Rindo à Toa (LOL – Laughing Out Loud ®. 2008)

Bem-vindos ao Século XXI, Queridos!

Pois é! Uma das falas do filme. Pontuando o tempo. Onde Pais e seus Filhos Adolescentes vivem em um mundo com internet e celulares. E isso a princípio seria o ponto que faria a diferença de quando eram esses pais, os adolescentes. Mas ao longo do filme vem é a frase símbolo da música de Belchior: “Nós ainda somos os mesmos, e vivemos como nossos pais.” Só que ela teria que vir sempre com uma “interrogação”. Como um alerta. Como uma parada para uma reflexão. Como lições.

O que mudou de uma geração para outra? Não pode só ser os avanços tecnológicos. Os anseios, os medos, os conflitos, os abusos, os desejos… Enfim, todas as emoções vivida quando se é bem jovem não podem ser esquecidas. Ou usando um termo atual, toda essa história passada não deveriam ser deletadas da mente. Se quando adultos, e com filhos querendo também construir a sua própria história, e num período onde a sexualidade está à flor da pele, muitos desses pais acabam por ser tornarem reacionários. Mas por que? O “É Proibido Proibir!” tomou outro rumo? Levando-os agora a terem uma marcação cerrada com seus filhos, e até com uso da tecnologia cerceando as pequenas fugas no meio da noite. A liberalização que tanto ansiaram deixou de existir quando se tornaram pais?

Então o que de fato mudou? Ou melhor, qual seria a tônica nesse filme?

Embora a trama põe no centro a jovem Lola, o que pontua mesmo é: Filhos ontem, pais atuais numa rota de colizão. Creio que muitos de nós, ainda na adolescência, ao ouvir um sonoro “Não!” dos pais, também ouviu como uma explicação, um: “Filho hoje, Pai serás!“. E em vez de se especular sobre esse passado real, fica a sugestão para assistir esse filme que no Brasil ganhou o título de: “Rindo à Toa“. Uma tradução literal de uma expressão do mundo da internet: LOL. Um acrônimo de: laughing out loud. Para mim seria como: “Adolescência – última parada para curtir a vida sem compromissos!”.

Até porque o filme traz os adolescentes voltando das férias escolares mais longas. Para alguns, foram as últimas dessa fase descompromissadas. Por aflorar talentos, e então investirem nisso que já pode ser um passo para uma carreira futura. Mas também para muitos ainda terá a vez e o tempo de zoar com tudo e todos. E nessa volta ao colégio, entre vivenciarem mais um tempo juntos, há o de querer saber o que aconteceu nesse período em que estiveram afastados.

Lola, também chamada de Lol, descobre que seu namorado transou com outra. Com raiva, resolve ter a primeira transa com o melhor amigo de ambos, mas… Paralelo a isso, outros conflitos entre pais e filhos. A própria Lola também está passando por um com a mãe. Pelas páginas de seu Diário é que vamos conhecendo toda a trama. Ou todo o drama dos personagens que por conta da diferença de idade, acaba tendo dois pesos. Pois é! O que pode ser um verdadeiro drama para um, pode não ser para outro.

Nessa em ter “dois pesos – duas medidas”, segue a mãe de Lol, Anne. Personagem da sempre linda Sophie Marceau. Ela que no passado sonhou por uma liberização feminina em relação a sexualidade, no presente se reprime por conta da sociedade local. Assim, transa furtivamente com o ex-marido. Os filhos fingem que não sabem. Como também não ligam pelo fato. Anne também se vê presa a outros preconceitos. Um deles quanto a um cara na moto. Age como se ele tivesse saído de “Sem Destino“. Depois, numa palestra na escola de Lol, percebe a grande mancada. Ele é Delegado da Narcótico. Envergonhada, tenda fugir, mas acabam se encontrando de novo. Mas certos pré-conceitos acabam sendo como manuais para alguns. Como para ele que por força do trabalho consegue traça o perfil de um jovem pelo esteriótipo. Mas diferente de Anne, a sua balança não é de discriminação, e sim em sacar se terá repercussão futura ou não esses pequenos deslizes de quando se é adolescente.

Esses paradoxos também é um dos pontos altos desse filme. Como quando Anne sem querer se depara com o Diário da filha. Não resistindo, lê. E fica assustada pelo o que está escrito ali. Ao mesmo tempo que sabe que foi uma invasão de privacidade e se sente culpada, também pensa num jeito de dar um castigo para a filha. Nem passando por sua cabeça de que ali estaria um talento de Lol aflorando: um dom para romancear seu dia-a-dia. Nem pensou que ali se misturavam ficção e realidade. E a cobrança termina por afastar a filha.

Para os jovens, uma excursão da escola à Inglaterra ganha a dimensão de ficarem juntos e sem a vigilância dos pais. Para esses, também. Só que se tivessem um diálogo maior com os filhos poderiam canalizar toda essa gana por essa breve liberdade numa sutil conversa de que irão conhecer uma outra cultura, de um costume diferente, que terão acesso a uma outra língua, por ai. Sem ser careta, despertar no filho a curiosidade em aumentarem a própria cultura de forma prazeirosa nesse intercâmbio. Até para não estranharem tanto as pessoas como fizeram por lá.

A cada vivência nessa fase, a vida parece não acompanhar a pressa dos adolescentes. Mas de certa forma, para alguns o amadurecimento vem sim rapidamente. Assim, em vez dos pais criarem só barreiras, deveriam deixar umas portas abertas. Inclusive a do coração. Porque num aperto maior, serão a esse pai/mãe que irá pedir por ajuda. E diálogo sempre traz bons resultados.

