Um Tour pelo Oriente Médio Através dos Filmes

onde-no-mundo-esta-osama-bin-ladenUm tempinho atrás li que o Turismo por regiões em conflitos está sendo bem rentável. Eu, mesmo com todas as belezas naturais, não iria. Preferindo conhecer certos lugares através dos filmes. E para quem quiser fazer o mesmo, trago um tour pelo Oriente Médio, e um pouco além. Vem comigo!

Se na infância o que vinha de toda essa região do planeta eram as histórias das Mil e Uma Noites, atualmente o que os noticiários nos trazem maciçamente são as guerras. Internas e externas. Dependendo de quem quer que ela seja divulgada. Me faz lembrar da frase dita por uma jornalista ao seu chefe que abortara a sua reportagens por ordens superiores, essa:

Se ninguém ver, talvez signifique que não tenha acontecido.”

Ou, como querem que seja divulgado a notícia. Às vezes fazem de um cordeiro, um leão. Certeza mesmo, temos que há o interesse material por trás de tudo. As tidas guerras santas, as ideologias são apenas para fazer a cabeça do povão.

Por vezes, ficamos nós presos aos esteriótipos que nos passam. Foi até para clarear a impressão que eu tinha dos homens-bombas, que assisti “Paradise Now“. Limpar, limpou, mas não a ponto de aceitar tal coisa. Fora dos bancos escolares, se quisermos saber mesmo o que de fato ocorre por lá, precisaremos fazer uma filtragem nas News. Ou, usar também um filtro nas histórias que os livros e os filmes contam. No filme “O Preço da Coragem” (A Mighty Heart), uma jornalista, por conta de vivenciar um grande drama – o marido ser seqüestrado por ser americano, judeu, e repórter de um influente jornal -, ela tenta ser imparcial no relato. O filme é baseado num caso real.

as-1001-noitesNum resgate às lembranças da infância, temos alguns Animações, ou mesmo filmes do tipo sessão-da-tarde, para mostrar um pouco de tão rica são as histórias dessa região. Tais como: “Ali Babá e os Quarenta Ladrões“, “Aladim e a Lâmpada Maravilhosa“, “Simbad, o Marujo“, “As Mil e Uma Noites” (Nights Arabian)… Assim, a Sherazade que há em nós, pode passar aos mais jovens que com criatividade podemos ir longe. E numa visão bíblica, o “O Príncipe do Egito“.

Ao fazer uma pesquisa, eu encontrei um, que fiquei com vontade de ver. É esse: “As Aventuras de Azur e Asmar“. ‘A história de Azur e Asmar é disfarçadamente armada para fazer ponte com a atual relação entre europeus e africanos/árabes. Durante a ação, situações de choque entre uma cultura e outra, mostrando o quanto a intolerância entre Ocidente e Oriente é absurda. É antes de tudo um filme sobre descobertas. Sobre abrir a cortina que esconde a beleza de uma cultura e desvendar seu colorido, sua estranheza e complexidade.‘ Tem mais aqui.

Outro filme que ainda atrairia um público jovem para uma aula de história disfarçada, é o “O Caçador de Pipas“. Com a invasão do Iraque, o Bush achou que tudo terminaria logo, mais ainda há distúrbios. Pior! Os talibãs estão ganhando terreno. Para conhecer um pouco mais dos conflitos ocorridos no Afeganistão que inflamou a esses fanáticos, além de saber como e porque o Congresso dos Estados Unidos ‘cooperam’ com os que estão em guerra, cito dois: “Jogos do Poder” e “Tiros em Columbine“.

Também onde podemos ver um passado mítico daquela região, seriam em alguns Clássicos, tais como: “O Rei dos Reis“, “Os Dez Mandamentos“, “José e Seus Irmãos“, “Ben-Hur“, “Cleópatra“, “David e Betsabá“, “Spartacus“… São filmes que as televisões costumam passar próximo ao Natal. Mas já fica um adendo em conferir também a geografia do local.

oriente-medioSe a geo-política dessa região já era uma babel no passado longínquo, atualmente é um barril de pólvora. Mais que conquistar territórios como na época das Cruzadas, o agora é marcar o território com companhias petrolíferas. Com acordos entre nações que nem vizinhas são. Essa paz sedimentada pelo ouro negro, foi o que ocorreu entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita. Mas até quando essa paz resistirá? Eu já listei para ver o “Syriana – A Indústria do Petróleo“.

