O Amor é Estranho (Love is Strange. 2014)

o-amor-e-estranho_2014É! O amor é estranho por levar a uma decisão que deixará ambos felizes, mesmo tendo consciência que isso terá consequências desagradáveis. Mas pelo momento em si, vai lá e faz assim mesmo! Arrojo, maturidade…? Pode ser… O amor é estranho por levar alguém a ficar de longe admirando a pessoa amada, e que depois descobre que ela fazia o mesmo, e que mesmo assim travou o desejo da aproximação. Timidez, inexperiência…? Poder ser… O amor é estranho por fazer alguém a ser quase coadjuvante na vida do outro até que decide protagonizar a própria vida quando então o outro descobre o quanto esse amor era importante. Seguir em frente? Dar outra chance?… São certezas, dúvidas que permeiam a todos, principalmente em relacionamentos… No fundo é quase um momento de olhar no espelho e dizer amigavelmente: “Olá, estranho!

Muito bom quando se vê uma Hollywood colocando como protagonistas um casal homo e que por décadas levam uma vida plena de amor! Não que isso seja o pano de fundo em “O Amor é Estranho“, mas sim porque isso é que se deveria ver em toda a sociedade moderna. O que o filme traz são as incongruências das e nas atitudes que as pessoas são levadas a fazer em nome do amor. Até pela atitudes destemperadas por falta de um diálogo mais franco. Que às vezes nem se trata de ser por falta de amor, mas sim por acumular coisas mal resolvidas. Até pelo imediato de não pesar prós e contras… Indo por uma boa intenção… Levando então as explosões que poderão deixar feridas… E aí é cada um assumindo de um jeito próprio por mais estranho que isso possa parecer.

o-amor-e-estranho_2014_01Em “O Amor é Estranho” o casal Ben (John Lithgow) e George (Alfred Molina) após décadas de uma relação cheia de amor resolvem oficializar a união. Família e amigos comparecem até para abençoarem o gesto. Acontece que sai das intimidades desses lares… incomodando a Igreja. Tudo porque George dar aulas de Música num Colégio Católico. Todos – pais, alunos, corpo docente – até sabiam da relação dos dois, mas ao colocar num papel… O Diretor da instituição se vê obrigado a seguir a um outro papel: onde o casamento de George e Ben peca contra os preceitos da religião.

Com isso, só a renda da aposentadoria de Ben e somada as aulas particulares de piano dadas por George não dariam para cobrir todos os gastos de onde moravam. Decidem vender o imóvel e comprar um mais acessível aos bolsos dos dois. Mas até lá precisariam ficar de favor na casa de alguém. Ben então vai para a casa do sobrinho Elliot (Darren E. Burrows) e George vai para a casa do filho Roberto (Manny Perez). E é quando se convive sob o mesmo teto com esses familiares que a coisa começa a desandar.

o-amor-e-estranho_2014_02Elliot é casado com Kate (Marisa Tomei) e têm um único filho, o “adolescente” Joey (Charlie Tahan). Kate trabalha em casa: é escritora. Ben dorme numa beliche no quarto de Joey que não gostou nada dessa intromissão. Ben fica sem saber onde passar as horas do dia, sem querer também incomodar Kate que está escrevendo um novo romance… Para piorar essa nova vida dos quatro… Algo vem à tona: um temor de Elliot em relação ao próprio filho. É! Na intimidade de um lar é que se conhece de perto alguém… Mas mais do que uma panela de pressão prestes a explodir… É de Ben que Joey recebe uma real atenção, e mesmo tendo sido tão rude com o tio. Se na outra casa é por demais silenciosa… Na casa de Roberto que vive maritalmente com Ted (Cheyenne Jackson) mais parece uma boate onde todas as noites acabam em festas. Levando George a poucas horas de sono, e acabam deixando-o sem paciência durante as aulas… À primeira vista pode-se achar que Ben e George deveriam ter trocado de casas: um poderia dormir à noite e o outro durante o dia. Enfim, mesmo parecendo terem errado nessa “estadia provisória”… Foi devido a uma dessas baladas noturnas da casa do filho que George conheceu Ian (Christian Coulson) e…

