Filmes que Citam Livros

Já falei aqui numa outra ocasião que o cinema está sempre citando os clássicos da literatura ou é a própria literatura.

O livro O Apanhador no Campo de Centeio deve ser o recordista, tanto que já perdi a conta de quantos filmes o citaram, (exagero da minha parte) aparece em “Teoria da Conspiração” e no filme “Capítulo 27“. “Oliver Twist” é o Charles Dickens, não? Woody Allen cita constantemente Dostoievski em suas obras. Em “Match Point”, no desfecho, o protagonista está lendo Crime e Castigo, depois de se tornado assassino, comemorando por não ter sido descoberto (Crime perfeito?). Em O Morro dos Ventos Uivantes é o próprio de Emily Bronte; e é citado no filme “A Proposta”. “Meu Primeiro Amor” cita Guerra e Paz de Tolstói. Já o filme “10 Coisas que Odeio em Você” é o próprio de Shakespeare. O filme “O Clube de Leitura” de Jane Austen que obviamente fala sobre as obras da própria. Em “Um Amor para Recordar“, há uma encenação de obras de Shakespeare. No filme “O Leitor” cita obras de Tchekhov, e por aí vai…

O filme “A Casa do Lago” que revi recentemente, além de citar Persuasão de Jane Austen, cita também o clássico de Dostoiévski, Crime e Castigo, logo na cena inicial na conversa entre mãe e filha:

Kate (Sandra Bullock) – O que é isso?
Mãe – Nada de importante. É um livro do seu pai.
Kate – Dostoievski?
Mãe – Huuuummm, sim! É sobre um homem que quebra o pescoço de uma pobre mulher com um machado. Aí ele se martiriza e se arrepende.
Kate – Gostou?
Mãe – Gostei, muito bom!
Mãe – Hummm, o que está pensando?
Kate – Nada…
Mãe – Quando seu pai faleceu foi penoso…. ao segurar os livros dele eu sinto que está comigo… saber que ele leu as mesmas páginas, as mesmas palavras…

*
CRIME E CASTIGO – DOSTOIEVSKI (Fragmentos):

Há muito tempo que já se enraizara e crescera nele toda a tristeza que sentia agora; nos últimos tempos ela se acumulara e se reconcentrara, assumindo a forma de uma horrível, bárbara e fantástica interrogação que torturava o seu coração e a sua alma, reclamando uma resposta urgente.”

Mas a ciência hoje diz: ‘Antes de mais nada ama-te a ti próprio, porque tudo no mundo está baseado no interesse pessoal. Se amares a ti próprio farás os teus negócios como devem ser, e o teu cafetã permanecerá inteiro’.”

Acham que eu estou assim porque eles mentem? Tolice! Eu gosto que eles mintam! A mentira é o único privilégio do homem sobre todos os outros animais. Mente, que vais acabar atingindo a verdade! É precisamente por ser homem que eu minto. Nem uma só verdade poderias alcançar se antes não mentisses quatorze vezes, e até cento e quatorze vezes, o que representa uma honra sui generis; simplesmente, nós nem sequer sabemos mentir com inteligência! Tu mentes, mas mentes de uma maneira especial, e eu ainda por cima te dou um abraço. Mentir com graça, de uma maneira pesssoal, é quase melhor que dizer a verdade igual todo mundo; no primeiro caso é um homem e, no segundo, não se é mais que um papagaio! A verdade não anda depressa, mas podemos fazer a vida correr; há exemplos disso.”

Nesse sentido, efetivamente, todos nós, e com muita frequência, somos quase dementes, com a única diferença que os doentes são um pouco mais loucos do que nós, porque repare, é preciso distinguir. Mas é verdade que não existe o homem normal, de maneira nenhuma; talvez entre dezenas, e pode até ser que entre centenas de milhares, apenas se encontra um, e, ainda assim, em exemplares bastante fracos…

Após ter pronunciado essas palavras tornou a ficar perplexo e empalideceu; outra vez como que uma nova e terrível sensação de frio mortal lhe correu pela alma, de repente compreendeu claramente que acabara de dizer uma mentira horrível, que não só não teria mais oportunidade de falar com ninguém, como jamais teria de que nem com quem falar. Foi tão violenta a impressão que essa dolorosa idéia lhe causou que, por um momento, se esqueceu praticamente por completo de tudo, levantou-se do seu lugar e, sem olhar para ninguém, quase saiu do quarto.”

*
Folhear livros que alguém já tenha lido e uma sensação estranha e uma experiência única. Não sei bem quem leu antes de mim ou quantos leram o meu Crime e Castigo comprado num sebo na época de estudante. Ler é viajar através das palavras e quando o livro é usado, então, como diz um filme que fala de livros, é uma “Historia sem Fim“, queremos saber quem, quando, onde, e tudo o mais do livro e dos leitores anteriores, do autor, dos personagens, lugares… lemos e descobrimos novos encantos ao relermos.