Na guerra, o único heroísmo é sobreviver“. (Samuel Fuller)

the-kingdomHá uma safra de filmes que estou pretendendo ver. Um deles, é o “O Suspeito” (Rendition), onde um egípcio é torturado, de acordo com a lei Extreme Rendition, por ser suspeito de ser terrorista. Baseado em fatos reais. Outro, “O Reino” (The Kingdom), quando um terrorista detona uma bomba no interior de uma zona residencial americana em Riad, na Arábia Saudita, desencadeando um incidente internacional. Agentes do FBI e oficiais sauditas na caça ao terroristas. Juntos? Irei conferir. Também o Documentário “Caminho para Guantánamo” (Road to Guantanamo), onde três jovens britânicos com origem paquistanesa são levados presos por suspeita de terrorismo. E eles eram inocentes. Esse outro, o “Rede de Mentiras” (Body of Lies), no qual um ex-jornalista ferido na Guerra do Iraque é contratado pela CIA para ajudar na captura de um líder da Al Qaeda na Jordânia. Mais um seria o “Nesse Mundo” (In This World), onde dois refugiados do Afeganistão que viviam em um campo em Peshawar tentam escapar para a Grã-Bretanha, procurando uma vida melhor. A perigosa jornada os leva até a “rota da seda”, passando pelo Paquistão, Irã e Turquia, até chegarem a Londres.

where-in-the-world-is-osama-bin-ladenFiquei com vontade de também ver esse filme documentário: “Onde no mundo está Osama Bin Landen?“. ‘O Diretor Morgan Spurlock está decidido a encontrar SOZINHO a pessoa mais “não encontrável” do planeta. Se o FBI e a CIA não conseguiram ainda, talvez ele seja nossa última esperança não é? Usando uma narrativa documental repleta de humor ácido, semelhante ao quem vemos nas produção de Michael Moore, o filme mostra a jornada de Morgan pelos locais que possam servir de esconderijo do terrorista mais procurado do mundo.‘ Tem mais aqui.

Ainda na linha de comédia, deixo a sugestão do “A Banda“, onde egípcios e israelenses para se entenderem fazem uso da língua inglesa. Mas também mostra que o que realmente nos difere, são os muros das fronteiras. Isso claro, para nós seres pacíficos.

E para terminar, um que envolve guerras por etnia e religião, onde uma mãe abdica de seu único filho, o único que o horror da guerra não matou, para que ele sobreviva. Mais! Para dar a ele a chance de ser alguém. O filme é “Um Herói do Nosso Tempo” (Va, Vis et Deviens). Ele foi um dos sobreviventes da Operação Moisés, que o governo israelense resgatou em 1984, no Sudão.

palestina-israel-libanoPor fim, quem sabe um dia, uma Sherazade surja a cada um desses fomentadores de guerras, e os façam parar, por mil e uma noites, como também mil e um dias. E então, os outdoors com paisagens bucólicas virão nos mostrar e convidarmos a conhecer um Novo Oriente Médio. Um reino de paz e fantasias!

See You!

Por: Valéria Miguez (LELLA) (Em 27/09/08).

Anúncios

CHEЯNOBYL — Sinta a Radiação (CHEЯNOBYL Diaries. 2012)

A premissa é instigante. Restaria alguma vida, ainda que alterada pela radioatividade, na cidade fantasma de Pripyat na Ucrânia, local onde moravam os trabalhadores da usina de Chernobyl que devastou a região no maior acidente nuclear da história há mais de duas décadas?

O turismo sacia até hoje a curiosidade mórbida daqueles que querem ver o local desta e de outras tragédias espalhadas pelo globo. Partindo deste fato, o diretor Bradley Parker criou um filme realmente assustador protagonizado por seis jovens ávidos por um passeio mais radical pela Europa. Assim, três casais decidem mudar um roteiro tradicional rumo à Rússia e contratam os serviços de um guia experiente para conhecer Chernobyl. No entanto, imprevistos e estranhos acidentes anunciam nova catástrofe no lugar que deveria estar deserto.