Fora um jeito do destino tentar reorganizar a vida de todos? Mesmo já tendo abalado alguns dos relacionamentos? Essa nova virada ainda estaria em tempo para aproveitá-la? As feridas se cicatrizaram? Pode até ser… Pois tendo amor no coração ele tambem deixa um convite a fechar um capítulo, tendo novas páginas para seguir em frente até como se nada tivesse acontecido… Afinal, o amor é estranho mesmo!

o-amor-e-estranho_2014_diretor-e-proagonistasO Diretor Ira Sachs merece aplausos pelo conjunto da obra: atuações, trama, trilha sonora…! Um filme que pelo o que consta gerou polêmica nos Estados Unidos até pela “liga da moralidade e dos bons costumes” a MPAA – órgão censor daquele país -, que classificou-o como inapropriado para menores de 17 anos. Caramba! Só por beijos na boca entre homens? Mas enfim, querendo saber mais sobre essa tal MPAA, sugiro o Documentário “Este Filme Ainda Não Foi Classificado“, do Diretor Kirk Dick. Há um porém nesse filme e numa fala que o liga ao Brasil, a um certo estigma, e que eu fiquei sem entender até porque quem também assina o Roteiro é o brasileiro Mauricio Zacharias (de “O Céu de Sueli”). Ele bem que poderia não ter colocado tal estigma. Seria ele um “coxinha”?

No mais, “O Amor é Estranho” é muito bom! Merece ser visto! Quanto a rever, quem sabe algum dia… Nota 08!

O Amor é Estranho (Love is Strange. 2014)
Ficha Técnica: na página no IMDb.

Anúncios

Gata Velha Ainda Mia (2013)

Gata-Velha-Ainda-Mia_filmeRegina Duarte tem a chance de escapar mais uma vez do estigma de “namoradinha do Brasil” que ainda a persegue desde quando estreou na televisão na década de 60.

Neste engenhoso e tenso trabalho de Rafael Primot, Regina encarna a velha escritora ranzinza, Gloria Polk, que não escreve faz tempo. Nessa pausa com as letras, ganha a vida como cozinheira, mas resolve retomar um antigo personagem na forma de um novo livro. O problema é que não sabe como definir o desfecho do romance. Sua mente já perturbada confunde ficção e realidade quando a jovem Carol (Bárbara Paz) chega para entrevistá-la.

gilda-nomacce_em-gata-velha-ainda-miaO encontro das duas suscita uma discussão interessante num embate de gerações cheio de ideias divergentes. Num dos diálogos, a escritora Gloria Polk responde porque gente velha acumula tanto cacareco. Ela explica que os bibelôs agem como alavanca para acionar a memória senil. Complementa que os jovens estão cada vez mais impessoais por não saberem preservar a textura do passado. Digitalizam, editam, deletam, mas não retêm. Essa contenda difícil de concluir é habilmente interrompida pela chegada do bizarro personagem Dida (Gilda Nomacce), uma vizinha estranha e intrometida que começa a dar uma nuance soturna à trama.

Ainda que precise de um ou outro pequeno ajuste, especialmente em sua segunda parte, quando o roteiro ganha tons mais pesados, o filme tem o mérito da ousadia, quando flerta deliciosamente com os gêneros noir e terror, raros no Brasil.

Carlos henry

A Grande Beleza (La grande bellezza. 2013)

A-Grande-Beleza_2013_cartazDifícil ficar impassível diante do filme “La Grande Bellezza” de Paolo Sorrentino, assim como é difícil acompanhá-lo. É uma obra complexa e que convém ser vista mais de uma vez. Intensamente belo como o título, desfila imagens de Roma de tirar o fôlego até os créditos finais. Remete a Fellini quando evoca a religião em quase todos os momentos da estória, mas de uma forma bem menos satírica ou debochada, ainda que cheia de humor.

