Elsa e Fred – Um Amor de Paixão (Elsa y Fred. 2005)

elsa_fred.jpg

Fiquei com vontade de reunir aqui um outro filme, o “Ensina-me a Viver“. Pela lição de vida com que as duas personagens nos brindam. Acontece que merecem um texto único até porque ambas, as atrizes, deram um show de interpretação! Sendo assim, a Maude seguirá em outra análise. Aqui, é a hora e vez de Elsa.

E o que temos em “Elsa e Fred – Um Amor de Paixão“? Dizer que é um namoro entre duas pessoas com quase 80 anos de idade seria resumir muito a história. Dizer que um deles tenta motivar o outro que ficou viúvo recentemente, já se aproxima. Mas tem muito mais! Um, inventa doenças. O outro, tenta conciliar a existência de uma com a sede de ainda querer viver até o último momento. Mas ambos nos levam a sorrir, a emocionarmos, a torcer por eles.

Numa atualidade onde o novo é logo descartado por outro mais novo, o filme primazia por mostrar aqueles que discriminam os idosos que eles ainda têm muito a dizer. Que eles ainda têm muito o que fazer.

Elsa (China Zorrilla) é uma explosão de alegria. Alguém que ainda quer aproveitar a vida sem medo de ser feliz. Que num jeito meio inconseqüente nos cativa, até pelo jeito em que prioriza os seus atos. Não apenas com os estranhos, mas também com seus filhos. Fred (Manuel Alexandre) é um cavalheiro e um sujeito encantador! Que descobrirá a vida novamente graças a ela.

O filme me levou às lágrimas numa cena com a Elsa. Quando ela diante do espelho diz: “Olá! Estranha!“. Quando o que o espelho mostra não condiz com o interior, o jeito é aceitar para uma convivência pacífica com si próprio. Novos tempos. Novos rumos.

Amei! Nota: 10. Em tudo!

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Elsa e Fred – Um Amor de Paixão (Elsa y Fred). Espanha. 2005. Direção e Roteiro: Marcos Carnevale. Com: China Zorrilla, Manuel Alexandre. Gênero: Drama, Romance. Duração: 108 minutos. Classificação: 12 anos.

Anúncios