Parker retoma ao estilo de terror sangrento típico dos anos 80 quando mortes terríveis eram relacionadas à libido das vítimas. Há muito suspense, sustos e imagens sugeridas dentro de um clima claustrofóbico valorizado por uma paisagem naturalmente lúgubre e inóspita, elementos suficientes para um bom filme do gênero.

A obra acerta quando insinua sem explicitar dando um toque fantasmagórico ao enredo, mas erra feio nos créditos finais onde faz concessão ao mercado adolescente que insiste que filmes deste tipo devem ser concluídos com um rock barulhento que destrói subitamente a atmosfera tensa e soturna bem desenvolvida ao longo de cerca de noventa minutos de gelar a alma.

Chernobyl — Sinta a radiação (Chernobyl Diaries. 2012). EUA
• Direção: Bradley Parker
• Roteiro: Oren Peli (história e roteiro), Carey Van Dyke e Shane Van Dyke (roteiro)
• Elenco: Ingrid Bolsø Berdal (Zoe), Olivia Dudley (Natalie), Dimitri Diatchenko (Uri), Devin Kelley (Amanda), Jesse McCartney (Chris), Nathan Phillips (Michael), Jonathan Sadowski (Paul).
• Gênero: Terror
• Duração: 86 minutos

Diário de um Jornalista Bêbado (The Rum Diary. 2011)

Eles sabem o preço de tudo e o valor de nada.” (Oscar Wilde)

Primeiramente eu diria que se faz necessário buscar na memória as aulas de História sobre a década de 60 (Surgimento do Feminismo, dos Movimentos Civis em favor dos Negros e dos Homossexuais, a Contracultura, a Revolução Cubana com Fidel Castro, os Hippies, a Guerra Espacial, o assassinato de John F. Kennedy…), como também é válido lembrar das aulas de Geo-Política. Já que estamos falando de Porto Rico, que ainda se mantém ligado aos Estados Unidos como ‘Estado Livre Associado’, e cuja localização era um importante ponto econômico-militar no Caribe para o Tio Sam. Como também, pela beleza natural do Caribe, a especulação imobiliária é como achar uma arca de tesouros. Vimos essa parte, mas em outra “colônia” do Tio Sam em “Os Descendentes“. Digo isso que assim poderão absorver melhor o filme “Diário de um Jornalista Bêbado“.

Por se tratar de período e local dessa história. Onde entre uma golada e outra, o Roteiro do também Diretor do filme, Bruce Robinson, traz muita informação histórica. Claro que em pequenas doses. Mas que deixaram uma vontade de ler o livro, “The Rum Diary“, do jornalista Hunter S. Thompson, o qual o filme foi baseado. E que para entender um pouco mais do personagem principal, também se faz necessário algo da realidade de Thompson. É que ele foi um criador de um estilo denominado Jornalismo Gonzo: em seus artigos há uma total liberdade em narrar um fato, intercalando ficção e realidade, colocando seu parecer. Um jornalista cronista. Nada imparcial. No filme “O Solista” se tem uma ideia de que Thompson realmente fez escola!

Então, por conta disso a ida do personagem principal para Porto Rico caiu como uma luva para uns investidores do ramo hoteleiro. Ele é o jornalista Paul Kemp, vivido por Johnny Depp. Kemp abandonou a Big Apple. Queria Rum, Mulheres e liberdade para escrever do seu jeito as crônicas do dia a dia. Muito sagaz, em seus momentos sóbrios, por tudo aquilo que vê, quase prefere voltar a ficar ébrio por mais tempo. Ciente de que para levar a vida ao seu estilo, precisará de alguém que banque.

Kemp ao largar tudo em Nova Iorque, nem imagina o que vivenciará em Porto Rico. Na bagagem, levará o seu talento para escrever. Aceitando um emprego num jornal local, vai com a cara e a coragem, mas só toma ciência do cargo já estando na ilha, e na presença do Editor-Chefe Lotterman. Personagem do sempre ótimo Richard Jenkins! Coube a Kemp a Coluna de Horóscopo e a de Turistas. Sem outro jeito, ele aceita.