O ponto central é um figurão da alta sociedade italiana cujo desencanto aos 65 anos é amparado em festas repletas de bizarrices e situações decadentes acompanhadas por um séquito não menos incomum (Sua editora, por exemplo, é uma anã bem resolvida com seu tamanho). Ele é jornalista e procura motivação para voltar a escrever. Sua personalidade é ácida, mas compreensiva. Consegue enxergar tudo com sensibilidade e sarcasmo, o que cria passagens fantásticas como quando visita os monumentos de Roma (Marforio), ou nas ricas conversas com a empregada ou com a “santa” madre que ele tenta entrevistar. A suposta santa-freira acredita ter poderes, dorme no chão, só come raízes e fala com os pássaros. Ela é protegida por um estranho cardeal metido a chefe de cozinha que já foi exorcista e aspira ao cargo papal.

O ponto chave da procura incessante da grande beleza pelo protagonista parece estar na sequência do mágico que frustra o desejo do rico escritor quando pede para desaparecer como a girafa da cena. A resposta é reveladora: “– Você acha que se eu soubesse de fato fazer alguém sumir, estaria aqui fazendo essas bobagens? É só um truque.”

A mais provável resposta dessa busca é que a grande beleza é ilusória, inconclusiva, não existe. Mas também pode estar numa peça maluca onde a artista corre nua para bater num muro, na criança que se esfrega de tinta colorida numa enorme tela diante de uma plateia extasiada, na exposição de fotos de cada dia da vida de um homem desde os quatorze anos até sua maturidade, na inocência do primeiro amor ou na beleza interior da freira que abdica de tudo para virar santa. O espectador escolhe.

Amor (Amour. 2012)

Amor_2012Na cerimônia religiosa há o: “E até que a morte os separe!“. Para quem assistir o filme “Amor“, e estando dentro de uma união sólida, por certo irá se fazer algumas reflexões ao longo dessa história. Uma delas seria, ou melhor, no íntimo desejaria que sua união durasse tanto assim. E também plena de amor. É algo de se admirar um casal de idosos ainda enamorados!

Mas o Diretor Michael Haneke em “Amor” não traz apenas uma radiografia da velhice batendo na porta do casal Georges (Jean-Louis Trintignant) e Anne (Emmanuelle Riva). Pois aqui já adentra uma longevidade não apenas com as limitações impostas pela idade, mas também as complicações geradas por alguma doença. Levando a história a abordar temas ligados a isso. É a Medicina também sendo questionada por avaliações, ou mesmo erros médicos agravando as lesões em vez de melhorar. Ou mesmo esperando dela a cura de todos os males. Mais do que “Agora Inêz é morta!“, é o que fazer com isso?

Amor-2012_Isabelle-HuppertHaneke também põe o dedo na ferida no que concerne aos membros mais íntimos da família: os filhos. Em “Amor” teríamos o peso caindo numa filha única, caso ela mesmo se importasse em ajudar o pai em cuidar da própria mãe. Quem faz a filha, a Eva, é a sempre ótima Isabelle Huppert. Quando o marido de Eva lança um olhar para ela após Georges contar o que fará dali em diante, ela mostra que filha ela é. Mais! Na cena final também onde mostrou que foi bom deixado o pai sozinho.

Não há pressa em contar essa história. Até por mostrar toda a dificuldade diante as limitações impostas pela doença de um, e a velhice do outro. Onde um parece ainda entender o quanto está sendo pesado ao outro. E se parece querer espantar os próprios pensamentos pois nele estaria um “Até quando?”. Nessas horas, é música clássica– paixão antiga de ambos -, que o embala.

Agora, há também um outro tema que Haneke traz à mesa de discussão. Só que ao contrar será um grande spoiler. Confesso que fiquei na dúvida se seguiria ou não, mas por ser um assunto que volta e meia aparece nas manchetes jornalísticas, eu resolvi trazê-lo também. Sendo assim, se ainda não viu o filme pare a leitura, pois daqui para frente haverá spoiler.