K.R.

Anúncios

Cartas para Julieta (Letters to Juliet. 2010)

Doce contentamento já passado,
em que todo o meu bem já consistia,
quem vos levou de minha companhia
e me deixou de vós tão apartado?
” (Camões)

Ter Vanessa Redgrave atuando já é um belo convite para que eu assista a um filme. Franco Nero, também. Se bem que com ele nos Westerns de outrora a memória já não ajuda mais. Com ele o que ainda está na memória é seu personagem em ‘Querelle‘. Somado a eles em saber que veria a Itália. Suas paisagens sempre me agradaram. Completaria se tivesse uma Trilha Sonora apaixonante já que Romances na Itália me faz pensar em músicas lindíssimas. Mas isso viria com o desenrolar do filme. Assim, lá fui eu assistir ‘Cartas Para Julieta‘.

Com o início do filme também me peguei a pensar em porque o casal escolheria para uma pré lua de mel Verona. Mas precisamente cenário de ‘Romeu e Julieta’ – de Shakespeare. Seria um teste para ver se o amor deles não morreria?

O porque da escolha de Verona. Para Sophie (Amanda Seyfried) não restara outra opção. Ela queria sim um tempo maior com seu noivo, Victor (Gael García Bernal), porque ele logo inauguraria o seu próprio restaurante. Então ela queria uns dias juntos, só ela e ele. A questão é que o local fora escolhido por Victor. Porque iria ver os fornecedores – vinhos, queijos, frios, azeites… -, para o restaurante. Assim, o cenário shakespeariano para ele era de fato uma viagem de negócios. Nada a ver com a viagem romântica que Sophie planejara.

Embora Sophie trabalhasse numa grande Editora seu trabalho era de apurar dados de um fato. E talvez por ter estado envolvida com a sua mais recente pesquisa – encontrar quem seria o marinheiro sorridente na famosa foto ‘O Beijo na Times Square‘… -, a levou a fantasiar que encontraria a inspiração sob o balcão da Julieta. Além de uns dias in love com Victor. Bem, eu me considero uma pessoa muito romântica, mas também não posso negar o meu lado prático. Dai, se o meu propósito seria escrever uma longa história romântica eu estaria sim fazendo pequenas anotações. Sophie só passou a anotar, a escrever, a partir de uma história que já contarei. Quase uma história pronta como se só lhe faltasse transcrever; colocar no papel uma história alheia. Posso até aceitar como o iniciar de uma carreira literária, mas a personagem parecia um tanto quanto superficial.

Pois se Sophie queria ser mesmo uma escritora… Por que não ia colhendo dados ao acompanhar Victor nas fazendas? Pelo menos já teria um belo background para uma história, e até uma romântica. Acontece que ela não se sentia integrada naquele contexto do seu noivo. Isso já fica evidente quando sente que a sua mão ficou suja com a farinha (trigo) da massa que Victor fizera. E ele estava entusiasmado, como se tivesse inventado o macarrão.

Como podem ver a tal lua de mel estaria relegada aos intervalos que possivelmente ambos teriam com essa viagem. Enquanto isso, Victor era um entusiasmo só, saboreando, como também aprendendo: receitas e a História de cada produto. A única coisa que estava lhe escapando do olhar, era a sua noiva. Que sentiu suja a mão de farinha, mas não fez o mesmo com um sorvete na cara de um outro cara…

Sem a companhia do noivo Sophia vai visitar os pontos turísticos de Verona. Sentada sob o balcão de Julieta fica observando e quem sabe clamando por uma inspiração. Aqui, um outro detalhe a faz uma personagem sem consistência. Pois se queria tanto aproveitar a viagem para escrever um livro e sendo a trama do filme no tempo atual, logo há a internet. Ela já deveria ter lido antes sobre o que fizeram do tal cenário de Shakespeare nas últimas décadas lá em Verona. Até me causou espanto do dela ao ver uma jovem indo embora chorando muito. Não lhe passou pela cabeça que a jovem estava sofrendo por amor?

Saindo um pouco da ficção e falando de Turismo e Marqueting… É que quando governos pensam de fato em investir no Turismo local, conseguem mesmo. Porque turistas geram Receitas. Claro que tem que ter um planejamento, um certo controle para não causar danos ambientais ao local. E foi por ai que fizeram em Verona. Aproveitaram da história do livro para também atrair um outro tipo de Turistas. E a Casa da Julieta alugam até para casamento. Um pouco de Verona:
Verona sabe muito bem o que a faz famosa: a história que data dos tempos romanos, uma localização que a fez ser disputada pela Itália e por outros países europeus, além de algumas das mais bonitas arquiteturas romana, românica, gótica e renascentista de toda a península. Mas tirando os veroneses, pergunte a qualquer outra pessoa o que mais ela conhece sobre a cidade? Romeo e Julieta. Isso mesmo. Em Verona também temos uma casa com balcão.
A família Capuleto, de Romeo e Giulieta, realmente existiu, embora nunca tivessem morado na casa que hoje se chama Casa Giulietta (Via Cappello 23, 045 803 4303). Mesmo assim, os turistas ainda se espremem no pequeno pátio para olhar a varanda, que na verdade foi construída nos anos 1920 para que tivessem algo palpável para olhar. A casa pode ser visitada, mesmo que seja para pisar na varanda e voltar.
” Tem mais aqui: http://www.guiatimeout.estadao.com.br/italia_verona_contexto .