Na Redação ele conhece o Fotógrafo Sala. Papel muito bem interpretado por Michael Rispoli. Houve uma química ótima entre esses dois. Como também há uma cena que entra para a História do Cinema no quesito: dois no volante. É hilária! Como só ela já pagaria em assistir esse filme. Se Kemp realizou o sonho de morar em Porto Rico, Sala mantém o sonho de ir para o México. Mas sem a coragem de largar tudo, vai levando a vida como pode. Kemp e Sala tornam-se grandes amigos. Companheiros também na esbórnia. Mas que os deixa como ‘Dom Quixote e Sancho Pancha’ porque um consegue frear o outro quando se faz necessário.

Sala apresenta a sua Porto Rico para Kemp: lugares e habitantes. É quando Kemp conhece outro jornalista etílico: Moberg. Numa magistral interpretação do Giovanni Ribisi. Ele quase rouba todas as cenas, só não faz isso porque chama a todos para o pódio. Sem querer, Moberg fará com que Lotterman “promova” Kemp. E sem ter planejado, Kemp tem o seu talento também cobiçado por Sanderson. Personagem Aaron Eckhart, que não faz feio, mas pelo personagem poderia ter voado mais alto.

O Grupo de Sanderson quer construir um grande Hotel, aliás, dois. Um, para a Elite. E o outro para os Turistas de Classe Média. Esses, só ficam mesmo no perímetro do Hotel. Têm medo de saírem pelas ilhas, por acharem perigoso. Em parte é! Já que são vistos como os brancos colonizadores. Que lhes tomam o belíssimo litoral.

Kemp vai tentando levar os “dois patrões”, até porque ainda não conseguiu encontrar o tom certo em seu texto. Ele quer ouvir a sua voz interior. Mais uma vez, será Moberg que o levará a isso. Pelo jeito, naquela ilha encantada, entre vudus e muito rum, existe um anjo da guarda um tanto quanto torto. Mas com tanto imprevistos, Kemp não contava por um: o se apaixonar pela mulher de um dos seus patrões, o Sanderson. Ela é Chenault, personagem de Amber Heard. Loura e linda, será disputada por dois galos de brigas: Kemp versus Sanderson. E será uma briga feia! Por fim, a Voz é ouvida. Lhe dando munição para lutar contra os que fazem parte do Sistema, a quem Kemp chama de ‘Bastardos’.

O “Diário de um Jornalista Bêbado” está todo amarradinho. Conseguindo mostrar, e sem entediar, a passagem de Paul Kemp por Porto Rico. Para alguém que só trouxe como bagagem um talento ainda adormecido, ele cresce como pessoa e no campo profissional também. Johnny Depp está excelente! Seu Kemp é único. Muito bom quando um ator consegue diferenciar todos os personagens. Ainda mais que estando no Caribe poderia ter escorregado para o seu Jack Sparrow. Great!

Então é isso! Com um elenco afinado. Paisagem belíssimas. Trilha Sonora à altura da obra. O filme cumpre a sua missão, de entreter, e de querer rever!
Nota 09.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Diário de um Jornalista Bêbado (The Rum Diary. 2011). EUA. Direção e Roteiro: Bruce Robinson. Elenco: Johnny Depp, Richard Jenkins, Giovanni Ribisi, Aaron Eckhart, Michael Rispoli, Amber Heard, Amaury Nolasco, Karen Austin, Marshall Bell, Andy Umberger, Bill Smitrovich. Gênero: Aventura, Comédia, Drama, Romance. Duração: 110 minutos. Baseado no romance homônimo de Hunter S. Thompson.

Curiosidades:
» Bruce Robinson rodou o filme em 2009, em Porto Rico.

Cartas para Julieta (Letters to Juliet. 2010)

Doce contentamento já passado,
em que todo o meu bem já consistia,
quem vos levou de minha companhia
e me deixou de vós tão apartado?
” (Camões)

Ter Vanessa Redgrave atuando já é um belo convite para que eu assista a um filme. Franco Nero, também. Se bem que com ele nos Westerns de outrora a memória já não ajuda mais. Com ele o que ainda está na memória é seu personagem em ‘Querelle‘. Somado a eles em saber que veria a Itália. Suas paisagens sempre me agradaram. Completaria se tivesse uma Trilha Sonora apaixonante já que Romances na Itália me faz pensar em músicas lindíssimas. Mas isso viria com o desenrolar do filme. Assim, lá fui eu assistir ‘Cartas Para Julieta‘.