Então, em “Amor” nos leva também a pelo menos refletir sobre a eutanásia. Não como a julgar o personagem que meio que clamou por ela, mas mais se também pediria, numa igual situação. E talvez se faria o que o outro fez. São os fins justificando os meios? Há realmente a hora que todos os obstáculos tornam-se o gatilho do tiro de misericórdia? O cansaço foi vencido? E outras reflexões mais. Mas uma certeza nos fica, a de que apesar de todos os pesares, o amor entre Georges e Anne não morreu.

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.”
(Soneto de Fidelidade, de Vinicius de Moraes)

Amor” é um filme belíssimo! Embora longo, nos mantém atentos a todo o drama do casal. É triste! Até pelo nó na garganta que fica após o fime por entender e aceitar o que foi feito. Talvez seja o nosso lado racional em respeito ao desse casal. Rever? Não sei. Mas com toda a certeza vale muito a pena ver! Nota 10!

Por: Valéria Miguez (LELLA).

Amor (Amour. 2012). Áustria. Direção e Roteiro: Michael Haneke. Elenco: Jean-Louis Trintignant, Emmanuelle Riva, Isabelle Huppert. Gênero: Drama, Romance. Duração: 127 minutos.

Amor (Amour. 2012)

96128_galO filme “Amor” de Michael Haneke é escrupuloso, e exigente- uma visualização de mais de duas horas de um romance bem além das fronteiras, que atravessa noções difíceis ao mostrar a existência humana no seu estado mais íntimo e mais triste.

Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva “vivem” Georges e Anne, professores de música aposentados que levam uma vida de requinte em Paris. Georges não parece assim tão saudável, mas é  Anne que cai numa degradante debilitação.

96123_galNão é fácil, más sabemos que a debilitação, a doença e a morte vêm para todos nós em algum momento. E isso vem acompanhado com amor, um temor e grande ressentimento. Mas, também sabemos que a maioria das famílias tem de lidar com tudo isso em algum dia.

Quando Anne pede que Georges a prometa, que o mesmo nunca a levará a um hospital. Ele mantem a sua palavra. O fardo que Georges carrega é pesado, pois Anne piora, depois de um segundo derrame, e ele se sente obrigado a cumprir a tal promessa. Uma das coisas mais dolorosas sobre “Amour” não é apenas ver a degradação fisica de Anne – trocas de fraldas, sendo alimentada e carregada, e os seus gemidos sem palavras-, mas os poucos recursos sociais que esse velho casal tem como: família, amigos e vizinhos.

Do outro lado da tela, me senti torturado pela crueldade de Haneke. Eu queria gritar. Queria sair daquele tormento brutal. Sabia que a morte de Anne parecia inevitável a partir dos primeiros minutos,  mas a forma como Haneke escolheu, a fim de, finalmente, chegar a esta conclusão cheia de simbolismos, é intensamente perturbador. Me senti dentro um filme de um terror!.

Contente por ter assistido “Amor”, mas uma certeza tenho eu, que nunca o verei novamente. E, se Riva não levar o Oscar de melhor atriz vai ser tão cruelmente injusto quanto ao ausência de Trintignant entre os indicados!

Nota: Não tenho uma nota para esse filme! 😦

O Cinema Mostrando que Entre Pais e Filhos Não Deveria Ser uma Via de Mão Única!

jersey-girl

Confesso que pensei em por como título isso: “Filho é para quem pode!” Mas iria soar grotesco. Agora, seria algo mais direto. Não falo apenas na questão financeira. Engloba muito mais! Até a estrutura psíquica da pessoa. Melhor! Do casal estar de fato integrado ao novo compromisso: o de trazer um filho ao mundo. De criá-lo até que possa se fazer por si próprio. Então, dando um giro pelo Filmes para ver a quantas andas essa relação: Pais & Filhos. Vem comigo!