Por último, embora esses conflitos entre pais e filhos adolescentes seja algo universal, a história do filme tem-na na França. Mesmo não sabendo muito dos costumes desse país transparece em “Lol” que a história nasceu ali. Que é dali. Essa identidade salta aos olhos. Tanto que me levou a pensar se a Diretora, e também Roteirista, conseguiu transferir toda essa história e identificá-la com a cultura estadunidense quando aceitou também dirigir a versão hollywoodiana.

Então é isso! Paisagens lindas. Uma ótima Trilha Sonora! Todos estão em uníssono! Um filme gostoso até de rever!
Nota 09.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Rindo à Toa (LOL – Laughing Out Loud ®. 2008). França. Direção e Roteiro: Lisa Azuelos. Elenco: Sophie Marceau (Anne), Christa Theret (Lola), Jérémy Kapone (Maël), Marion Chabassol (Charlotte), Lou Lesage (Stéphane), Émile Bertherat (Paul-Henri), Félix Moati (Arthur), Louis Sommer (Mehdi), Adéle Choubard (Provence), Jade-Rose Parker (Isabelle de Peyrefitte), Warren Guetta (David Lévy), Alexandre Astier (Alain), Jocelyn Quivrin (Lucas), Françoise Fabian (Mãe de Anne), Christiane Millet (Mãe de Charlotte), Liza Azuelos (Psiquiatra). Gênero: Comédia. Duração: 103 minutos.

Anúncios

Contratadas Para Matar (Les Femmes De L’ombre. 2008)

contratadas-para-matar_posterO filme é muito bom! Válido até como uma aula de História em mostrar a Resistência Francesa frente aos alemães. Mas sem sombra de dúvida ‘Contratadas para Matar‘ dá a nós um belo presente: o de que também as mulheres contribuíram e muito com o término da 2ª Grande Guerra.

Além disso o filme foca a tortura. Até onde vai o limite de cada um. Como também na decisão do que fará ao se vê que não resistiu, em pensar que fracassou. Até com os seus próprios princípios. Como também em até onde sua vida militar interpõe em sua vida particular. Qual é o sentimento na hora decisiva? No dia ‘D’ de cada um deles. E aqui o filme mostra para os dois lados dessa guerra. Pois nas mãos deles todo um futuro estava em jogo.

Como em todas as guerras para que haja sucesso numa operação o mais indicado é que poucos saibam de todos os detalhes. Com essa história não foi diferente. Precisavam de um caminho em segredo até um dos grandes pilares dos inimigos. E seria para um gigantesco Cavalo de Tróia

De início apenas os dois irmãos, Pierre (Julien Boisselier) e Louise (Sophie Marceau), tinham todos os detalhes da operação. Ela sabendo menos que ele. À ela ficou a chefia de um grupo, a sua escolha, para resgatar um importante colaborador. Ele ao ser pego por um militar da SS consegue matá-lo, e trocar de roupas com ele mesmo estando gravemente ferido. Com isso é internado num hospital sitiado pelos alemães. Acontece que o militar que morreu estava justamente numa missão em descobrir sua presença. Até porque era um geólogo.

O militar morto estava sob o comando do jovem e ambicioso Coronel Heindrich (Moritz Bleibtreu). Esse, estava desconfiado que os Aliados tinham um outro plano de invasão. Mas precisava de provas para então chegar até o Marechal-de-Campo Rommel. E a outra parte da missão, o grupo de Louise, era matá-lo antes desse encontro. Seu irmão e o geólogo tinham conhecimento da invasão dos aliados pela Normandia. Ela e seu grupo só viriam a tomar conhecimento mais tarde.

Para a formação de seu grupo, Louise escolhe quatro mulheres. Que estariam dispostas a matar, como até a morrer se fosse preciso. Uma delas, Suzy (Marie Gillain), fora namorada de Heindrich. Cabendo a ela se encontrar com ele. Mal sabia ela que ele contratara alguém para encontrá-la. As demais eram:
– Gaëlle, especialista em explosivos. Com o seu disfarce caberia a ela, num tempo curto, deixar os explosivos nos carros no hospital. Para não serem seguidos.
– Jeanne (Julie Depardieu), uma prostituta. Precisavam de alguém destemida o bastante para um show como forma de entreter pacientes e soldados no tal hospital.
– E Maria (Maya Sansa). Essa era conhecida pelos da Resistência Francesa. Faria todos os contatos.
Com o grupo pronto, e com um único dia de treinamento, saltariam de paraquedas quase que também metaforicamente em plena guerra.

E o filme vai mostrando toda essa operação bem às vésperas do Dia D. Até o anúncio da rendição final dos alemães. A essas heroínas, meus aplausos!

É excelente! Filme para ver e rever! Nota 10.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Um resumo do que foi o Dia D: “No seis de junho de 1944, o Dia-D, deu-se a maior operação militar aeronaval da história. Naquela data, 155 mil homens dos exércitos dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e Canadá, lançaram-se nas praias da Normandia, região da França atlântica, dando início à libertação européia do domínio nazista.

Transportados por uma frota de 14.200 barcos, protegida por 600 navios e milhares de aviões, asseguraram uma sólida cabeça-de-praia no litoral francês e dali partiram para expulsar os nazistas de Paris e, em seguida, marchar em direção à fronteira da Alemanha. Era o primórdio do colapso final do III Reich, o império que, segundo a propaganda nazista, deveria durar mil anos.” (Fonte.)

Contratadas Para Matar (Les Femmes De L’ombre). 2008. França. Direção e Roteiro: Jean-Paul Salomé. Elenco. Gênero: Ação, Aventura, Drama, Guerra, História. Duração: 120 minutos.