Com o início do filme também me peguei a pensar em porque o casal escolheria para uma pré lua de mel Verona. Mas precisamente cenário de ‘Romeu e Julieta’ – de Shakespeare. Seria um teste para ver se o amor deles não morreria?

O porque da escolha de Verona. Para Sophie (Amanda Seyfried) não restara outra opção. Ela queria sim um tempo maior com seu noivo, Victor (Gael García Bernal), porque ele logo inauguraria o seu próprio restaurante. Então ela queria uns dias juntos, só ela e ele. A questão é que o local fora escolhido por Victor. Porque iria ver os fornecedores – vinhos, queijos, frios, azeites… -, para o restaurante. Assim, o cenário shakespeariano para ele era de fato uma viagem de negócios. Nada a ver com a viagem romântica que Sophie planejara.

Embora Sophie trabalhasse numa grande Editora seu trabalho era de apurar dados de um fato. E talvez por ter estado envolvida com a sua mais recente pesquisa – encontrar quem seria o marinheiro sorridente na famosa foto ‘O Beijo na Times Square‘… -, a levou a fantasiar que encontraria a inspiração sob o balcão da Julieta. Além de uns dias in love com Victor. Bem, eu me considero uma pessoa muito romântica, mas também não posso negar o meu lado prático. Dai, se o meu propósito seria escrever uma longa história romântica eu estaria sim fazendo pequenas anotações. Sophie só passou a anotar, a escrever, a partir de uma história que já contarei. Quase uma história pronta como se só lhe faltasse transcrever; colocar no papel uma história alheia. Posso até aceitar como o iniciar de uma carreira literária, mas a personagem parecia um tanto quanto superficial.

Pois se Sophie queria ser mesmo uma escritora… Por que não ia colhendo dados ao acompanhar Victor nas fazendas? Pelo menos já teria um belo background para uma história, e até uma romântica. Acontece que ela não se sentia integrada naquele contexto do seu noivo. Isso já fica evidente quando sente que a sua mão ficou suja com a farinha (trigo) da massa que Victor fizera. E ele estava entusiasmado, como se tivesse inventado o macarrão.

Como podem ver a tal lua de mel estaria relegada aos intervalos que possivelmente ambos teriam com essa viagem. Enquanto isso, Victor era um entusiasmo só, saboreando, como também aprendendo: receitas e a História de cada produto. A única coisa que estava lhe escapando do olhar, era a sua noiva. Que sentiu suja a mão de farinha, mas não fez o mesmo com um sorvete na cara de um outro cara…

Sem a companhia do noivo Sophia vai visitar os pontos turísticos de Verona. Sentada sob o balcão de Julieta fica observando e quem sabe clamando por uma inspiração. Aqui, um outro detalhe a faz uma personagem sem consistência. Pois se queria tanto aproveitar a viagem para escrever um livro e sendo a trama do filme no tempo atual, logo há a internet. Ela já deveria ter lido antes sobre o que fizeram do tal cenário de Shakespeare nas últimas décadas lá em Verona. Até me causou espanto do dela ao ver uma jovem indo embora chorando muito. Não lhe passou pela cabeça que a jovem estava sofrendo por amor?

Saindo um pouco da ficção e falando de Turismo e Marqueting… É que quando governos pensam de fato em investir no Turismo local, conseguem mesmo. Porque turistas geram Receitas. Claro que tem que ter um planejamento, um certo controle para não causar danos ambientais ao local. E foi por ai que fizeram em Verona. Aproveitaram da história do livro para também atrair um outro tipo de Turistas. E a Casa da Julieta alugam até para casamento. Um pouco de Verona:
Verona sabe muito bem o que a faz famosa: a história que data dos tempos romanos, uma localização que a fez ser disputada pela Itália e por outros países europeus, além de algumas das mais bonitas arquiteturas romana, românica, gótica e renascentista de toda a península. Mas tirando os veroneses, pergunte a qualquer outra pessoa o que mais ela conhece sobre a cidade? Romeo e Julieta. Isso mesmo. Em Verona também temos uma casa com balcão.
A família Capuleto, de Romeo e Giulieta, realmente existiu, embora nunca tivessem morado na casa que hoje se chama Casa Giulietta (Via Cappello 23, 045 803 4303). Mesmo assim, os turistas ainda se espremem no pequeno pátio para olhar a varanda, que na verdade foi construída nos anos 1920 para que tivessem algo palpável para olhar. A casa pode ser visitada, mesmo que seja para pisar na varanda e voltar.
” Tem mais aqui: http://www.guiatimeout.estadao.com.br/italia_verona_contexto .