A foto inicial é do filme: “Menina dos Olhos” (Jersey Girl). Aqui, com a morte da esposa no parto, ele, o pai, fica desorientado. Não apenas perde o emprego, como fica desacreditado na profissão. Então, vai morar com o pai no subúrbio. Mas o tempo passa e ele só pensa em voltar ao topo. Delegando ao seu pai, ser o pai de sua filha. Até que… Tem mais aqui.

nobodyknowsEsses dois outros são mais difíceis de achar, mas vale a pena procurar. Como também é para quem curte o Cinema Asiático, por serem longos e num ritmo lento. O primeiro é: “Ninguém pode Saber” (Dare mo Shiranai). Uma mãe jovem demais, que um belo dia abandona os 4 filhos, numa de que ela tem direito de ir curtir a vida. Então, o mais velho, com 11 anos, faz de tudo para ser pai e mãe dos irmãos. Conto mais aqui.

O outro é de Animação: “A Viagem de Chihiro” (Spirited Away). Revoltada por conta de ir morar em outro lugar, no caminho, ela e seus pais vão parar num local estranho. A personagem então terá que enfrentar seus medos para conseguir sair desse lugar assustador, como também tirar o feitiço dos pais. O legal de assistirem com crianças é deles perceberem que a melhor arma é o amor, a amizade, a solidariedade, como também aceitar as diferenças… Tem mais aqui.

the-simpsons-the-moviePor falar em Animação… Esse outro traz um pai que é mais um bebezão. Alguém que nem deveria ter sido pai. Pela foto, essa figura já é bem conhecida. Eu confesso que não curto o desenho. Mas vi o Longa. O Bart faz de tudo para receber carinho e atenção do pai. Mas esse, nem está ai. Tem mais de “Os Simpsons” aqui.

Há quem busque por uma família, um lar. Buscando por um carinho que não receberam. Em alguns, a rejeição abala tanto que faz da fantasia uma armadura. Nesse, deixo a sugestão de “Ensinando a Viver” (Martian Child). O menino dessa história se faz de marciano. Vive em um orfanato. Um viúvo, por ser escritor de ficção científica, é contactado para uma adoção. Por não se sentir capaz, recusa. Mas uma amiguinha de orfanato resolve dar uma forcinha. E termina por conseguir que os dois se encontrem. A partir dai, será um longo caminho entre esses dois. Tem mais aqui.

Um outro que eu também amei, traz um ainda bebê abandonado pela mãe na porta de uma igreja. Ele então é adotado por uma família onde é maltratado por não aceitarem a homossexualidade dele. Então ele usa a fantasia para contar uma história para si próprio. O filme é “Café da Manhã em Plutão” (Breakfast on Pluto). Ele sonha encontrar sua mãe verdadeira. E quando a encontra, descobre um tesouro maior. Tem mais aqui.

anche-libero-va-benePor falar em abandono… Bem, se alguém ficou um tempo enorme, forçosamente ou não, sem ver os próprios filhos, numa volta ao lar há de encontrar certa resistência. Pelo menos de um dos membros dessa família que ficou sem a sua presença e que de repente ocupará um lugar que não existia antes. Esse olhar meio triste, meio perdido em pensamentos, ai na foto, é do filho caçula em “Estamos bem mesmo sem você” (Anche libero va bene). Ele meio que se resguarda por não entender o porque a mãe o abandonou. Mais detalhes aqui.

O ser humano é uma caixinha de surpresas. Alguns, não aguentam o tranco do destino e… Nesse outro filme, a mãe saiu do casamento por conta das contas que se acumularam com o marido desempregado. Ela até tentou levar o filho, mas o pai implorou que o deixasse com ele. É o “À Procura da Felicidade” (The Pursuit of Happyness). E esse pai faz de tudo para que o filho sinta que eles ainda têm um lar, mesmo pernoitando no metrô. Conto mais aqui.

Se trouxe o filho ao mundo a responsabilidade por ele cresce. Até em passar bons exemplos. Mas quando esse nascimento veio sem ser planejado, e mais, se não souber segurar a barra, o melhor a fazer é buscar por ajuda de um profissional. Pois o acúmulo de um desequilíbrio, um dia vai explodir.

white-oleanderClaro que as pessoas têm o direito a momentos seus. Namorar, é algo sempre bem-vindo. O que não deveria é se deixar dominar por uma paixão. Ainda mais numa mente já com um parafuso solto. É um passo para cometer um crime. Com isso terminam deixando o filho a deus-dará. E é mais ou menos isso que temos em “Deixe-me Viver” (White Oleander). A mãe envenena o namorado, com a prisão, sua filha conhece o mundo sozinha. Tem mais aqui.

