   Cal&idoscópio.

O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno). 2006. México. Direção e Roteiro: Guillermo del Toro. Elenco: Ivana Baquero (Ofelia), Sergi López (Captain Vidal), Maribel Verdú (Mercedes), Doug Jones (Fauno / Pale Man), Ariadna Gil (Carmen Vidal), Álex Angulo (Doctor), Manolo Solo (Garcés), César Vea (Serrano), Roger Casamajor (Pedro), Ivan Massagué (El Tarta), Gonzalo Uriarte (Francés), Eusebio Lázaro (Padre), Francisco Vidal (Sacerdote /as Paco Vidal), Juanjo Cucalón (Alcalde), Lina Mira (Esposa del alcalde). Gênero: Drama, Fantasia, Suspense, Thriller. Duração: 112 minutos.

Elsa e Fred – Um Amor de Paixão (Elsa y Fred. 2005)

elsa_fred.jpg

Fiquei com vontade de reunir aqui um outro filme, o “Ensina-me a Viver“. Pela lição de vida com que as duas personagens nos brindam. Acontece que merecem um texto único até porque ambas, as atrizes, deram um show de interpretação! Sendo assim, a Maude seguirá em outra análise. Aqui, é a hora e vez de Elsa.

E o que temos em “Elsa e Fred – Um Amor de Paixão“? Dizer que é um namoro entre duas pessoas com quase 80 anos de idade seria resumir muito a história. Dizer que um deles tenta motivar o outro que ficou viúvo recentemente, já se aproxima. Mas tem muito mais! Um, inventa doenças. O outro, tenta conciliar a existência de uma com a sede de ainda querer viver até o último momento. Mas ambos nos levam a sorrir, a emocionarmos, a torcer por eles.

Numa atualidade onde o novo é logo descartado por outro mais novo, o filme primazia por mostrar aqueles que discriminam os idosos que eles ainda têm muito a dizer. Que eles ainda têm muito o que fazer.

Elsa (China Zorrilla) é uma explosão de alegria. Alguém que ainda quer aproveitar a vida sem medo de ser feliz. Que num jeito meio inconseqüente nos cativa, até pelo jeito em que prioriza os seus atos. Não apenas com os estranhos, mas também com seus filhos. Fred (Manuel Alexandre) é um cavalheiro e um sujeito encantador! Que descobrirá a vida novamente graças a ela.

O filme me levou às lágrimas numa cena com a Elsa. Quando ela diante do espelho diz: “Olá! Estranha!“. Quando o que o espelho mostra não condiz com o interior, o jeito é aceitar para uma convivência pacífica com si próprio. Novos tempos. Novos rumos.

Amei! Nota: 10. Em tudo!

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Elsa e Fred – Um Amor de Paixão (Elsa y Fred). Espanha. 2005. Direção e Roteiro: Marcos Carnevale. Com: China Zorrilla, Manuel Alexandre. Gênero: Drama, Romance. Duração: 108 minutos. Classificação: 12 anos.