Voltando ao filme… Numa tarde, já quase hora do fechamento, ela vê uma jovem recolher as cartas deixadas por turistas num muro da casa da Julieta. Curiosa, Sophie a segue. A mulher encontra-se com outras num restaurante que tem como nome: Cartas para Julieta. Elas vão para o interior da casa. Sophie as segue e pergunta do porque de recolherem as tais cartas. A jovem em questão é Isabella (Luisa Ranieri). Que explica que ela e as outras – Francesca, Donatella e Maria -, respondem as cartas. Patrocinadas pela Prefeitura. À cada uma um tema específico nessas respostas: conflitos matrimoniais, doenças, perdas

Interessada em algo de fato desde que chegou a Verona Shophie então investe seu tempo em acompanhar o que elas fazem. Indo ajudar Isabella com as cartas, ao retirar uma cai uma pedra do muro. Ela retira uma carta que estava lá dentro. Ao ler vê que fora escrita a 50 anos atrás. E que contava de um grande amor entre dois jovens: ela, uma inglesa, e ele, um italiano. Se conheceram durante uma passagem dela pela Itália. Na carta dizia que estava dividida entre ficar, fugir com ele, ou seguir de volta a Londres com os pais. Já que esses proibiram o namoro. Todas começam a divagar sobre o que teria acontecido depois: se Claire ficara na Itália com o Lorenzo, ou não. Sophie pede para responder a Claire.

Continuando sem ter o noivo ao seu lado… Eis que um jovem inglês bravo se faz presente. Era Charlie (Christopher Egan), o neto de Claire. Ele acompanhara a avó à Itália. Claire aceitara a sugestão de Sophie na carta. Embora décadas se passaram ela queria estar com o seu grande amor Lorenzo. Charlie achava aquilo uma loucura, mas amava a avó para deixá-la sozinha nessa aventura. Claire conta que o conhecera em Siena; viera fazer um Curso de Arte em Toscana. Se valendo do seu talento em apurar dados, Sophie traça num mapa os vários Lorenzo Bartolini daquela região. Então os três seguem juntos nessa busca. Desde aquele que se diz ser o seu jovem Lorenzo, passando até por aquele que a própria esposa pede que o leve, será um longo caminho a ser percorrido…

Cartas Para Julieta‘ trata-se de uma Comédia Romântica com um pouco de Drama. Assim, com todos os ingredientes desse gênero. Logo, não há surpresas no que irá acontecer. O Roteiro também não ajuda muito: é bem mediano. A Trilha Sonora que poderia ser um grande coadjuvante ficou perdida. Com uma ou outra música que combinaram de fato com a cena.

Então, o que fez valer a pena ter assistido? Além de um belo Tour por essa região da Itália.

Gael Garcia parecia uma criança brincando feliz num parque de diversão. Tão esfuziante que acabou passando do tom num solo onde a trama do filme não pedia. Por suas outras passagens em outros filmes fiquei pensando que a Direção falhou muito. Em relação a Amanda Seyfried me peguei a pensar se já fui com um certo olhar crítico já que não gostara também da atuação dela em ‘Querido John‘. Enfim, quem fez de fato valer a pena ter assistido ‘Cartas Para Julieta‘ foi ela: Vanessa Redgrave. Uma das Grandes Divas do Cinema. Vê-la atuando é uma grande aula. Além do que é muito bom em ver em cena um par romântico com atores mais maduros. Franco Nero, casado com ela na vida real, deu química no romance da tela. Como um cavalheiro à moda antiga não catalizou para si os olhares mesmo tendo tão belos olhos. Foi também para a Vanessa a emoção sentida no reencontro.

Então é isso! ‘Cartas Para Julieta‘ é um bom filme, mas que não entrou para a minha lista de querer rever. Quem sabe passado um longo tempo e numa exibição pela televisão.