Há algo que para a maioria dos pais é uma dor insuportável: o de enterrar um filho. Ainda mais sendo uma criança, e mais ainda por uma irresponsabilidade de uma pessoa. Em “Traídos pelo Destino” (Reservation Road) o atropelamento foi um estopim. Um tipo de “Acorda!” bem abrupto para um também pai. E para o pai da criança atropelada, a perda do filho encobriu-lhe a visão na busca pelo culpado. Aqui.

Gente! Esse outro filme foi super criticado. Agora, eu adorei! Eu ri muito, como também chorei numa cena onde a Diane Keaton confessa algo a filha caçula. Num papo de mulher para mulher, mas algo raro entre mãe e filha em gerações como a minha. O filme é o “Minha Mãe Quer Que Eu Case” (Because I Said So). Querendo arrumar alguém decente para sua filha, essa mãe põe até anúncio na internet, e faz as entrevistas. Claro que às escondidas. Tem mais aqui.

Pais! Chega uma hora que acabam virando filhos. Quer seja por idade, ou doença. Enfim, chega a hora de aceitarem as limitações que a vida impôs. A questão é saber se seus filhos hão de querer também aceitar que serão eles agora os responsáveis nos cuidados. Se não verão como um fardo a se carregar. Ou se darão um jeito de alguém disposto a isso. Nesse tocante, trago um filme lindo de ver e rever. É o “Conduzindo Miss Daisy” (Driving Miss Daisy). Por não estar mais em condições de guiar o carro o filho contrata um motorista. Acontece que a mãe é turrona, não dar o braço a torcer. Por outro lado, o motorista é um cuca-fresca adorável. E aos poucos, vai nascendo uma linda amizade entre eles. Conto mais aqui.

the-savagesJá nesse outro a minha motivação maior para vê-lo foi por estar no elenco o Philip Seymour Hoffman. Aqui a senilidade do pai fará com que dois irmãos busque pelo sentimento família. Não tiveram a presença da mãe, como também tão logo puderam se virar sozinhos, cairam no mundo fugindo da tirania do pai. E nessa reunião forçada da “A Família Savage” (The Savages), eles tentarão ser de fato uma família. Aqui.

Um filme que todos da família deveriam assistir é o “Conversando com Mamãe” (Conversaciones con Mamá). O filme faz uma radiografia em quase todos os problemas modernos pertinentes a uma família. Como diz o título é um papo com a mãe e cujo filho já é adulto. Por estar desempregado, a mulher o pressiona para que venda a casa da mãe, porque ela não quer perder o status. Ele, que nos últimos tempos só falava com a mãe por telefone, ao chegar na casa dela se surpreende até por ela ter um namorado. E nessa conversa ele descobrirá mais que a infância perdida. Conto mais aqui.

el-hijo-de-la-noviaBem, há muitos filmes que abordam essa relação. Que ficarão para uma próxima vez. Para encerrar, um convite ao casamento dos próprios pais. Por que não, não é mesmo? É o “O Filho da Noiva” (El Hijo de la Novia). Que após um ataque cardíaco : “O filho que tomou às rédeas do restaurante da família. O filho que passa a olhar a mãe, que agora sofre do mal de Alzheimer, com outros olhos. O filho que tenta entender a vontade atual do pai, em casar na igreja com sua mãe. O pai, que ele até então estava se comportando (um dia na semana para estar com a filha). O namorado, ou melhor, o namoro que apenas ia levando… E outras descobertas mais nessa pós-parada.”

Enfim que em vez de Pais versus Filhos, que seja Pais e Filhos!
E que um colo é sempre bom de dar, como também em receber!
See you!

Por: Valéria Miguez (LELLA) (Em: 19/06/08).