Voltando ao filme… Numa tarde, já quase hora do fechamento, ela vê uma jovem recolher as cartas deixadas por turistas num muro da casa da Julieta. Curiosa, Sophie a segue. A mulher encontra-se com outras num restaurante que tem como nome: Cartas para Julieta. Elas vão para o interior da casa. Sophie as segue e pergunta do porque de recolherem as tais cartas. A jovem em questão é Isabella (Luisa Ranieri). Que explica que ela e as outras – Francesca, Donatella e Maria -, respondem as cartas. Patrocinadas pela Prefeitura. À cada uma um tema específico nessas respostas: conflitos matrimoniais, doenças, perdas

Interessada em algo de fato desde que chegou a Verona Shophie então investe seu tempo em acompanhar o que elas fazem. Indo ajudar Isabella com as cartas, ao retirar uma cai uma pedra do muro. Ela retira uma carta que estava lá dentro. Ao ler vê que fora escrita a 50 anos atrás. E que contava de um grande amor entre dois jovens: ela, uma inglesa, e ele, um italiano. Se conheceram durante uma passagem dela pela Itália. Na carta dizia que estava dividida entre ficar, fugir com ele, ou seguir de volta a Londres com os pais. Já que esses proibiram o namoro. Todas começam a divagar sobre o que teria acontecido depois: se Claire ficara na Itália com o Lorenzo, ou não. Sophie pede para responder a Claire.

Continuando sem ter o noivo ao seu lado… Eis que um jovem inglês bravo se faz presente. Era Charlie (Christopher Egan), o neto de Claire. Ele acompanhara a avó à Itália. Claire aceitara a sugestão de Sophie na carta. Embora décadas se passaram ela queria estar com o seu grande amor Lorenzo. Charlie achava aquilo uma loucura, mas amava a avó para deixá-la sozinha nessa aventura. Claire conta que o conhecera em Siena; viera fazer um Curso de Arte em Toscana. Se valendo do seu talento em apurar dados, Sophie traça num mapa os vários Lorenzo Bartolini daquela região. Então os três seguem juntos nessa busca. Desde aquele que se diz ser o seu jovem Lorenzo, passando até por aquele que a própria esposa pede que o leve, será um longo caminho a ser percorrido…

Cartas Para Julieta‘ trata-se de uma Comédia Romântica com um pouco de Drama. Assim, com todos os ingredientes desse gênero. Logo, não há surpresas no que irá acontecer. O Roteiro também não ajuda muito: é bem mediano. A Trilha Sonora que poderia ser um grande coadjuvante ficou perdida. Com uma ou outra música que combinaram de fato com a cena.

Então, o que fez valer a pena ter assistido? Além de um belo Tour por essa região da Itália.

Gael Garcia parecia uma criança brincando feliz num parque de diversão. Tão esfuziante que acabou passando do tom num solo onde a trama do filme não pedia. Por suas outras passagens em outros filmes fiquei pensando que a Direção falhou muito. Em relação a Amanda Seyfried me peguei a pensar se já fui com um certo olhar crítico já que não gostara também da atuação dela em ‘Querido John‘. Enfim, quem fez de fato valer a pena ter assistido ‘Cartas Para Julieta‘ foi ela: Vanessa Redgrave. Uma das Grandes Divas do Cinema. Vê-la atuando é uma grande aula. Além do que é muito bom em ver em cena um par romântico com atores mais maduros. Franco Nero, casado com ela na vida real, deu química no romance da tela. Como um cavalheiro à moda antiga não catalizou para si os olhares mesmo tendo tão belos olhos. Foi também para a Vanessa a emoção sentida no reencontro.

Então é isso! ‘Cartas Para Julieta‘ é um bom filme, mas que não entrou para a minha lista de querer rever. Quem sabe passado um longo tempo e numa exibição pela televisão.

Por: Valéria Miguez (LELLA)

Cartas para Julieta (Letters to Juliet). 2010. EUA. Direção: Gary Winick. +Cast. Gênero: Comédia, Drama, Romance. Duração: 105 minutos.

(1*) A foto do Balcão da Julieta, foi cortesia desse site: http://www.freefoto.com/