Por: Valéria Miguez (LELLA)

Cartas para Julieta (Letters to Juliet). 2010. EUA. Direção: Gary Winick. +Cast. Gênero: Comédia, Drama, Romance. Duração: 105 minutos.

(1*) A foto do Balcão da Julieta, foi cortesia desse site: http://www.freefoto.com/

Falando Grego (2009). Uma bela viagem pela Grécia!

Não dá para passar batido por esse filme. Não é um grande filme. Nem tampouco vai deixar saudades. Mas assim mesmo o indico para algumas pessoas. E quem seriam elas? De cara, para quem sonha conhecer a Grécia. A esses, esqueçam a história de “Falando Grego“, se vejam sentados numa poltrona, e embarquem nessa viagem de turismo por belíssimos cenários grego. Só por conta disso, é que eu tornaria a ver esse filme. As paisagens são deslumbrantes.

Aqueles que lidam com turistas, ou até estejam estudando dentro dessa área, Turismo, também fica a sugestão. Embora por ser uma comédia, acentuam os esteriótipos dos turistas por nacionalidades, é sempre um dado relevante aos seus estudos. Dizem que aos turistas japoneses, fecham os olhos quando tiram fotos dentro de museus parisienses. Porque são os turistas que mais gastam dinheiro em viagens. Nesse filme, há turistas de várias nacionalidades. Que a guia, Georgia (Nia Vardalos), já os define como sendo:
– Australianos, bebuns.
– Americanos, irritantes.
– Canadenses, educados. Mas esses vão para um outro Guia da Agência.

Além, de classificar também por comportamento. E aqui entra alguém que citarei mais adiante. Por hora, o rótulo dado por ela: um chato que se acha o maioral do grupo. Forçando a barra em ser o mais engraçadinho. Ele é Irv Gordon (Richard Dreyfuss).

Acontece que Georgia que é chata. Não conseguindo disfarçar a sua frustração por esse emprego. Voltara a sua terra natal querendo lecionar História Clássica na universidade. Como não conseguiu, quis então dar aulas aos turistas. Não percebendo o quanto é entediante essas suas falas.

Viajar é mudar o cenário da solidão.” (Mário Quintana)

Essa frase de Quintana cairia bem para esses dois personagens: Georgia e Irv. Muito embora ela já estivesse passado da fase de ter um Mentor. Eu até posso estar sendo preconceituosa, mas chegar na idade dela sem estar bem resolvida, fica parecendo que baixou uma adolescência tardia. E é até por isso que eu defini o Irv como um Mentor da Heroína desse filme. Aqui, no sentido mesmo de protagonista. Irv vai mostrando a ela o que está diante dela, e ela não está vendo. Por estar amarga demais.

Com Irv, a alegria quase forçada, vem para não sentir o peso da solidão. O peso de uma perda. Que o faz ressentir-se se não soube desfrutar, aproveitar, doar-se plenamente. Enfim se ele conseguiu ser especial para uma certa pessoa. Pesava-lhe o receio de não o ter conseguido. E essa viagem à Grécia foi para fazer esse resgate. Um longo mergulho em sua alma.

Por conta disso tenta mostrar a Georgia que ela está desperdiçando seu tempo de vida. Falando grego para aqueles turistas. E nem vendo um deus grego vivinho ao seu lado.

Pausa para falar do ator Richard Dreyfuss. Primeiro, que num mundo onde dão mais destaque aos cada vez mais jovens, ver alguém que já passou dos sessenta anos de idade ainda atuando, para mim é uma grata satisfação. Meio redundante. Mas fico feliz em ver. Depois, que esse ator faz parte da minha memória cinéfila. Em cenas ainda guardadas com carinho de vários filmes seus. Em Tubarão, por exemplo, onde seu medo foi sentido pelo público. Mesmo que seja num filme como esse fica aqui o meu aplauso. Valeu, Dreyfuss! Vida longa a ti!

Então, é isso! Falando Grego é uma linda viagem pela Grécia! Com uma pitada de: abra os seus olhos porque a vida é bela e curta.

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Falando Grego (My Life in Ruins).2009. EUA. Direção: Donald Petrie. Elenco: Nia Vardalos (Georgia), Richard Dreyfuss (Irv), Alexis Georgoulis (Poupi Kakas), +Cast. Gênero: Comédia Romântica. Duração: 98 minutos.